Consórcio quer mais uma estação no monotrilho do ABC

ônibus

Ônibus de São Bernardo do Campo. Presidente do Consórcio Intermunicipal e prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, quer mais uma estação do monotrilho para integrar o sistema de elevados a corredores de ônibus. Foto: Adamo Bazani

Monotrilho do ABC deve ter mudança antes mesmo de sair do papel
Prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, pediu mais uma estação na obra, o que deve ser analisado pelo Estado
ADAMO BAZANI – CBN
Antes mesmo de ter o edital publicado, o que deve ocorrer em 1º de julho, o Monotrilho do ABC pode ter seu projeto alterado.
Em reunião nesta quarta-feira com o secretário de Estado de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC e prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, pediu a inclusão de mais uma estação na obra que no total deve custar R$ 4,2 bilhões para beneficiar 330 mil passageiros por dia. A linha, pela proposta, seria estendida até a parada Djalma Dutra, em São Bernardo do Campo.
O número de atendimento do monotrilho e seu impacto urbano e visual são contestados por diversos especialistas em transportes que afirmam que com este dinheiro é possível fazer uma rede de corredores de ônibus que atenda a mais pessoas. O custo do quilômetro do monotrilho do ABC, que vai ter extensão de 28 quilômetros nas duas fases, também é considerado alto, se aproximando do valor do metrô.
Mesmo assim, Luiz Marinho, acredita que uma estação a mais em São Bernardo do Campo poderia integrar os elevados do monotrilho a corredores de ônibus que a administração municipal tem em planejamento.
O secretário de estado, Jurandir Fernandes, se comprometeu fazer uma análise técnica da proposta de Marinho antes da publicação do edital do monotrilho também chamado linha 18 do metrô.
Na pauta de reuniões ainda, foram discutidos os avanços para a integração tarifária entre os ônibus municipais do ABC e o sistema metropolitano, como os trólebus da Metra e o trem, e os avanços para o Expresso ABC, linha de trem que seguirá paralela à linha 10 Turquesa (Rio Grande da Serra – Brás) da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, com menos paradas.
Jurandir Fernandes se comprometeu a detalhar as explicações e estudos sobre estas intervenções e no próximo dia 06 de maio deve se reunir com os prefeitos da região do ABC na sede do Consórcio Intermunicipal, em Santo André.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

5 comentários em Consórcio quer mais uma estação no monotrilho do ABC

  1. Parece que estamos congelados esperando pelo futuro, so se houve falar de obras futuras, enquanto isto estamos no presente vivendo com linhas de onibus deficitarias, empresas sem a minima condição de prestarem serviço, linhas que teriam que ter 20 onibus rodam com 5 ou 6, ai eles vem a dizem para enganar a população que a demora dos onibus e devido ao transito, a mais ou menos 10 dias a Sptrans esta fazendo uma fiscalização na região do Pq, D. Pedro II, exigindo das empresas o cumprimentos dos horarios, a melhora foi significativa, mas o preço e a canabinalização das linhas que não estão sendo fiscalizadas, pois e mais do que sabido que o consorcio 4 não possui onibus para prestar serviço ao município, e a velha historia do cobertor curto, para cobrir a cabeça descobrem os pes.

  2. Amigos, boa noite

    Fantástico!

    Mais uma obra Faraônica e Faturante.

    Esta verba seria muito mais bem aplicada se aplicada na CPTM, para transformar a linha Rio Grande da Serra – Luz e vice versa, numa linha de Metrô ABC.

    Mas….

    Primeiro é feito o projeto, depois de pronto vão alterar o trajeto e adicionar mais uma estação.

    Quanta incompetência e quanto desperdício de verbas públicas, afinal o projeto teve um custo.

    No meio da obra, para tudo.

    Pois vai aparecer um cérebro com Q.I. negativo e vai alterar o projeto, pois esta linha tem que
    integrar com o VLT da baixada Santista.

    Ai vai ficar bom.

    Será que pelo menos até vão conseguir concluir o Expresso Tiradentes e o Metrô de Salvador ?

    Mas uma coisa podemos ter certeza absoluta, até lá a tarifa do Buzão vai ter aumentado
    um montão de vezes.

    E o ditado está corretíssimo.

    Só mudam as moscas…

    Em tempo: Anotem ai, mais uma previsível.

    Esse VLT vai ser um furo n´água, esperem e aguarde, depois de alguns anos voltem a ler
    este comentário e comprovem.

    Vão sucaterar a já quase sucateada linha do ABC da CPTM e depois esse tal VLT, num
    vai dar nem pro cheiro para absorver a demanda da CPTM, anotem.

    Previsível, nem precisa ser cartomante.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Esta notícia é estranha! Inicialmente o projeto tem 2 fases:
    1- Tamanduateí até São Bernardo (terminal)
    2- São Bernardo (terminal) – Alvarenga

    Na fase 2 a parada Djalma Dutra está inclusa !
    O que interpreto então é o seguinte: o prefeito de São Bernardo pediu para que esta parada seja inclusa na fase 1 ou a fase 2 já era !
    Moro em São Bernardo e não há espaço nesta parada para integrar os elevados do monotrilho a corredores de ônibus!
    Estou certo ?

    OBS: Gosto muito dos comentários do Paulo GIl, pessoa sempre presente neste blog e com opiniões pertinentes!

  4. Um absurdo como vai passar um sistema elevado, como se não bastasse o barulho de carros da avenida que tira o sossego de qualquer pessoa, agora espremer a Av café filho para passar essa droga de monotrilho é uma piada, pura política jogo de interesses e nos população q se lasque, ninguém quer saber de barulho de qualidade de vida né caldo que não, pois moram em condomínios de luxo e não iram se preocupar com isso. Brasil uma vergonha jogo de interesses obras super faturadas enfim indignada.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: