Mesmo com desoneração, aumento de passagem será inevitável

aumento passagem onibus sao paulo

Ônibus em São Paulo. Prefeito Fernando Haddad diz que mesmo com desoneração, aumento das passagens de ônibus será inevitável já que as tarifas estão congeladas. Ele defende o uso da Cide para que as pessoas que usam carro ajudem de alguma maneira o transporte público, que beneficia inclusive quem se locomove apenas de transporte individual. Foto: Adamo Bazani

Haddad diz que passagem aumentará mesmo com desoneração
Prefeito de São Paulo diz que, se o diesel for desonerado, o reajuste pode ser menor que o previsto. Ele defende o uso do imposto sobre a gasolina para baratear tarifas de ônibus
ADAMO BAZANI – CBN
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, voltou a afirmar que o aumento da passagem de ônibus em junho será inevitável, mesmo se for aprovado o pacote de desoneração do PIS e Cofins sobre o óleo diesel dos ônibus urbanos, estudado pela presidente Dilma Rouseff.
Segundo Haddad, por causa do ano eleitoral de 2012, as tarifas de ônibus foram congeladas enquanto os custos de operação continuaram a aumentar como salários de motoristas e cobradores, óleo diesel, peças de manutenção, óleos lubrificantes e outros insumos. O último aumento na tarifa ocorreu em janeiro de 2011, quando a passagem passou de R$ 2,70 para R$ 3,00.
Os aumentos deveriam ocorrer já no início do ano, mas com medo de perder o controle da inflação, o que é uma possibilidade real embora muitos negum, o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, pediu para os prefeitos do Rio, Eduardo Paes, e de São Paulo, Fernando Haddad, segurarem as tarifas. O mesmo pedido foi feito para o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin sobre as tarifas dos ônibus intermunicipais gerenciados pela EMTU, Metrô e trens da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.
A possível desoneração do diesel também é uma medida para conter a inflação no meio do ano.
Apesar de garantir que o aumento vai ocorrer, Haddad declarou que se houver a desoneração de fato, o reajuste pode ser bem menor que os calculados pelos técnicos da prefeitura. Por enquanto, a estimativa é de que a passagem em São Paulo, já contanto com este tempo de congelamento pedido por Mantega, seja de, no mínimo, R$ 3,40, sem a desoneração. No entanto, a Prefeitura evita falar oficialmente sobre números.
A Câmara Municipal de São Paulo estima que para atender aos pedidos do ministro, a prefeitura tem cedido ao sistema R$ 50 milhões como subsídios para manter o equilíbrio econômico-financeiro das empresas e do sistema em geral.
Em encontro com prefeitos nesta semana, Haddad voltou a defender a volta da Cide e dos recursos do imposto cobrado do combustível para subsidiar tarifas de ônibus.
Seria uma forma de quem usa proporcionalmente maior espaço urbano e polui mais, com o carro de passeio, colaborar para que os custos dos transportes coletivos não caiam unicamente sobre os passageiros, que ao optarem (ou usarem por pura necessidade) pelo transporte público contribuem para a redução do trânsito e da poluição.
Auxiliando na redução do número de veículos e na emissão de poluentes, o transporte público auxilia até mesmo quem só usa carro, que normalmente não contribuiu em nada ou contribui muito pouco para os transportes de massa.
Segundo cálculos apresentados por Haddad, se parte da Cide for usada para subsidiar os transportes públicos, para cada R$ 0,10 de aumento da gasolina dos carros, a passagem de ônibus cairia R$ 0,15.
DISCUSSÃO SOBRE AUMENTO DE PASSAGEM:
Neste domingo, dia 24 de março, será realizado na Capital Paulista o Encontro dos Trabalhadores e Juventude contra os Aumentos das Passagens.
O evento será organizado por um partido político, o Psol, na Rua Borges Lagoa.
Os palestrantes devem usar o exemplo de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, que revogou o aumento da tarifa após pressão popular.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

1 comentário em Mesmo com desoneração, aumento de passagem será inevitável

  1. Amigos, boa noite

    Agora entendi o mecanismo.

    Sugiro ao Blog implantar dois abaixo assinados para que sejam encaminhado ao Congresso Nacional:

    1) Lei da responsabilidade pela Gestão Pública, nessa questão o Código Penal é fraco.

    2) Lei da Manipulação do Transporte Coletivo de passageiros, para fins eleitoreiros.

    Posso ser o primeiro a assinar os dois.

    No mais, sem mais comentários, chega a ser ridícula esta manipulação, principalmente essa bola de neve que se forma em torno do assunto, a qual continua rolando de um mandato para o outro.

    Só para reforçar, assistam o filme do metro de Salvador e confiram os desmandos, só de atraso são 12
    anos, trens perderam a garantia, paga-se aluguel para guardá-los num galpão para estragar; esse filme
    é imperdível, porém MUITO TRISTE e revoltante.

    Será que os envolvidos encostam a cabeça no travesseiro e dormem ?

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: