Maioria da população aprova faixas de ônibus, diz Datafolha

ônibus

Ônibus em São Paulo. A maioria da população apoia as faixas exclusivas de ônibus. A aprovação é grande até mesmo entre as pessoas que só usam carro, segundo Datafolha. Foto: Adamo Bazani.

Faixas de ônibus são aprovadas por 88% da população
Entre os que não usam carros, a aprovação chega a 77%
ADAMO BAZANI – CBN
Com a implantação de 19,8 quilômetros de faixas de ônibus nesta segunda-feira, desde janeiro foram criados 169, 8 quilômetros de espaços exclusivos para a circulação dos veículos de transporte coletivo. A meta da prefeitura é de 220 quilômetros até dezembro.
Apesar de, em muitos casos, apresentarem gargalos e não oferecerem ao transporte púbico a prioridade necessária, além de receberem críticas, as faixas de ônibus são aprovadas pela população.
Pelo menos é o que aponta pesquisa Datafolha realizada na última quarta-feira com 832 pessoas. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para baixo ou para cima.
De acordo com o levantamento, 88% dos entrevistados apoiam as faixas. Entre os motoristas de carro, esse número é de 77%, mas apenas um terço destes motoristas de carro entrevistados passa pelas vias onde foram implantadas as faixas.

METRÔ:
O índice de aprovação das faixas por parte de quem usa metrô é alto: 90%. Quase igual a quem usa ônibus, cuja avaliação positiva somou 91%.
A explicação se dá pelo fato de que boa parte dos passageiros do metrô também é usuária do ônibus.
O aumento da velocidade média dos ônibus de cerca de 30% (dado da Prefeitura de São Paulo) é o maior motivo para a aprovação.

QUEM REPROVA:

A maior parte das pessoas que reprovam as faixas de ônibus são as que só se deslocam de carro: 70%. Entre os passageiros de ônibus a reprovação é de apenas 6%, o mesmo número de quem usa o metrô.
Medida de mobilidade mas com peso político: ainda segundo pesquisa do Datafolha, 72% dos eleitores do PSDB, partido rival do PT, do qual faz parte o prefeito Fernando Haddad, reprovam as faixas.

TRÂNSITO MELHOR:

Perguntados quais os impactos das faixas exclusivas de ônibus sobre o trânsito, 55% dos entrevistados disseram que houve melhora. Para 27%, o trânsito continua como antes da faixa e 14% disseram que piorou.
Mais uma vez, a avaliação positiva foi por quem usa o transporte público: 60% dos passageiros de ônibus e 55% dos passageiros do metrô acharam que houve melhora no trânsito com as faixas.
A prefeitura não divulgou ainda dados estatísticos sobre o impacto das faixas no trânsito.
Independentemente das faixas de ônibus, o trânsito na cidade é reprovado pela população: 74% dos entrevistados consideram ruim ou péssimo e 9% apenas como bom ou ótimo.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

7 comentários em Maioria da população aprova faixas de ônibus, diz Datafolha

  1. Obvio, so o governo engessado de Serra e Kassab, não viram o obvio, e melhor tentar e errar, do que a paralisação da omissão.

  2. Bom dia Adamo e a tds do blog :
    Vou falar p tds aqui que eu sempre tds cobram para solução melhor no transporte publico .
    A população paga as passagens mais quer transporte digno de qualidade é isto que nos queremos ,agora tb hoje eu vou elogia tb pq eu vi resultado,eu tb estava conversando com usuária que estava do meu lado estávamos falando sobre faixa jacu pêssego,parabéns nossa eu embarquei junto com ela no term são miguel indo em direção term são mateus linha 354m-10 agora de manha era 7:30 da manhã ,quando deu 8:00 da manhã nos estamos descendo no ponto ragueb chofi,olha diferencia quando na semana passada saímos mesmo horário e chegamos 8:30 no mesmo lugar ,então temos que reconhecer esta parte muito bom,agora tem que falar pra consorcio plus aumentar os carros na linha ,esta bom ônibus sãos novos e confortável ,mais nos horários demais demanda de passageiro tem que melhorar mais ,linha é boa operadores também ,mais falta ônibus ,esta aqui meu recado ,ai pra minha decepção fui pegar ônibus mais minha amiga 374T cid.tiradentes quando chegar no piscinão quebrar ,carro Itaquera brasil lote 43 ,ai veio 3063-10 guainazes em seguida fomos embora,eu sou acostumado pegar 3063 hoje eu falei pra minha colega vamos nesse ai quando chega no meio do caminho quebra .o azar .mais é assim mesmo vamos ver ate aonde vai esta Itaquera brasil !bom dia

  3. Vejo uma pseudo aprovação das faixas, pois as pesquisas realizadas ocorrem sempre nas calçadas, onde impreterivelmente está a maior concentração de pessoas usuárias do transporte coletivo. Primeiramente, infelizmente votei nessa Administração que neste primeiro ano se demonstra ineficaz e incapaz de prover planejamento, mas que, por medo das manifestações impôs aos motoristas mais um ônus, além de todos aqueles já impostos anteriormente.
    O prefeito se esquece que foi eleito, não somente pelos usuários do transporte público, mas também por motoristas de carros. Parabenizo a incompetência da prefeitura na total falta de planejamento, pois os taxistas, com a piora do trânsito passam a ter menos passageiros e consequentemente maiores dificuldades financeiras, as ambulâncias demoram mais para chegar aos hospitais e os pacientes correm maiores riscos, os carros e motos são cada vez mais espremidos, havendo risco exponencial de acidentes graves, senão fatais, os vendedores e representantes comerciais deixam de visitar seus clientes, devido a demora excessiva do trânsito e com isso as empresas ganham menos, e consequentemente efetuam a dispensa de funcionários, sendo muitos que se utilizam do transporte público, a polícia passa a atender com mais lentidão as ocorrências, de forma que em alguns pontos da cidade poderão ter aumento da criminalidade. O prefeito Haddad dizer que investiu naquilo em que acredita, isso sim é uma piada, pois ele somente poderia afirmar algo deste tipo se fosse usuário do transporte coletivo (e todos os cargos de ato escalão da Administração, também o fossem), mas alguém por acaso já encontrou o Haddad no ônibus? ou o Alckmin no metrô? Creio que não, pois estes se utilizam dos veículos oficiais para seu transporte pessoal, às custas do dinheiro público. Creio que realmente haja a necessidade de melhoria do transporte público, o qual considero desumano, mas não creio que pintando faixas e aumentando a arrecadação de multas, ou promovendo o caos, se crie a solução necessária. A incapacidade de planejamento se faz na soberba das respostas do prefeito às críticas feitas as faixas, e na sua omissão de promover qualquer readequação do sistema viário, onde se torne possível ter qualidade de trânsito para todos. O Movimento Passe Livre está de parabéns, pois com suas manifestações obrigou uma postura do poder público, mesmo que desajeitada e nada inteligente, mas imaginem o que aconteceria se todos os motoristas decidissem parar SP? Ai o prefeito estaria numa saia justa.

    • Roberto, minha opinião é a seguinte: o coletivo deve prevalecer sempre sobre o individual. Me desculpe, mas discordo de sua opinião. Não há nenhuma lógica em facilitar o trânsito para um veículo que transporta apenas uma pessoa (esse é o perfil dos deslocamentos de carro em SP, atualmente) e jogar no limbo um veículo que, no mínimo, transporta 70 pessoas. Temos que ter corredores mais inteligentes (somente utilizados por veículos de grande porte, articulados e bi-articulados, preferencialmente) com faixa de ultrapassagem para permitir a implantação de linhas expressas e terminais para os ônibus alimentadores. Nem é preciso falar que será também necessário ampliar e modernizar a frota de veículos.
      E se caso houver conflito entre coletivo e individual (por exemplo, ruas e avenidas com poucas faixas disponíveis e espaço restrito para ampliação), o ônibus deve ter preferência. Retirando o excesso de veículos das ruas, facilitará também para aqueles que dependem do veículo para trabalho (como todos os exemplos que você citou).
      Um transporte coletivo mais organizado aumenta a capacidade do sistema e permite que mais pessoas sejam transportadas com rapidez e certa medida de conforto.
      Só para finalizar: as faixas preferenciais deveriam funcionar durante todo o horário de operação dos coletivos. Não faz sentido uma faixa funcionar por três horas apenas, como em alguns casos. Isso só causa confusão.

  4. Amigos, boa noite.

    Fico contente que o corredor a lá Paulo Gil (faixa branca, tachão e sinalização) foi aprovado pela população.

    Não adianta sonhar, quem não tem cão tem de caçar com gato mesmo.

    Claro que um corredor a lá Uberlândia seria bom, mas….

    Att,

    Paulo Gil

  5. Comerciantes do trecho reclamam
    Os grandes prejudicados com a implantação da faixa exclusiva foram os comerciantes do trecho, já que agora está proibido o tráfego e a parada de veículos na pista da direita. Alguns empresários do local estudam até a possibilidade de retirar seu estabelecimento da rua Ibitirama.
    “Trabalho com vidros e desde segunda não tenho como fazer a carga e descarga do material. Estou tendo que atravessar a rua carregando o vidro. Tentei dialogar com os agentes da CET sobre a situação e me ignoraram. Com outros comerciantes daqui já mandei um pedido para o órgão solicitando um estudo deste problema, que vai acarretar em um grande prejuízo para quem tem comércio no trecho. Se nada for mudado, em dezembro, quando vence meu contrato de aluguel, vou ter que mudar daqui para outra via”, critica Marcus Alberto Macarroni, dono de uma loja de vidros na Ibitirama.
    Para o gerente de um comércio de óleos do trecho, Rogério Morales Fernandes, a faixa exclusiva tem que existir, mas a CET deveria ser mais flexível ou dar uma opção aos comerciantes. “Do jeito que está ficou complicado. Os clientes não têm onde parar o carro. Isso gera prejuízo a todos. A faixa realmente é uma boa ideia, tem que ter mesmo. Porém, sem a carga e descarga fica difícil para os comércios. No trecho também tem uma escola, como é que os pais vão desembarcar os filhos? Não vamos mudar o ponto, já que estamos aqui há 53 anos, mas acredito que muitas empresas possam fazer isso se não for dada nenhuma alternativa para elas”, explica Fernandes.
    A reportagem questionou a CET sobre a situação, mas até o fechamento desta matéria não obteve resposta.
    Depois de muito tempo morta , o comercio na Rua Silva Bueno no Ipiranga , o comercio so revitalizou-se depois da construção da Estação Sacomã do Metrô.
    Essa noticia foi extraída da Folha VP on Line 26/072013

  6. joao bernardino dos santos // 5 de Março de 2015 às 11:46 // Responder

    eu tambem aprovo a faixa exclusiva para onibus eu lembro que ir ate a av paulista sem corredor era uma briga trabalhei na paulista num grde banco de sampa era uma ternura agora agradeco a gestao hadad mesmo nao trabalhando na regiao parabens hadad

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: