SPTrans: a frota de ônibus e o número de passageiros e os táxis e EMTU nos corredores

ônibus

Táxi só pode entrar em corredores de ônibus se tiver transportando passageiros, mas prefeitura estuda possibilidade de proibir a circulação destes veículos nos espaços do transporte público. SPTrans diz que pretende ampliar a oferta de transportes, mas aumento da frota de ônibus não é prioridade. Foto: Adamo Bazani

SPTrans quer aumentar oferta de transportes com reorganização de linhas e não com crescimento de frota
Prefeitura não descarta proibir circulação de táxis e restringir os ônibus intermunicipais em corredores
ADAMO BAZANI – CBN
A SPTrans, São Paulo Transportes, informou, pela assessoria de imprensa nesta quarta-feira, dia 25 de setembro, que planeja ampliar a oferta de transportes por ônibus com a reorganização de linhas e aumento da velocidade dos veículos.
A gerenciadora do sistema disse que a ampliação da frota de ônibus e micro-ônibus não é prioridade da administração.
Para a SPTrans, o foco é que a atual frota ganhe eficiência.
Levantamento com base nos dados da SPTrans, na comparação entre os meses de março e agosto mostra que a proporcionalmente o número de passageiros cresceu 6,88 vezes mais em comparação com a quantidade de ônibus disponíveis no sistema.
A SPTrans confirma os dados, mas diz que não houve alteração na frota à disposição, que sempre é de 15 mil veículos e nega crescimento desproporcional do número de passageiros sobre a quantidade de ônibus.
As variações entre um mês e outro se referem à frota cadastrada, de acordo com a SPTrans, e não à frota operante. Assim, números diferentes aos 15 mil, que aparecem nos relatórios são referentes às adequações das empresas, que ao longo da operação realizam compras e vendas de veículos, em processos de renovação.
Assim, de acordo com a SPTrans, a frota atende às variações do número de passageiros que aumenta ou diminui de acordo com cada mês.
A empresa usou como exemplo o mês de agosto deste ano e o mesmo mês do ano passado.
Neste mês de agosto, os ônibus em São Paulo transportaram 260 milhões 860 mil e 248 passageiros. Já em agosto do ano passado, foram atendidos 268 milhões 12 mil e 40 passageiros. A inauguração de novas estações de metrô foi um dos motivos apontados pela SPTrans para a diminuição no número de passageiros dos ônibus.
Ainda segundo a gestora, aumento de frota sem reorganização de linhas pode sobrecarregar o sistema de transportes sem trazer benefícios.

PREFEITURA PODE TIRAR TÁXIS DOS CORREDORES DE ÔNIBUS:

A Prefeitura de São Paulo não descarta a possibilidade de proibir a circulação de táxis e limitar os ônibus intermunicipais, gerenciados pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, nos corredores exclusivos da cidade, que ficam à esquerda do tráfego. Nas faixas, que ficam à direita, os táxis já não podem circular, mas os intermunicipais são permitidos. Também são permitidos os ônibus de fretamento somente nas faixas da Marginal do Rio Pinheiros e da Marginal do Rio Tietê, desde que não realizem embarques e desembarques.
Estudo da SPTrans de 2011 mostra que a entrada e saída dos táxis nos corredores são interferências que diminuem a velocidade dos ônibus, reduzindo a eficiência dos transportes coletivos.
Segundo o secretário municipal de transportes, Jilmar Tatto, hoje a média de velocidade nos corredores em São Paulo é de 14 quilômetros por hora, índice que considera baixo.
Essa velocidade seria um dos motivos para a demora dos ônibus e lotação nos pontos e nos veículos.
O tempo dos semáforos em cruzamentos, que não priorizam a passagem dos ônibus, também é outro fator a ser estudado para dar mais eficiência aos corredores exclusivos.
A SPTrans também quer diminuir a quantidade de linhas de ônibus municipais de corredores. Segundo a gestora, algumas linhas subaproveitam os corredores de ônibus, percorrendo pequenos trechos dos espaços.
Outra medida polêmica que é estudada pela prefeitura é a diminuição de linhas de ônibus intermunicipais, gerenciados pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos nos corredores de ônibus.
A saída destes ônibus dos corredores poderia aumentar a velocidade dos serviços municipais, mas deixaria mais demorada a viagem de pessoas que vem de cidades vizinhas.
O secretário de transportes, Jilmar Tatto, em entrevista coletiva não mencionou dois pontos: os ônibus municipais que usam corredores intermunicipais e a qualificação dos atuais corredores.
Tatto criticou os ônibus intermunicipais que circulam nos corredores da Prefeitura.
Mas o Corredor Diadema – Estação Berrini, na zona Sul, para o transporte intermunicipal, hoje recebe ônibus municipais que, a exemplo dos táxis, entram e saem do espaço dedicado ao Sistema Metra de Transportes, do serviço Corredor ABD.
A movimentação dos ônibus municipais reduziria a velocidade dos veículos do sistema Metra, de acordo com a operadora metropolitana.
Além de medidas como a restrição de outros veículos nos corredores municipais já existentes, são apontadas como essenciais obras de qualificação, como criação de mais pontos de ultrapassagem, para evitar longas filas nas paradas, e a implantação de estações que permitem o pré-embarque, que é a possibilidade de pagar a passagem antes da chegada dos ônibus, o que diminuiria a demora nas paradas, influenciando no aumento da velocidade operacional.

VIAS DO CENTRO DEVEM TER VELOCIDADE REDUZIDA PARA 40 QUILÔMETROS POR HORA:

As ruas e avenidas do centro histórico de São Paulo devem ter velocidade máxima permitida de 40 quilômetros por hora.
A redução deve ser imposta depois de concluído o conjunto de corredores de ônibus que vão circundar a região central, como Avenida Ipiranga, Avenida São Luís, Avenida Rangel Pestana, Avenida Mercúrio e Avenida Senador Queirós.
Nestas vias delimitadoras, a velocidade permitida deve ser entre 50 quilômetros por hora e 60 quilômetros por hora. As ruas e avenidas compreendidas entre este círculo de vias é que devem ter velocidade restrita a 40 quilômetros por hora.
Para o secretário municipal de transportes, Jilmar Tatto, o objetivo da redução é aumentar a segurança de ciclistas e pedestres no centro da cidade.

SÃO PAULO TERÁ MAIS RADARES:

O número de radares também deve ser ampliado na cidade de São Paulo.
A colocação de mais equipamentos deve ser feita por aditivos contratuais para a contratação das empresas que vão instalar os radares.
Velocidade nas vias, rodízio e invasão de faixas de ônibus serão as principais infrações que devem ser flagradas pelos equipamentos.
A cidade deve ter também 200 radares específicos para detectar desrespeito aos espaços dos ônibus nas faixas exclusivas.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

10 comentários em SPTrans: a frota de ônibus e o número de passageiros e os táxis e EMTU nos corredores

  1. Enquanto tiverem esta visão burra e mesquinha que o sistema municipal é um e o sistema intermunicipal é outro, não haverá avanços em mobilidade urbana. Não se pode pensar em soluções isoladas, as soluções devem ser pensadas de modo metropolitano.

  2. José Bezerra Neto // 26 de setembro de 2013 às 00:12 // Responder

    A SPTRANS tem razão em alguns pontos e em outros está completamente equivocada.

    É verdade que não precisa aumentar muito a frota de ônibus se as linhas tiverem eficiência. Mas não concordo que a frota atual é suficiente.

    Táxis em corredores de ônibus nunca foi uma medida inteligente pelo comportamento dos taxistas, O entra e sai é perigoso. Isso sem contar que o transprote público, que leva mais gente, precisa fluidez. Táxi não é transporte público e nem coletivo. É serviço de locação momentânea. Ajuda muito a mobilidade na cidade, não tenha dúvida, mas não a ponto de merecer circular pelos corredores.

    E concordo com o Luiz Nunes. Essa briga boba entre ônibus municipais e intermunicipais não leva a lugar nenhum.

    As pessoas precisam de transportes conjugados e o ônibus intermunicipal muitas vezes aproveita mais o corredor que muitos municipais.
    Espero que EMTU x SPTrans não seja um plano de fundo para PSBD X PT.

    Abraços

  3. Ate o momento nao vi ainda o corredor da Radial Leste,e fiscalizaçao na faixa ja exsiente o dia todo e a noite,cade Tatoo?

  4. Amigos,
    A melhoria do fluxo dos onibus pelos corredores devem passar por um estudo que defina seu melhor aproveitamento.
    UM EXEMPLO: Quando inaugurado o Terminal Pinheiros, as linhas da EMTU sofreram alterações de itinerarios, tendo algumas linhas desviadas para a marginal Pinherios , saindo do corredor Francisco Morato\Rebouças exatamente sobre a Ponte. No Pico da manhã, está saida encontra o transito congestionado e a saida do corredor fica muito lenta causando interrupçãp no corredor dos onibus que se destinam ao centro.
    Informei o fato a Sptrans e como resposta recebi a orientação de me dirigir diretamente a EMTU.
    Aí eu perguntei quem gerenciava o fluxo dos corredores. A Sptrans calou-se. Não respondeu.
    abs

    • Jair, boa noite.

      Essa questão ai é o seguinte:

      Na real fizerem o Terminal Pinheiros, mas “esqueceram” de fazer o acesso para oos Buzões oriundos da Francisco Morato, Elizeu de Almeida, Raposo Tavares e da Vital Brasil, certo ?

      Certo ? Certo.

      Ai agora vai ficar esse bololô até sabe lá quando.

      E como é PREVISÍVEL a criança não tem pai, e um vai ficar jogando para o outro e nada será resolvido.

      Outro dia um EMTU, ficou atravessado na ponte, saindo do corredor e a traseira ficou no corredor bloqueando o fluxo.

      Não perca tempo em reclamar para a fiscalizadora, pois nada é resolvido e ainda dizem que não encontraram o problema que relatamos.

      É um RELAXO!

      Att,

      Paulo Gil

  5. fabio maia ferreira // 26 de setembro de 2013 às 16:48 // Responder

    Eles tem é que pegar buzão em horário de pico. Ah, vão se LASCAR EMTU, SPTRANS, PT e PSDB. Querem eficiência, copiem e coloquem em prática, imitando a Alemanha, Japão, Suíça, Suécia, Canadá e Curitiba no Paraná, onde sim, o sistema de transporte em geral. FUNCIONA. Ah, faz favor…

  6. Fato! O Número atual de 15.000 ônibus (sendo que “só uns 5000 são do tipo micros & micrões) é INSUFICIENTE para a cidade, especialmente quando o bilhete único for amplamente consolidade e gerar um número extra de viagens por toda a cidade que ainda nem tem todos os terminais urbanos prontos e funcionando! Tal situação já está gerando ônibus mais lotados, inclusive fora do horário de pico! Quisera eu, tivéssemos uma imprensa mais atuante para de helicóptero sobrevoar a cidade de SAMPA no horário do pico e focalizar em várias garagens de ônibus: como tem ônibus parado! E não mintam dizendo que são os ônibus reservas, mesmo porquê a maior parte deles deveria sim estar ajudando a carregar os trabalhadores e estudantes de volta para suas casas ou para seus afazeres laborais ou estudantis!
    Como tem ocorrido acidente de ônibus em Sampa! Até que o Datena da Band tem razão! Prá que aumentar a velocidade dos ônibus se na velocidade atual em que eles estão já causam acidentes? Na visão datenista a solução seria criar novas linhas e opções de deslocamentos sem precisar passar pela região central e mais ônibus nas ruas e só! Como a atual administração ou des-governo como prefiro chamar NÃO TEM prioridade de ampliar o número de ônibus em circulação para pelo menos uns 15.900 ônibus (mesmo porquê a prefeitura teria que gastar amais um pouquinho com subsídios), digo-lhes em alto e bom som: o atual prefeito do qual MALuf é aliado NÃO conseguirá cumprir nem 50% do que prometeu para o transporte! Vem mais malddad por aí! Coitado dos que dependem da saúde doente de São Paulo cujas políticas PeTralhas e dos não menos canalhas tucanos tem contribuido para sucatear os postos de saúde e os hospitais! Fico pensando o que seria de SAMPA se um acidente industrial ocorrido em São Francisco do Sul ocorresse também na região do ABC! Não se tem mínimas estruturas para se atender ao doente quando mais em casos de calamidade como os ocorridos aqui em Santa Catarina que afinal de contas também não é nenhum paraíso como alguns do Brasil pensam!

  7. Amigos, boa noite

    Agora até na 7411-10 está rodando Apachezinho cabritinho e encardidinho por dentro
    (8 2169); viu o que deu não ter aumentado a tarifa para R$ 3,20.

    Apache na cabeça.

    Quanto ao Corredor Rebouças é necessário urgentes providências, hoje entre 17:05 e 17:30, o tempo que fiquei esperando o meu Buzão, me deparei com a seguinte situação:

    1) Excesso de Taxi, com e sem passageiro;

    2) Fretado descendo “na maior” em pleno corredor;

    3) Ambulâncias;

    4) Viaturas;

    5) Carros particulares;

    Esses “invasores” realmente estão emperrando o Corredor Rebouças, portanto é imprecindível a proibição dos taxi circularem nos Corredore no horário de “rush”.

    Fiscalização tem de ser reforçada, para tirar “invasores” do corredor e multar.

    Da forma como está o Corredor Rebouças, este não é mais um corredor.

    Nesses prazerosos 25 minutos que fiquei esperando o Buzão, tive a oportunidade de acompanhar o embarque de vários Buzões e comprovar o quanto a catraca EMPERRA embarque.

    Será que ninguém enxerga que catraca dentro de Buzão é inadimissível, além de ser ultrapassado tecnologicamente.

    Na Transpúblico estava exposto medidor de fluxo sem catraca, o produto já existe

    Igual as bilheterias do metrô dentro das estações, isso já devia ter acabado faz tempo, bilheteria de metrô não pode mais ser dentro das estações, dado o alto fluxo de passageiros.

    Em especial na linha 4 Amarela, onde o fluxo de passageiro sequer foi planejado, pois há o cruzamento constante de fluxo, uma verdadeira aberração de projeto.

    Conclusão; do jeito que está, estamos com menos um Corredor de Buzão em Sampa, pois o Corredor Rebouças, deixou de ser corredor.

    Obs.: E pela manhã no sentido bairro centro trafegou um Buzão de turismo do interior, acho que o piloto pensou que estava na lua.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Relaxo !

    Att,

    Paulo Gil

  8. Amigos, bom dia

    Complementando.

    No ex Corredor Rebouças, para que ele volte ser um Corredor, além de eliminar os “invasores”
    mencionados nos itens 1 a 5 do comentário supra, deve ser adotada mais uma solução a lá Paulo Gil.

    A obra é simples e barata.

    Uma guarita e 3 catracas.

    Pronto o passageiro paga nas plataformas e embarca direto no Buzão sem “emperramento”.

    Não adianta chorar, quer melhorar, tem de aplicar solução a lá Paulo Gil, pois é mais fácil galinha criar dente do que o ex Corredor Rebouças virar TransMilênio Corredor de Uberlândia, ou BRT do Rio de Janeiro.

    Mas tenham piedade, retirem as catracas dos Buzões juntamente com aquele monte de ferro retorcido que fica ao lado dela.

    Ou na pior das hipóteses, implantem o cobrador móvel, com o validador a tiracolo e o passageiro
    vai “clicando” e entrando no Buzão e “inclusivamente” o cobrador passa a ser o último a embarcar e controlar o fechamento da porta.

    Se os mais novos não se lembram, antigamente o cobrador era móvel.

    Fica ai mais uma solução a lá Paulo Gil, para revitalizar o corredor Rebouças, caso contrário fica o sistema como diz meu tio Jacó:

    “Nóis vai, nóis fica e nós fomo”.

    Sempre a mesma coisa, ineficiente e lamentante.

    Fiscalizadora, AÇÂO PRA ONTEM !

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: