Empresas do Rio terão de identificar motorista infrator

ônibus

Ônibus do Rio de Janeiro. Para facilitar a fiscalização e a punição, prefeitura obriga empresas a infirmarem os nomes dos motoristas envolvidos em infrações.

Depois da tragédia no Rio, empresas serão obrigadas a identificar motoristas que cometeram infrações
Atualmente, companhias de ônibus não revelam o motorista do ônibus envolvido em acidentes ou irregularidades.
ADAMO BAZANI – CBN
A Prefeitura do Rio de Janeiro obriga as empresas de ônibus a identificarem o motorista que cometer qualquer tipo de infração, resultando ou não em acidente.
A obrigatoriedade foi publicada no Diário Oficial de hoje. As viações, de acordo com a nova regra, terão dez dias para identificar ao poder público quem foi o motorista que dirigiu de maneira irregular.
De acordo com a resolução 2336, a não identificação dos motoristas dificulta a fiscalização, a punição e o acompanhamento de reincidências de ocorrências e desrespeitos às normas de trânsito e de operação do transporte público.
Até esta resolução, as empresas de ônibus informavam os nomes dos motoristas opcionalmente no caso de infrações sem acidentes.
Agora, se não passar a identificação, as empresas podem ser punidas, inclusive com multa.
A Secretaria de Transportes do Rio de Janeiro decidiu tomar uma série de medidas mais enérgicas após uma sucessão de acidentes, alguns com mortes, envolvendo ônibus urbanos.
O mais grave deles ocorreu no início do mês, dia 2 de abril, quando após ser chutado por um passageiro estudante universitário durante uma discussão, um motorista perdeu o controle do ônibus que caiu de um viaduto sobre a Avenida Brasil. Oito pessoas morreram, sete nos primeiros atendimentos e uma quando estava hospitalizada.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em Empresas do Rio terão de identificar motorista infrator

  1. Amigos, boa noite

    Pera aí, essa medida não gerará resultado algum, isso vai ser uma bagunça generalizada, pois
    a operacionalização correta disto será impossível, pelos motivos que todos nós já conhecemos
    e afinalllllllllllllllllllllllll onde fica a Lei de Gerson e o j”eitinho” brasileiro.

    A Prefeitura do RJ, agora passou a executar as tarefas da polícia do RJ; tá certo que eles são
    super atarefados, mas ai já é demais.

    Se há um acidente, com ou sem vítima, quase que na totalidade será lavrado um boletim de ocorrência,
    o qual torna o fato público e poderá ser a folha 2 de qualquer inquérito policial.

    O B.O. é o documento oficial que deverá ser utilizado para a prefeitura do RJ, afinal demais documentos
    não oficiais podem estar sujeitos a inúmeros arranjos.

    Os profissionais do Buzão são empregados da empresa, portanto eles não tem vínculo com a Prefeitura e além do mais o maior interessado nesse controle são as empresas do Buzão.

    Qual empresa do Buzão queria ter um dos seus Buzões envolvidos em qualquer acidente que seja.

    Se alguém souber de alguma por favor me avise.

    Quem, no seu juízo perfeito, sai de casa de manhã para bater o carro ?

    Entendo que o que realmente a Prefeitura do RJ tem de fazer ela não faz.

    Sabe qual é um dos meus sonhos ?

    É andar num Buzão no RJ na Avenida Brasil de ponta a ponta, é adrenalina pura até porque é um retão só.

    Quem já trafegou pela Avenida Brasil no RJ , sabe o que eu estou dizendo, e também já foi
    ultrapassado pela esquerda pelo Buzão carioca a milhão VUMmmmmmmmmmmm, passou.

    E os perrengues normais do dia a dia, raladinha, pneu que estoura, recauchutagem que solta,
    carro particular que anda no corredor, carro pequeno que faz miséria na frente do buzão; poxa tudo
    isso ocorrer independente da vontade de ninguém, muito menos do piloto do Buzão, afinal esse é o seu ganha pão.

    Outro dia aqui em Sampa num corredor um pedestre atravessou na frente do Buzão articulado, no meio do corredor sem farol e nem faixa de pedestre e se não fosse a atenção e a perícia do piloto esse pedestre hoje estaria morto e bem morto mesmo.

    Quando senti a freada eu olhei pra frente e pude ver quando o Buzão parou o tal pedestre estava,
    bem na frente do Buzão na coluna da direita.

    Faltou 1 fio de cabelo para não atropelar o pedestre.

    E tem mais era um carro novo e muito provavelmente tinha freios ABS ou algo similar, pois se
    fosse um Buzão normal esse pedestre tinha virado pastel.

    Eu me culpo por não ter anotado o número do carro num papel para mandar um e-mail para a empresa parabenizando o piloto.

    Mas fica aqui os meus Parabéns ao piloto e se ele ler este comentário ele saberá que o Parabéns é
    para ele, pois sua atenção e perícia foi o máximo, sem contar que foi uma cena cinematográfica
    a que eu vi.

    Pelos comentários, parece que o BRT carioca tem alguns problemas; então Prefeitura do RJ faça
    o seu trabalho e deixe que os demais façam a parte deles.

    E como dizia um ex chefe meu:

    “Mais vale um criminoso do que um DEDO DURO”.

    Primeiro façam um cursinho básico de Gestão de Pessoal, que vocês aprenderam que a metodologia
    do dedo duro ou X9, é a pior metodologia para resolver esta questão.

    Revoguem a Resolução 2336, afinal mudar de opinião é um sinal de inteligência, o que me parece estar faltando por ai.

    Este problema só será resolvido após um diálogo com os profissionais do Buzão e saber das dificuldades que eles encontram no dia a dia. (calorão do motor dianteiro, o carro diretão, as escalas
    que sempre são favoráveis a uma meia dúzia, falta de manutenção adequada, a maldita campainha ardida, barulhão de roda quando a panela está ovalada) e tantas outras que só os profissionais do Buzão sabem e que eu nem desconfio.

    Prefeitura do RJ; pense GRANDE!

    Auxiliem não apontem, amanhã vocês poderão ser apontados, afinal dor de dente e dor de barriga
    não dá uma vez só não.

    Att,

    Paulo Gil

  2. e um cartão para carga horária eles não voam fazer não

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: