Greve de Metrô e greve na CPTM NÃO vão mais ser realizadas

metrô

Metrô em São Paulo. Metroviários e ferroviários da CPTM não param nesta terça-feira. Foto: Adamo Bazani

Metrô de São Paulo e Trens da CPTM não vão entrar em greve nesta terça-feira 04 de junho
Metroviários tomaram a decisão em assembleia. Negociações entre a CPTM, TRT e trabalhadores continuam
ADAMO BAZANI – CBN
O Metrô de São Paulo não vai entrar em greve nesta terça-feira, dia 04 de junho, assim como as linhas 8, 9, 11 e 12 da CPTM. No caso do Metrô, a greve está totalmente descartada e no da CPTM restam negociações.
Em assembléia realizada nesta noite, os metroviários decidiram fechar acordo com a empresa do Metrô.
Na tarde desta segunda-feira, dia 03 de junho, no Tribunal Regional do Trabalho, da Segunda Região, a oferta do metrô passou de 6,45% para 6,95% e, finalmente, em torno de 8%, sendo 5,37% e mais 2,5% de índice de produtividade. Já o Tribunal sugeriu 8,06% de reajuste. Os metroviários, que chegaram a pedir 14,16% de aumento (entre reposição de inflação e reajuste real).
O presidente do Metrô de São Paulo, Peter Walker, participou da reunião, algo inédito desde quando a companhia dos metroviários foi criada. O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino Prazeres, disse que o índice não atendeu às expectativas da categoria, mas disse que a negociação trouxe alguns avanços.
Peter Walker afirmou que não é possível oferecer um aumento maior porque o Metrô opera no limite financeiro, devido ao adiamento do reajuste da tarifa de fevereiro para o dia 02 de junho, a pedido do Ministro da Fazenda, Guido Mantega, que teme perder o controle da inflação, ainda mais em época de crescimento econômico praticamente inexpressivo.
O presidente da Companhia do Metrô ainda disse que não é possível oferecer reajuste salarial acima da inflação porque, já contando com mais uma medida de controle do Governo Federal, a desoneração do PIS/Cofins da receita das empresas de transportes públicos, o reajuste da tarifa de R$ 3,00 para R$ 3,20 foi abaixo dos índices inflacionários. Peter Walker disse que 93% do faturamento do Metrô são provenientes da venda de créditos e bilhetes e que a folha de pagamento responde por 75% dos custos da companhia.
Diariamente o metrô de São Paulo transporta cerca de 4,6 milhões de pessoas. Nas linhas estatais, operadas pelos trabalhadores que realizaram a assembléia, são 58 estações, distribuídas pelos seguintes trajetos:
Linha 1 Azul (Santana – Tucuruvi), Linha 2 Verde (Vila Prudente – Vila Madalena), Linha 3 Vermelha (Itaquera – Barra Funda) Linha 5 Lilás (Capão Redondo 0- Largo Treze). A linha 4 Amarela (Luz – Butantã) pertence à iniciativa privada, Consórcio Via Amarela, não é contemplada pela categoria que realizou a assembleia.
No caso de ameaças de greve, os passageiros devem se programar em relação a itinerários e horários, usando ônibus como opção. É possível saber de rotas de ônibus pelo site da SPTrans, informando origem e destino (http://www.sptrans.com.br/ ) ou pelo telefone da Prefeitura de São Paulo, 156. Também é possível saber de itinerários de ônibus intermunicipais pelo site da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (http://www.emtu.sp.gov.br/EMTU/home.fss ) O telefone da EMTU é: 0800 724 05 55
TRT DETERMINA FROTA EM CIRCULAÇÃO EM CASO DE GREVE:
O Tribunal Regional do Trabalho determinou que em caso de greve, os metroviários coloquem em operação 100% da frota nos horários de pico, das 6h às 9h e das 17 h às 19 h. Fora dos horários de pico, a frota deve ser de 70%.
REIVINDICAÇÕES INICIAIS DOS METROVIÁRIOS:
A categoria pediu inicialmente 14,16% de aumento real, acima da inflação, além de 7,30% de reposição salarial.
O metrô ofereceu 5,37% de reajustes totais nos salários.
Os metroviários querem aumento de 24,3% no Vale Refeição. O metrô ofereceu também 5,37% Os profissionais pleiteiam vale-refeição de R$ 382,71 e o metrô também propôs aumento de 5,37%.
Jornada de 36 horas e equiparação salarial para todos os cargos também são outras reivindicações do Sindicato dos metroviários.
Na semana passada, também em assembléia, o Sindicato dos Metroviários tinha dado um indicativo de greve.
TRENS DA CPTM:
Os ferroviários da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – decidiram nesta segunda-feira a suspender o indicativo de greve mediante novas negociações a partir desta terça-feira, dia 04 de junho.
Os funcionários da CPTM são representados por três sindicatos por causa das origens das linhas.
Os trabalhadores das linhas 8 Diamante (Júlio Prestes – Itapevi) e 9 Esmeralda (Osasco – Grajaú) são representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana. A Companhia Estrada de Ferro Sorocabana foi criada em 02 de fevereiro de 1870 por empreendedores da região de Sorocaba liderados por Luis Mateus Maylasky, comerciante de algodão. O primeiro trecho da ferrovia foi inaugurado em 10 de julho de 1875.
Já os trabalhadores das linhas 11 Coral (Luz – Estudantes) e 12 Safira (Brás – Calmon Viana) são representados pelo Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil. A Central do Brasil foi criada na época do império e o primeiro ramal foi inaugurado em 29 de março de 1858. O nome era Estrada de Ferro D. Pedro II. A linha foi se expandindo por vários ramais. Quando ocorreu a proclamação da República, em 1889, o nome foi alterado para Estrada de Ferro Central do Brasil, no dia 22 de novembro.
A linha chegou a cidade de São Paulo somente em 1890, quando foi incorporada a Companhia São Paulo e Rio de Janeiro, que ligava as cidades de Cachoeira Paulista e São Paulo.
Esses dois sindicatos realizaram assembleias.
Os trabalhadores das linhas 7 Rubi (Luz – Francisco Morato) e 10 Turquesa (Brás – Rio Grande da Serra) são representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo.
As linhas correspondem a antiga SPR – São Paulo Railway, empresa de capital inglês que começou a operar em 16 de fevereiro de 1867, depois de investimentos e idealização de Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá. Foi a primeira ferrovia paulista a ser construída e servia inicialmente para escoar a produção do principal bem comercial do Brasil no século 19, o café, até o Porto de Santos.
O sindicato destes funcionários entrou em acordo com a CPTM e aceitou a proposta de plano de carreiras e salários e aumento salarial de 6,97%
A CPTM foi fundada em 28 de maio de 1992. Ela assumiu as operações da Companhia Brasileira de Trens Urbanos – CBTU [Superintendência de Trens Urbanos de São Paulo – STU/SP] e pela Ferrovia Paulista S/A – Fepasa..
Em 1994, a CPTM efetivamente começou a operar as Linhas 7-Rubi e 10-Turquesa [antigas A e D] e 11-Coral e 12-Safira [antigas E e F], que pertenciam à CBTU. Em 1996, passou a controlar os serviços da Fepasa, com as antigas Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda [antigas B e C].
A CPTM possui seis linhas, que atendem 22 municípios, transportando 2,6 milhões de pessoas por dia, numa malha de 260,8 quilômetros.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em Greve de Metrô e greve na CPTM NÃO vão mais ser realizadas

  1. NO BRASIL FOI IMPLANTADO O TERRORISMO SINDICAL, FAZEM ASSEMBLEIA NA CALADA DA NOITE PARA ATERRORIZAR A POPULAÇÃO, JÁ E A SEGUNDA EM MENOS DE 15 DIAS, ISTO PORQUE O METRO PAGA SALÁRIOS MUITO ACIMA DA REALIDADE DA MAIORIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA, PRIVATIZAÇÃO JÁ NELES, ESTA NA HORA DE ACABAR COM ESTE REGIME DE TERROR IMPLANTADO POR ESTE SINDICATO QUE USA QUALQUER MOTIVO PARA FALAR EM GREVE, ISTO SEM CONTAR A PORCARIA QUE SE TRANSFORMOU O SERVIÇO DE METRO EM SÃO PAULO.

  2. Exatamente , o sindicato quer fazer barulho , eles que vão lá no planalto e falem com a Presidenta , que a inflação está corroendo os salários e que precisamos urgente controlar a inflação que já passou de longe os 20% , eles querem enganar quem ?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: