Cooperativas devem transportar mais pessoas ainda, segundo SPTrans

ônibus

Demanda de passageiros de cooperativas em São Paulo cresceu quase 490% desde 2003 e SPTrans diz que serviços vão transportar ainda mais pessoas com reestruturação do subsistema local.

Cooperativas devem transportar ainda mais gente, diz SPTrans
De 2003 até agora, demanda dos micro-ônibus cresceu 487%
ADAMO BAZANI – CBN
A SPTrans – São Paulo Transportes estima um crescimento ainda maior da demanda de passageiros transportados pelas cooperativas de transportes na Capital Paulista.
Isso deve acontecer por causa da reestruturação de linhas prevista para o próximo ano.
O objetivo é encurtar as linhas de cooperativas e fazer com que os veículos realizem mais viagens e transportem mais pessoas.
A redução da extensão das linhas das cooperativas só vai ser possível, no entanto, com o prolongamento de corredores de ônibus para as regiões mais afastadas da cidade e construção de terminais. O projeto da prefeitura é fazer 150 quilômetros de corredores do tipo BRT (Busa Rapid Transit) para ônibus de alta demanda, como articulados e biarticualdos, e ampliar de 31 para 42 o número dos terminais na cidade.
Desde 2003, quando foram regularizados os serviços de lotações, que se transformaram em cooperativas, a demanda de passageiros subiu 487% enquanto o número de pessoas transportadas pelos ônibus teve acréscimo de 73%
Chamado de subsistema local, o conjunto de linhas das cooperativas, de acordo com dados da SPTrans, atendeu 226 mil 983 e 92 passageiros em 2003. Em 2012, os micro-ônibus das cooperativas transportaram 1 bilhão 269 milhões 890 mil 794 pessoas. Neste mesmo ano, as empresas de ônibus, que se referem ao subsistema estrutural, foram responsáveis pelo transporte de 1 bilhão 647 milhões 64 mil 166 passageiros.
A média de passageiros transportados por cooperativas é maior que as empresas de ônibus se for levado em consideração o número de pessoas por veículo.
A regulamentação das cooperativas ocorreu na gestão de Marta Suplicy, à frente da Prefeitura. O Secretário de Transportes na ocasião era Jilmar Tatto, que ocupa a pasta novamente.
Algumas polêmicas envolveram o nome de Tatto e de cooperativas e até mesmo a interferência do crime organizado em algumas garagens.
Os inquéritos policiais não avançaram neste sentido, mas vários cooperados dizem que ainda há a presença de pessoas suspeitas no segmento, mas que a situação melhorou bastante com a profissionalização do setor.
Hoje algumas cooperativas, como a Nova Aliança, conseguiram até certificações de qualidade, como a ISO 9001.
A remuneração das cooperativas é mais baixa que das empresas, variando entre R$ 1,94 a R$ 2,07 por passageiro, em média. A remuneração das empresas varia na média entre R$ 2,07 e R$ 2,47.
Os cooperados dizem que os valores são insuficientes e baixos para novos investimentos.
A Prefeitura diz que pode rever os valores, mas que os gastos das cooperativas são menores, por terem menos encargos fiscais e trabalhistas, linhas menores e operarem veículos de menor porte, com manutenção mais simples e menos consumo de diesel que os ônibus de grande porte.
As cooperativas operam as oito áreas do sistema e são dividas da seguinte maneira:

ÁREA 1 – ZONA NOROESTE – VERDE CLARO
Transcooper Fênx

ÁREA 2 – ZONA NORTE – AZUL ESCURO
Transcooper Fênix

ÁREA 3- ZONA NORDESTE – AMARELA
Nova Aliança
Associação Paulistana

ÁREA 4 – ZONA LESTE – VERMELHA
Transcooper Fênix

ÁREA 5 – ZONA SUDESTE – VERDE ESCURO
Cooperpeople / Coopertranse
Nova Aliança

ÁREA 6 – ZONA SUL – AZUL CLARO
Autho Pam / Cooper Pam
Cooperlíder

ÁREA 7 – ZONA SUDOESTE – VINHO:
Autho Pam / Cooper Pam

ÁREA 8 – ZONA OESTE
Unicoopers
Cooperalfa
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em Cooperativas devem transportar mais pessoas ainda, segundo SPTrans

  1. Não entendo como os senhores põem ai que nos das cooperativas recebemos entre 1,94 e 2,07.
    Sendo que sou cooperado da Associação paulistana, que recebe 1,39 e nos repassa 1,32 devido um reequilíbrio de linhas.

  2. Por favor reveja os valores publicados da Permissão nesta matéria, houve algum equivoco,

    Prezado aqui vao algumas informações :

    para consulta e checagem segue Link Transparencia SPTrans

    http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/transportes/transparencia/sp_trans/index.php?p=151607

    Valores da remuneração por area antes e depois da Portaria 70/07 que realiza o ajuste dos valores de remuneração para baixo limitando os passageiros Idosos/gratuidades e integraçoes valor real da Permissao por area de operação depois do ajuste (Portaria 70/07 SMT)

    4. Tarifa de Remuneração por Passageiro Transportado
    Antes do ajuste

    Área 1 Área 2 Área 3 Área 4 Área 5 Área 6 Área 7 Área 8
    R$ 1,4853 R$ 1,4605 R$ 1,4755 R$ 1,4747 R$ 1,4352 R$ 1,5043 R$ 1,7238 R$ 1,8234

    4. Tarifa de Remuneração por Passageiro Transportado Depois do ajuste (Portaria 70/07 SMT) Área 1 Área 2 Área 3 Área 4 Área 5 Área 6 Área 7 Área 8
    R$ 1,42 R$ 1,40 R$ 1,44 R$ 1,43 R$ 1,39 R$ 1,46 R$ 1,57 R$ 1,77

    R$ 1, 41 e R$ 1,46 valor medio Permissao

    Por favor veja a sua matéria :

    Cresce a importância das cooperativas de ônibus em São Paulo

    Publicado em julho 13, 2013 por blogpontodeonibus

    Cresce importância das cooperativas nos transportes da Capital Paulista
    Média de passageiros transportados por veículos aumentou, mas número de micro-ônibus diminuiu, assim como remuneração por pessoas atendidas também é menor para as cooperativas
    ADAMO BAZANI – CBN
    Nos últimos dez anos, a importância das cooperativas de transportes de passageiros em São Paulo aumentou, de acordo com dados da SPTrans – São Paulo Transportes, gerenciadora do sistema da Capital Paulista.
    Segundo o órgão gestor, no ano de 2012, em média por veículo, as cooperativas transportaram mais pessoas que os ônibus das empresas do sistema de concessão, conforme revelou reportagem dos colegas Fabiana Cambricoli e Rafael Italiani no jornal Agora São Paulo, e que o Blog Ponto de Ônibus/Canal do Ônibus tomou a liberdade para acrescentar mais dados, outros números e outros contextos relacionados aos levantamentos da SPTrans e dos colegas.
    Em 2012, a frota de cooperativas transportou 211 mil 754 passageiros por veículo enquanto as empresas de ônibus transportaram em média 183 mil 156 passageiros por carro.
    Em números absolutos, no entanto, as companhias ainda atendem mais pessoas. Dos 2 bilhões 916 milhões 954 mil 960 atendimentos no ano passado, 1 bilhão 647 milhões 064 mil 166 foram por parte das viações no sistema estrutural e 1 bilhão 269 milhões 890 mil 794 foram atendimentos no sistema local, das cooperativas.
    Vale ressaltar que os números não podem ser analisados isoladamente. Isso porque, na maior parte das vezes, quem usa os serviços das cooperativas também usa na mesma viagem os ônibus das empresas, já que o objetivo principal do sistema local é levar as pessoas até as linhas de ônibus maiores, corredores de ônibus, estações de trens da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos e estações do Metrô.
    No entanto, apesar de ganhar importância nos serviços da Capital Paulista, as cooperativas recebem por passageiro, remuneração bem menor que das empresas de ônibus. Em média, o sistema de permissão (cooperativas) ganha R$ 1,41 por passageiro enquanto o sistema de concessão (empresas) recebe R$ 2,40, em média também.
    A SPTrans justifica a diferença alegando que os custos das empresas são maiores e que as viações têm encargos, inclusive trabalhistas, que as cooperativas não possuem.
    Para a SPTrans, o tipo de veículo operado pelas cooperativas, geralmente ônibus de pequeno porte e as linhas menores resultam em gastos menores em comparação às viações.
    ……………………………………………………………..

    Vale ressaltar que o número de veículos pode variar de acordo com as renovações e frota e a capacidade de cada tipo de ônibus também varia de acordo com a configuração interna
    Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta