Agência Internacional de Energia vê ônibus como solução para o presente e FUTURO

trólebus

Trólebus do ABC Paulista. Relatório da Agência Internacional de Energia aponta os transportes públicos e mudanças de hábitos como solução para a superpopulação urbana prevista para 2050. Mas ações devem ser tomadas rapidamente e não devem se restringir a obras isoladas. Foto: Adamo Bazani.

Agência Internacional de Energia defende ônibus como solução para superpopulação urbana prevista para 2050
Estudo usa exemplos como Seul e Nova Iorque que não só priorizaram os ônibus em corredores como também aumentaram os incentivos aos operadores de transportes coletivos. Transportes públicos podem gerar economia de US$ 70 TRILHÕES até 2050

ADAMO BAZANI – CBN
Se hoje os problemas de trânsito e poluição tiram a qualidade de vida e consomem os recursos nas cidades, a situação tende a se agravar com o aumento da população urbana, que, segundo a ONU – Organização das Nações Unidas, deve corresponder a cerca de 70% dos habitantes de todo o planeta até 2050.
O número de pessoas nas cidades vai aumentar, mas os territórios urbanos não vão crescer na mesma proporção e se a frota de veículos individuais em todo o mundo continuar se elevando no ritmo atual, sem nenhum alarmismo, as cidades em todo o mundo se tornarão impraticáveis.
Neste mês de julho, já tentando apresentar hoje alternativas para que os problemas nas cidades não saiam ainda mais do controle, a Agência Internacional de Energia divulgou um novo relatório intitulado “A Tale of Renewed Cities” (Um conto sobre cidades renovadas, em tradução livre).
A agência aponta a necessidade mais que urgente de as cidades desde já buscarem eficiência energética. E eficiência energética não são carros que queimam melhor gasolina e álcool, de acordo com o relatório, mas transportar mais pessoas com menos veículos.
E para isso, o estudo é enfático em alertar para a necessidade de políticas públicas permanentes para o transporte coletivo e não apenas obras pontuais.
Segundo o relatório, políticas de transportes podem gerar uma economia global de US$ 70 trilhões de dólares (isso mesmo TRILHÕES) com menos veículos particulares, menos gastos com combustíveis e menos desperdício em infraestrutura devido ao mau aproveitamento do espaço urbano gerado pelo uso excessivo do transporte individual.
Isso mostra que por erros de políticas fiscais e falta de prioridade no espaço urbano, o transporte público pode ter as tarifas que não são ainda as ideais, mas o transporte coletivo traz economia para as pessoas, cidades, estados e países.
Não se trata de impedir que as pessoas andem de carro, mas tornar o transporte público o principal meio de deslocamento para as viagens cotidianas.
O estudo teve como base mais de 30 cidades no mundo que tomaram iniciativas em prol do transporte público, planejamento de viagens e gestão urbana. As ações resultam em mais economia para os cofres públicos, para o bolso do cidadão em gastos pessoaIs, maior qualidade de vida e redução da emissão de gases que provocam o efeito estufa.
O estudo é enfático em mostrar quer o ônibus é uma solução para as cidades hoje e no futuro e cita exemplos práticos.
Em Nova Iorque, os investimentos foram em corredores de ônibus expressos, de acordo com o estudo. Em corredores, os ônibus desenvolveram maior velocidade e cada viagem foi reduzida em onze minutos. Parece pouco, mas no acumulado do mês, é tempo suficiente para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, de acordo com a Agência que ainda complemente que a velocidade maior dos ônibus atraiu mais passageiros para o sistema público e mais pessoas deixaram o carro em casa.
Em Seul, a política não foi apenas urbanística, mas fiscal. Os operadores de ônibus receberam incentivos e investiram em veículos maiores, melhores e mais seguros, o que atraiu passageiros também.
A Agência alerta para planejamento de redes combinadas de sistemas ferroviários e de ônibus para que hoje e em 2050, as pessoas possam viver melhor nas cidades.
Belgrado triplicou o número de passageiros no transporte público quando promoveu uma verdadeira reforma nas suas linhas de trens. Não foram apenas consertos ou modernizações isoladas, mas o aumento da qualidade dos trens, deixando com padrões de metrô, algo que poderia ser feito com a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, na Capital e Grande São Paulo.
No relatório são apontadas três ações de políticas urbanas básicas para cidades melhores:
– Conscientização e incentivo para os deslocamentos a pé em pequenas distâncias. Por exemplo, as pessoas não precisam de carros para irem à padaria do bairro
– Incentivo Total ao Transporte Público, tanto em obras como em políticas fiscais, para que esta forma de deslocamento seja predominante nas cidades, tanto no espaço urbano como também na modicidade das tarifas..
– Promoção de veículos com melhor aproveitamento energético, inclusive no transporte público. Aí são considerados ônibus híbridos, trólebus, a gás natural e a biocombustíveis ou outros meios de transporte de massa menos poluentes.
As três ações estão dentro do conceito da agência de evitar (o uso desnecessário do carro), mudar (os hábitos de deslocamento e as prioridades de investimentos) e melhorar (a eficiência dos carros, do transporte público e da gestão urbana).
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

7 comentários em Agência Internacional de Energia vê ônibus como solução para o presente e FUTURO

  1. o ABC tem um grande contraste em termos de transporte público,de um lado o corredor metropolitano com excelentes ônibus circulando nos corredores,com piso baixo,ar condicionado e outras coisas a mais,por outro lado vemos empresas com ônibus velhos,cheios de gambiarras,que não oferecem segurança nenhuma,causando mais trânsito e fazendo os passageiros a evitar o transporte público,trocando por carros,motos e acreditem,até por bicicleta motorizada,rsrsrrs(acho que exagerei demais).

  2. Adamo, a modernização dos trens da CPTM está ocorrendo, de forma similar a de Belgrado. Não são obras isoladas, mas sim parte do plano de modernização da CPTM. Foram contratadas obras de energia , sinalização, modernização de estações, ampliação da frota, melhorias na via permanente,etc. São muitas obras contratadas e outras em fase de contratação. Apesar disso, as obras da CPTM esbarram em três grandes problemas:

    – Falta de capacidade da CPTM em gerenciar tantas obras ao mesmo tempo ( segundo o último relatório de administração da CPTM, a empresa tem mais de 6 mil funcionários e nenhum concursado pós graduado apesar de ter dezenas de gerências e departamentos-isso abre margem para nomeações políticas);
    – Falta de mão de obra capacitada em todas as áreas (desde o projeto até a execução) tanto na CPTM como na iniciativa privada;
    – Falta de interesse da população, imprensa, políticos e justiça em fiscalizar as obras. Muitas estão atrasadas e quase ninguém se importa;

    Assim, fica difícil alcançar a qualidade (qualidade de metrô não existe- existe transporte com qualidade e transporte sem qualidade) esperada por todos em curto e médio prazo.

    • Ivo, bom dia.

      Eu complemento dizendo que ainda falta muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiita modernização; pois em 2014
      termos os vãos existentes entre o trem e a plataforma é INADIMISSÍVEL.

      Eu já enviei uma sugestão à CPTM, mas nem a borrachinha igual a do metrô eles conseguem instalar entre o trem e a plataforma, que dirá a minha sugestão que envolve software e micro suite, acho que isso pra CPTM é modernidade de mais.

      Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      “AO DESEMBARCAR CUIDADO COM O VÃO ENTRE O TREM E A PLATAFORMA”

      E ainda por cima temos de ouvir essa mensagem toda estação.

      Att,

      Paulo Gil

      • Paulo, a redução do vão existente nas plataformas só será possível após a construção do ferroanel e posterior remoção dos trens de carga (e trrens de manutenção antigos) das linhas da CPTM. Hoje, existe circulação de trens de carga em quase todas as linhas (só a linha 9 não possui embora tenha tráfego de trens de manutenção antigos). Os trens de carga são mais largos e sofrem com balanço lateral, de forma que é impossível instalar redutores de vãos nas plataformas (eles não durariam um dia).

      • Ivo, boa noite

        OK.

        Mas o que você acha de instalar nos trens de passageiros um software, leitores óticos, micro suitis e que o software fizesse a leitura da distância entre o trem e a plataforma , a altura em função da carga e ao chegar na plataforma em cada porta sairia uma lâmina de “nylon” que fecharia o vão entre o trem e a plataforma.

        Não disponho de conhecimento técnico para fazer essa engenhoca, mas uma parceria com qualquer universidade do Brasil, seria possível desenvolver esse produto.

        Basta querer .e te digo mais é fácil e barato, pois fazemos no Brasil produtos muiiiiittto
        mais complexos.

        Obrigado e abçs,

        Paulo Gil

  3. Amigos, boa noite

    Mais um relatório com resultado PREVISÍVEL

    Geou na Flórida o preço da laranja em Limeira sobe.

    Esses dados além de óbvios são previsíveis, o que precisamos mesmo é de cérebro e trabalho.

    Semana passada o besta aqui resolveu ir de trem à Transpúblico, foi a maior besteira que fiz.

    O tremzão estva super lotado, circulando com velocidade reduzida, parando para esperar movimentação do trem à frente, e na estação Granja Julieta ficamos mais de 3 minutos parados; sem contar que no meio do caminho soltaram uma BUFA dentro do trem ai o bicho pegou.

    Isso mesmo, uma BUFA, daquela bem fedidas.

    Sem contar o feed back dos passageiros, dizendo que é todo dia assim.

    Ahhhhh eu não desci, me desceram.

    Não adianta enquanto a CPTM não consegui operar igual ao metrô, o resultado será esse mesmo, cuidado com o vão entre o trem e a plataforma, paramos para aguardar movimentação do trem à frente e estamos circulando com velocidade reduzida.

    Sem contar o bololô nas catracas (coisa do passado) para passar para a linha Lilás do Metrô.

    Bom é isso PREVISÍVEL, CPTM ainda tem muito a melhorar.

    Espero que essas entidades façam pesquisas menos previsíveis, pois desse jeito nem dá graça ler esses resultados apresentados.

    O Brasil é o pais que tem o maior número de brasileiros.

    Só para encerrar, teria sido muito mais barato e confortável encarar um congestionamento na Marginal Pinheiros, ouvindo um sonzinho, para ter ido até a Transpúblico, mas eu ainda aprendo.

    Previsívellllllllllllll

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Att,

    Paulo Gil

  4. Sem dúvida que há necessidade de transporte público de qualidade e tudo mais, mas não adianta ter transporte público de qualidade e barato se não houver segurança. Tá todo mundo falando pro transporte melhorar e ficar mais barato mas estão esquecendo que um dos fatores que MAIS contribuíram para a população partir pro transporte particular foi a falta de segurança do transporte público. Cansei de ver assaltos em transporte público, não só dentro de um ônibus, mas depois da parada, quando o assaltante espera o passageiro descer pra assaltá-lo na rua. E aí, como faz pra resolver isso? Não adianta, no Brasil, se todo mundo usar transporte público, os assaltantes vão vir com tudo, porque assim é o Brasil, um país de OPORTUNISTAS, e não de oportunidades.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: