Renovar frota pode custar quase R$ 1 mi por veículo

ônibus

Ônibus biarticulado em São Paulo. Veículos têm preços que variam de R$ 148 mil a R$ 921 mil. Renovação da frota é custo e investimento para as empresas, mas também significa possibilidade de remuneração maior. Foto: Adamo Bazani.

Ônibus em São Paulo podem custar até quase R$ 1 milhão
Dados foram fornecidos pelas empresas à SPTrans. Renovação de frota é um dos itens nos cálculos das tarifas
ADAMO BAZANI – CBN
A idade média da frota de ônibus e micro-ônibus de São Paulo está em cerca de 4,5 anos de acordo com dados divulgados pela SPTrans – São Paulo Transportes, gerenciadora do sistema da capital paulista.
No sistema de concessão/estrutural, que se refere às 17 empresas de ônibus, com 19 bases nas oito áreas operacionais da cidade, a média está acima do permitido pelo contrato. Enquanto o poder público exige 5 anos de idade média, os ônibus das empresas estão rodando em média há 5 anos e 8 meses. O adiamento da licitação prevista para este ano, após a série de protestos em São Paulo, é a justificativa principal para as viações não acelerarem na renovação da frota, além do aumento no valor dos ônibus após a introdução de uma nova tecnologia de restrição à poluição, com base nos padrões internacionais Euro V.
Já os micro-ônibus e ônibus do sistema de permissão/local possuem idade média de 4,5 anos, inferior aos 5 anos exigidos pela SPTrans.
Dados fornecidos pelas empresas à gerenciadora, através de notas fiscais de aquisições, revelam que para a compra de um veículo novo, é necessário desembolsar em São Paulo de R$ 148 mil, no caso dos micro-ônibus, até R$ 921 mil no caso dos veículos biarticualos, cuja quantidade subiu no sistema. Em 2005, eram 51 unidades de biarticulados enquanto que neste ano, chega a 259 o número de veículos deste porte, que possuem entre 26 e 28 metros de comprimento e capacidade para até 270 passageiros de uma só vez.
A compra de ônibus novos, apesar de significar gasto e investimento das empresas ou cooperativas, também reflete em remuneração maior para os operadores de transportes.
O lucro de empresas que investem em tecnologia e nova frota pode chegar a 14%, enquanto a média é de 6,98%.
Os ônibus de tecnologia limpa, como trólebus e híbridos, apesar de durarem mais e trazerem benefícios ambientais que causam impactos positivos na redução dos gastos com saúde pública, ainda são mais caros que os ônibus convencionais e variam entre R$ 459 mil no caso do ônibus a Etanol a R$ 600 mil dos trólebus de rede aérea.
Não há incentivos fiscais suficientes para a compra destes ônibus que quase não poluem em comparação aos modelos convencionais. No caso dos trólebus, a poluição atmosférica é zero.
Segue tabela divulgada pela SPTrans, com base nos dados fornecidos pelas empresas, em valores em reais.
MIDIÔNIBUS 246.000,00
MICRO-ÔNIBUS 148.517,54
MINIÔNIBUS 185.000,00
BÁSICO 262.000,00
PADRON 310.000,00
PADRON GÁS –
PADRON ETANOL 459.000,00
PADRON LE 15M ETANOL 552.700,00
PADRON LE 415.000,00
PADRON LE/LC 13M –
PADRON LE 13M AUTO –
PADRON LE 15M 582.850,47
PADRON 15M 557.737,91
ARTICULADO 628.844,20
ARTICULADO LE 660.000,00
BIARTICULADO I 799.164,00
BIARTICULADO I I 921.518,00
TRÓLEBUS 600.000,00
PADRON LF HÍBRIDO 537.191,69

Adamo Bazani jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

6 comentários em Renovar frota pode custar quase R$ 1 mi por veículo

  1. Uma diferença de R$ 150.000,00 pelo mesmo ônibus, so pela simples mudança de combustível e um crime, por isso a empresa que mais recebe por passageiro a Novo Horrorizonte compra so ônibus velhos, os novos delas são modelo ano 2008, tem que abrir o mercado para os ônibus chineses isso sim, ai voces vão ver como acaba este absurdo, onde já se viu um ônibus custar R$ 500.000,00, so nesse pais de bananas.

  2. So estou vendo o grupo ruas fazendo renovacao de frota e as outras empresas nao vai renovar frotas nao tirando nh pq ela nao existe no sistema da sptrans

  3. Amigos, boa noite

    E com essa tarifinha de R$ 3,00, tem alguém ai esperando que vão investir em Buzão novo ??

    Esquece, Papai Noel não existe.

    Mas Apachezinho Cabritinho Baleadaço com as rodas repintadas de alumínio EXISTEMMMMMMMmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    “RÁU CARA PÁLIDA”

    Att,

    Paulo Gil

  4. MARCOS NASCIMENTO // 16 de agosto de 2013 às 16:53 // Responder

    Não somente São Paulo, mas TODAS as outras cidades onde ocorreu REDUÇÃO DA TARIFA por pressões populares movidas por manifestações nas quais os Governos Municipais deixaram estes movimentos ficarem ainda mais fortes NÃO OCORRERÁ mais uma renovação tão intensa como vinha ocorrendo e já há casos de cidades onde ônibus mais novos estão sendo substituídos por outros menos novos ou ainda por ônibus novos porém, de motor dianteiro em substituição aos de motores traseiros e minha cidade deu partida nesse processo. Dos 94 ônibus novos apenas 10 tem motores traseiros e piso baixo e assim mesmo por exigência de uma lei federal de acessibilidade. Detalhe curioso ainda é que todos esses ônibus foram trocados por modelos de motor traseiro que circulavam durante alguns anos e os mais antigos eram os de chassi Volvo, porém com o motor no entre-eixos. Tal fato está ocorrendo em N cidades do País e algumas delas onde tenho amigos que trabalham em prefeituras e até em órgãos gestores a ordem agora é: continuem renovando, mas com qualquer coisa! O empresário entendeu a mensagem das secretarias municipais de transportes e com isso está abolindo a frota de motor traseiro que inclusive desapareceu das ruas de Belo Horizonte e de outras cidades há alguns anos. Hoje o que se vê de motores traseiros ou Volvo nesta e em outras cidades não é nada comparado com as quantidades que existiam.
    Penso que a SPTrans irá autorizar o enxugamento da frota de motores traseiros e de coletivos mais caros substituindo-os por equivalentes que custem bem menos.Então é de se esperar que a partir de julho de 2014 quando vigorarem os novos contratos de licitação via terríveis 3 SPEs (sociedades de propósito espefíco) que ESCONDERÃO empresas juntamente com consórcios de empresas, teremos MUITOS, mas muitos ônibus básicos + micrões e quanto às cooperativas? Bem, como todos sabem elas são protegidas pelo prefeito MALddad, especialmente as que circulam na área 4, a pior e mais nojenta área da cidade de São Paulo que com exceção dos trólebus da Ambiental é a área que tem o pior transporte coletivo e pode-se considerar equivalente ao transporte dessas cidades indianas onde até carroça circula como transporte coletivo.No caso paulistano, as carroças são motorizadas e atendem pelo nome de cooperativas ESCONDIDAS dentro de outras cooperativas como é o caso da famigerada Viação Itaquera Brasil que é mesmo a antiga Novo Horizonte. Prá quem disse que a NH não existe observem que o prefixo que ela usava não mudou mesmo com a mudança de nome para Viação Itaquera Brasil e que continua sendo 4 4000 uma vez que 4 3000 é a fantasiosa HAPPY PLAY nome equivalente a uma parque de diversões ou jogos de videogame!

    • Marcos, boa tarde.

      Você me deu uma ideia para um novo nome para a gestora do Buzão de Sampa, o qual é o nome perfeito.

      HAPpyTrans

      Qualquer semelhança com parque de diversão é mera coincidência.

      Valeu.

      Att,

      Paulo Gil

  5. A Infraero comprou ônibus piso baixo 100%, motor traseiro, câmbio “automático” por R$ 421 mil. Ônibus da Mann fabricados pela VW e encarroçado pela Busscar. O absurdo é ainda termos no Brasil do século XXI ônibus urbano de piso alto. É o lado Gana do Ingana. Temos economia e impostos da Inglaterra e políticos e ônibus de Gana.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: