Dilma anuncia R$ 50 bi para mobilidade e desoneração sobre ônibus

Publicado em: 25 de junho de 2013

ônibus

Presidente Dilma Rousseff destaca que as cidades erraram em não investir em metrô, mas reconhece a importância dos ônibus na cadeia da mobilidade urbana. Por isso, anunciou R$ 50 bilhões em investimentos em transportes, contando com corredores expressos de ônibus e BRTs, além de desonerar IPI de ônibus e o diesel. Ela cobrou também desonerações por parte de governadores e prefeitos. Foto: Adamo Bazani

Dilma anuncia R$ 50 bilhões para Mobilidade Urbana
Impostos sobre ônibus serão reduzidos e será criado Conselho Nacional do Transporte Público
ADAMO BAZANI – CBN
Em reunião com governadores e prefeitos nesta segunda-feira, dia 24 de junho, para a formação de um pacto político e um pacto para prestação de serviços públicos, a presidente Dilma Rousseff anunciou investimentos na ordem de R$ 50 bilhões para a mobilidade urbana.
Entre estes investimentos, estão ações para privilegiar o transporte público no espaço urbano para torná-lo mais eficiente, atrativo e com operações que tenham menores custos. Assim, são contempladas obras de corredores expressos de ônibus, BRT – Bus Rapid Transit (que são mais modernos e eficientes), sistemas de VLTs – Veículos Leves sobre Trilhos, monotrilhos, trens suburbanos e metrô.
Dilma também disse que as desonerações fiscais sobre o setor de transportes permitiram reduções de 13,25% nas tarifas de trens e metrô e de 7,23% nas passagens de ônibus urbanos e metropolitanos.
Mas outras desonerações federais devem vir por aí, como a do PIS/Cofins sobre a energia elétrica de trens, metrôs e trólebus (ônibus elétricos) e sobre o óleo diesel dos ônibus urbanos e metropolitanos. Os ônibus também tiveram o IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados reduzido.
“Avançar mais rápido em direção ao transporte público de qualidade e acessível. O governo federal já desonerou impostos, o que permitiu a redução das tarifas de ônibus em 7,23%, e 13,75% na tarifa do metrô e dos trens. Além disso, mantivemos congeladas as tarifas de metrô e trens operados pelo governo federal desde 2003. Desoneramos também o IPI para a compra de ônibus. Estamos dispostos, agora, a ampliar a desoneração do PIS/Cofins sobre o óleo diesel dos ônibus e a energia elétrica consumida por metrôs e trens.”
Dilma Rousseff disse que os governadores e os prefeitos também devem desonerar as atividades de transportes públicos, como reduzindo o ICMS – Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (estadual) e ISS – Imposto sobre Serviços (municipal).
“Estamos dispostos agora a ampliar desoneração do PIS-Cofins sobre o óleo diesel dos ônibus e a energia elétrica consumida por metrô e trens. Esse processo pode ser fortalecido pelos estados e municípios com a desoneração dos seus impostos. Tenho certeza que os senhores estarão sensíveis a isso” – disse diretamente aos chefes executivos locais.
A presidente considera um erro os não investimentos em metrô, mas ciente de que não é tecnicamente e financeiramente possível expandir sistemas de metrô para toda área urbana, enfatizou a importância dos ônibus em redes de transportes e incluiu os ônibus nos pacotes de investimentos.
Foi anunciada também a criação de um Conselho Nacional do Transporte Público que terá a participação de representantes dos governos federal, estadual e municipal, de especialistas, representantes de empresas de transportes e da sociedade civil.
O objetivo é discutir as necessidades em relação à mobilidade urbana, os avanços dos projetos e as mudanças necessárias ao longo do tempo, já que o setor é dinâmico.
Foram cinco pactos nacionais acertados com os governadores e prefeitos: transporte público, saúde, educação, reforma política e responsabilidade fiscal.
Antes do encontro com governadores e prefeitos, a presidente recebeu representantes do MPL – Movimento Passe Livre.
Ao iniciarem manifestações pelas reduções das tarifas em São Paulo, os grupos estimularam outros atos em todo o País.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Marcos Soares disse:

    O problema não é só criar , os prefeitos tem que ter coragem e acabar com as máfias dos transportes , não tem cabimento empresário financiar campanha pra depois ter o privilégio , quebrando o monopólio e abrindo espaço para concorrência , até no preço . E Adamo , gostaria que se você pudesse falasse mais um pouco como era o transporte nos anos 70/80 , das linhas que operavam , das empresas , e um pouquinho como foi que conseguiram acabar com a CMTC. Um abraço e até mais.

    1. WeLLiNgToN disse:

      belo coment

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    R$ 50 bi, isso é apenas um “cala boca”.

    Repito, o Buzão de Sampa, precisa é de TRABALHO e não de grana.
    ,
    Quando o Poder Público, irá perder essa mania de começar a resolver problema basiquinho criando comissões e siglas ainda, mais nesse caso criando um Conselho Nacional do Transporte Público, noooosa nível Federal, ainda mais o “facadinha” RITUB, RINTUB, sei lá é tanta sigla.

    Não necessitamos de sigla, necessitamos de TRABALHO ??

    A unica coisa que se mantém no Buzão de Sampa é o CONFORT PASSGEIRO SIFÚ.

    Por falar em trabalho, a Senhra Presidente, visitou o Metrô de Salvador e a BR 101 – NORTE, em duplicação (obra paralisada), conforme eu sugeria em comentários anteriores ???

    Será que algum assessor foi ? Foi pedido um relatório ao DNIT ?

    E o Metrô de Salvador, qual é a resposta ?

    E tem mais:

    Discutir o que ?

    Não há o que se discutir tem é de T R A B A L H A R .

    E a licitação da EMTOSA lote 05 no ABC ? O que falta ?

    Discussão, não T R A B A L H O.

    Num foi deserta : Pronto. Concede pra URUBÚ e pronto.

    Calllllllllllllllllma não á aquela ave bunitinha não é a URUBUPUBGÁ.

    Bom, essa forma arcaica administrativa arcaica, ainda vai durar algum tempo.

    Quem sabe quando o autor da redação do ENEN (da receita do macarrão instantâneo) resolver se
    candidatar essa administração fique mais moderna.

    O Brasil precisa é de T R A B A L H O e da F A Z E D O R I A, o resto, é papofurex.

    Bom dia a todos.

    Deixem eu correr para pegar aquele Apachezinho Baleado, afinal por R$ 3,00 só pode ser isso mesmo.

    Ahhhhhhhhhhhh e SUJO INTERNAMENTE é claro, limpeza por R$ 3,00, ai já é pedir demais né seu Paulo Gil.

    Será que os “movimentos” disponibilizarão voluntários para limpar os Buzões de Sampa, tai uma
    boa ideia.

    PARA ENCERRAR COM CHAVE DE OURO, VAMOS LEMBRAR DE UM ASSUNTO IMPORTANTÍSSIMO.

    CADÊ A GRANA DO “CPFM” QUE “IRIA” SOLUCIONAR O PROBLEMA DA SAÚDE.

    ÊTA MEMÓRIA FRACA DESSE POVO SÔ!

    Att,

    Paulo Gil

  3. Pedro disse:

    Concordo com o Paulo Gil, o problema do transporte de São Paulo, não se resolve com dinheiro, mais dinheiro significa propinas maiores e mais corrupção, a piada do dia, os vereadores de SP, vão abrir uma CPI para investigar o transporte publica, brincadeira, eles estão casados de saber que os inimigos moram na casa.

  4. Marcos Soares disse:

    Boa tarde a todos ,
    Gostaria de deixar claro que eu não defendo siglas , mas sim comprometimento das autoridades no que diz respeito a transporte público com qualidade , e o que é serviço público de qualidade ? – neste momento estamos usando um serviço e não nos damos conta que tem várias pessoas trabalhando para o serviço não faltar , pensem um pouquinho … se esse serviço faltar logo você vai reclamar e lembrar deles ….enquanto tem um serviço nas ruas todo dia , e todo dia existe reclamação , oras atrasos , oras tá devagar , oras só vive cheio essa desgraça …então é ai que defendo o sistema da COMPANHIA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO , ela foi criada justamente para ocupar as brechas que as outras empresas deixavam , mas talvez por corrupção e falta de olhar para os munícipes e as necessidades preferiram acabar com ela , hoje estão procurando um serviço com qualidade , e o que é qualidade ? será que é ônibus no horário todos os dias ? – Será que é um monte de ônibus nas ruas , parados por causa do trânsito de carros ? – Ou será que qualidade é ter mais assentos pra ninguém viajar de pé ? – Lamento informar , mas as montadoras são responsáveis por mais de vinte por cento do PIB , e então , será que o governo está preocupado em dar qualidade nos transporte público , que para ele só dá prejuízo.?

    1. Paulo Gil disse:

      Marcos Soares, bom dia

      Muito legal o seu comentário.

      Com relação a primeira parte do seu comentário concordo com o senhor, mas entendo que aqui ninguém critica os problemas do dia a dia e sim erros CRASSOS que acontecem; por exemplo.

      Erros crassos na minha opinião: Sobreposição de linhas, linguição batendo lata num sabadão a tarde (esse tipo de Buzão não precisa rodar num sabadão é disperdício), Buzão sujo internamente, existência de catracas em pleno 2014, má conservação das pistas onde o Buzão trafega, Buzão com degrrau interno, soltar os carros com o validador com tarifa errada alto etc etc.

      Quem trabalha erra, só não erra quem não faz nada ( e mesmo assim pode ocorrer de cair um avião na cabeça de quem está sentado sem fazer nada); agora a exemplo dos erros acima estes são inadmissíveis,

      Não sei se você leu num comentário que eu postei ou se já conhece o valor da medida útil do corredor de um Apachezinho motor traseiro; eu medi outro dia, 54 centímetros entre os apoios de braço.

      Lhe confesso eu ainda não estou acreditando no que medi, ainda vou medir de novo.

      Com relação a segunda parte do seu comentário, entendo que só houve uma mudança de sigla, e de resto só acompanhou as tendências de que a atividade fim do Estado não é executar serviços e sim GERIR ( se sabem gerir, sabemos que não), mas essa é a tendência,
      inclusive com as terceirizações.

      Mas isso tudo pode mudar, não voltou a guarda civil, com outro nome GCM, então tudo vai e volta igual a moda.

      Quanto a todo mundo viajar sentado (mesmo com a volta da CMTC) ou CTMC (nome novo) entendo ser utopia, mas termos um corredor com mais de 54 centímetros entendo ser possível.

      Se todo o nosso mal fossem as montadoras nós estaríamos felizes, pois elas geram empregos e muitos empregos e movimentam a economia de uma forma incrível

      Não há necessidade de se preocupar com as montadoras, nosso país tem dimensões continentais e está crescendo e evoluindo muito, principalmente o centro oeste.

      As pessoas ainda só tem olhos para Sampa, olhem para o resto do páis, tudo está crescendo também.

      Veja o corredor de Buzão de Uberlânida que bonito e moderno (eu tive o prazer de ver pessoalmente) – tem link do filme dele aqui que eu linkei, veja o BRT do Rio de Janeiro e agora pra destruir os “menerim” (com todo o respeito) compraram 500 “cabritim” motor dianteiro com suspensão pneumática.

      Em Sampa não tem nenhum um pra teste, por que será não ?

      Será que é a falta da CMTC ou é falta de T R A B A L H O ?

      Como especialista em conclusões previsíveis, em mais alguns anos, sobrará Buzão em Sampa, porque o país está crescendo e ficar enlatado em Sampa, ninguém quer mais e tem outra esse modelo de ir pessoalmente ao trabalho todo dia, em muitas profissões, vai diminuir e muito, até o judiciário já está on line, hoje temos vídeo conferência, portanto, deslocamento urbano básico tende a diminuir, até porque continuar a fazê-los é burrisse diante das tecnologias disponíveis.

      Olha, se transporte público desse prejuízo não tinha articuladinho trucado rodando por ai não, muito menos híbrido da Metra que entrará em operação em setembro, segundo informações deste Blog.

      Prejuízo ? Dos R$ 3,20 as cooperativas recebem R$ 1,42 e a SPTrans leva R$ 1,78.

      SERÁ.

      No meu entendimento o que falta no Buzão de Sampa é TRABALHO e DINÂMICA, pois o mundo moderno muda muiiiiiiiiiiiiiiito rápido.

      Não me refiro ao trabalho da categoria, pois como passageiro, sei que a categoria trabalha e muito, pois para dirigir um Apachezinho Baleado o piloto tem de ser “BÃO”.
      pois.

      Sinceramente eu espero cair fora daqui o mais rápido possível daqui, afinal numa garrafa de 1 litro, não cabem 2 litros.

      Só com a troca de ideisa é que poderemos ter uma vida melhor em SAMPA.

      Att,

      Paulo Gil

  5. jair disse:

    Amigos
    Sempre achei um absurdo cobrar tarifa adicional para o período de PICO de energia elétrica (parte da tarde e noite) sobre os transportes públicos (trens, metros e trólebus), independente da redução que agora estão programando. Antes dessa sobretaxa (na época da CMTC) o valor da passagem na catraca dos trólebus era pelo menos $0,10 (dez centavos) menor que dos ônibus convencionais.
    Esse foi mais um dos fatores que desestimularam ao programa de implantação do Sistema.
    Espero que junto com as medidas acima anunciadas esse assunto também volte a pauta.
    Que tal o se movimento RESPIRA SÃO PAULO promover uma passeata em favor dessa redução.
    abraços

    1. Paulo Gil disse:

      Jair, bom dia.

      Legal, não sabia dessa do tróleibus não, obrigado pela informação.

      Gostaria de aproveitar da sua experiência e matar uma curiosidade minha.

      Quando eu era moleque, tinha um Buzão com a pintura parecida com a da Gato Preto do Sr, Luiz Gatti, que tinha umas faixas pretas, me parece que a garagem era na Lapa de baixo, ou ele rodava por lá.

      Só que eram uns carros (Super B OH 321) aparentemente meio relaxados, parecia uma GP/2.

      Você se lembra qual era o nome dessa empresa ?

      Minha memória não conseguiu gravar o nome dela,

      E tenho essa dúvida até hoje e se puder me ajudar ou algum souber eu ficaria contente em saber.

      Só sei que eu tinha uma raiva enorme dessa empresa, pois, NA MINHA OPINIÃO, ela estragava a bela imagem da Gato Preto do Sr. Luiz Gatti.

      Pode até ser que está empresa era dele, mas sinceramente eu odiava.

      Rssssssssssssssssssssss

      Se você lembrar ou souber, manda ai pra mim.

      Abçs,

      Paulo Gil

      1. jair disse:

        Paulo Gil,
        Se voce lembrar a linha que faziam talvez eu me recorde.
        Em um primeiro momento me lembro da Viação Itamarati que rodava na região, fazendo a ligação da Lapa ao Cambuci entre outras, na cor vermelho e creme.
        Na Cor verde tinha a Viação Pompeia.
        abs

      2. Paulo Gil disse:

        Jair, boa noite.

        Obrigado pela atenção.

        A linha eu não lembro, até porque eu não utilizava esta empresa pois acredito que ela não servia onde morávamos (ainda bem rssssssssssssss).

        Poxa, agora você me deixou contente ao lembrar da Viação Itamarati.

        Mas sempre tive uma dívida em relação a ela.

        A Viação Itamarati era do Grupo Gatti ?

        Ela tinha a mesma pintura, mas não tinha o perfil do grupo.

        Obrigado.

        Abçs,

        Paulo GIL

  6. Júlio disse:

    Bom plano, também com cara de “por que não pensou nisso antes”, mas agora é a hora de ficar em cima e cobrar sua realização…

  7. jair disse:

    Paulo Gil

    A Viação Itamarati tinha sócios de mais de 1 empresa, entre eles o pessoal da Viação Brasilia.
    abs

Deixe uma resposta