ABC terá programa de Carona Solidária

carona_solidária

Consórcio Intermunicipal do ABC implantou sistema de Carona Solidária, como alternativa para a diminuição do trânsito e da poluição. A carona, juntamente com a melhoria dos transportes coletivos, é uma das ações de mobilidade urbana. O ABC tem cerca de 1 milhão de veículos. Um sistema de carona bem estruturado pode retirar diariamente 20 mil carros das ruas das sete cidades. Com a redução da frota de carros de passeio num mesmo horário nas ruas, os transportes públicos podem fluir melhor. Hoje, sem contar com corredores específicos em grande parte da região, os ônibus ficam parados em filas repletas por carros que normalmente só têm o motorista como ocupante. Foto: Adamo Bazani.

ABC terá programa de Carona Solidária
Objetivo é estimular o uso consciente do transporte individual
ADAMO BAZANI – CBN
O excesso de veículos particulares nas ruas das médias e grandes cidades não revela apenas uma deficiência do transporte público. Apesar de os sistemas ferroviários e de ônibus precisarem de melhorias, há um outro fator que não pode ser desprezado: nem todas as pessoas fazem um uso consciente dos carros de passeio.
Não é raro vizinhos saírem do mesmo local, irem praticamente para os mesmos destinos e em horários semelhantes, mas cada um em seu carro.
Diversas regiões têm adotado, paralelamente a uma qualificação nos transportes públicos, o sistema de Carona Solidária, pelo qual, pessoas com origem e destino parecidos compartilham o mesmo veículo, reduzindo assim a quantidade de carros nas ruas, além de melhor aproveitaram o espaço urbano.
O Consórcio Intermunicipal do ABC, na Grande São Paulo, que reúne as sete prefeituras da região do ABC Paulista, lançou para empresas e instituições uma plataforma informatizada de Carona Solidária.
Por intranet, as instituições e empresas vão receber os cadastros de quem está interessado em participar do programa e orientar o encontro entre quem deseja oferecer e pedir a carona.
Inicialmente três instituições fazem parte do programa. A Universidade Federal do ABC e a Fundação do ABC têm organizado os pedidos e identificado os trajetos. Já Acisa – Associação Comercial e Industrial de Santo André – vai divulgar a iniciativa entre as empresas associadas.
O sistema foi desenvolvido pelo Consórcio e é oferecido gratuitamente para instituições de ensino e empresas.
As pessoas que se cadastrarem devem seguir as regras da Carona Solidária e podem ter acesso a dados básicos de quem oferece o transporte ou precisa dele. Serão considerados trajetos entre as sete cidades do ABC e a Capital Paulista.
De acordo com o Consórcio, com base nos dados do Detran, o ABC Paulista possui hoje pouco mais de um milhão de veículos. Dois por cento das pessoas que se deslocam de carro para o trabalho ou escola se dispõe a aderir programas de carona, como alternativa de transportes. Assim, tomando como base a frota do ABC, esse percentual significa diariamente 20 mil carros a menos nas ruas.
Novas parcerias podem ser realizadas pelo Consórcio. Duas montadoras de veículos podem aderir ao Carona Solidária e a Fundação do ABC deve estender a iniciativa para as entidades mantidas por ela, como aos Hospitais Municipais Integrados de São Caetano do Sul, Hospital de Ensino Padre Anchieta, de São Bernardo do Campo, Hospital da Mulher e Hospital Estadual Mário Covas, de Santo André.
As empresas interessadas em participar podem preencher o seguinte formulário:
http://www.consorcioabc.sp.gov.br/noticias/2012/documentos/formulario-carona-solidaria
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Josue Marcio Lopes disse:

    Iniciativa boa, mas e os investimentos transportes publicos? Em Santo Andre nem integracao entre linhas municipais tem direito!

  2. Pedro disse:

    Na decada de 90 ja tentaram isto, não deu certo, as pessoas alegam que vira compromisso, perdem a liberdade, lembro que na epoca faziamos o seguinte o dono do carro não pagava a gasolina, so os caronas, e mesmo assim não era interessante.

Deixe uma resposta