Empresas locais devem continuar em Campo Grande

onibus

Ônibus da Viação Cidade Morena Ltda que já opera em Campo Grande. Consórcio Guaicurus, liderado pela empresa e composto por outras operadoras da cidade, ofereceu o maior valor de outorga na licitação. Assim, as empresas devem continuar operando na capital do Mato Grosso do Sul por mais 20 anos.

Empresas locais devem continuar nos transportes de Campo Grande
Consórcio formado por viações que já operam a capital do Mato Grosso do Sul deu maior lance em comparação com a empresa Redentor, do Paraná
ADAMO BAZANI – CBN
O sistema de ônibus municipais de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, deve continuar a ser operado pelas mesmas empresas nos próximos 20 anos.
Nesta terça-feira, a Comissão Especial de Licitação da Prefeitura de Campo Grande abriu os envelopes com o valor da outorga, que é a quantia paga pela empresa ou consórcio com interesse nos serviços para a operação dos transportes na cidade.
O Consórcio Guaicurus ofereceu R$ 20 milhões de outorga contra R$ 11 milhões 250 mil da segunda colocada, a Auto Viação Redentor, do Paraná.
O Consórcio é liderado pela Viação Cidade Morena Ltda com a participação da Viação São Francisco Ltda, da Jaguar Transportes Urbanos Ltda e Viação Campo Grande Ltda, que já operam no sistema regular de ônibus.
A apresentação da maior outorga é um dos principais quesitos levados em conta na licitação. A empresa ou consórcio devem oferecer também melhor proposta técnica e menor tarifa, o que vai ser avaliado nos próximos dias.
Quem vencer também deve nos 20 anos de operação investir R$ 800 milhões para a compra de 1.500 ônibus novos (incluindo trocas da primeira frota comprada depois de 10 anos) e R$ 40 milhões em tecnologia para melhorar a prestação de serviços.
Logo que assumir, o vencedor terá de colocar nas ruas uma frota de 600 ônibus. Hoje a frota atual é de 551 veículos.
A tecnologia deverá auxiliar a definir melhor a demanda de origem e destino, com informações atualizadas para o município e as viações, trazer mais dados para a ampliação das integrações físicas feitas pelos passageiros e oferecer central de monitoramento operacional em tempo real.
A outorga onerosa deve ser paga da seguinte forma: 30% após a convocação por parte do poder público, 20% depois de 60 dias da assinatura do contrato e a outra metade deve ser paga em 50 prestações de igual valor, sendo que a primeira já vence depois de 90 dias da assinatura.
O presidente da Comissão de Licitação da Prefeitura de Campo Grande, Bertholdo Figueiró Filho, disse que ainda faltam etapas a ser analisadas mas que o Consórcio Guaicurus tem 95% de chance de operar na cidade.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Eric Moises Martins disse:

    Adamo, vale ressaltar que foi uma jogada política do atual prefeito da cidade, Sr. Nelson Trad Filho (PMDB), esta licitação. Ele montou um teatrinho para romper o atual contrato que iria vencer em 2014, garantindo uma nova licitação ainda em sua gestão. Esta nova licitação como esperado estava armada para que as atuais empresas continuassem e agora ganha prazo aí de 30 anos (20 anos + 10 de renovação) para explorar o transporte na cidade. E infelizmente a qualidade do transporte em Campo Grande vem caindo ano a ano, a tarifa é das mais altas do país e a tendência é piorar com a consolidação do monopólio do Sr. Constantino, que comanda as 4 empresas do Consórico.

  2. Paulo Robert oBellini disse:

    Dá vergonha de ser brasileiro e viver nesse lixo de país. Governantes sem caráter, empresários canalhas e um povo que só quer saber de futebol, bebida e samba, e que se acha o melhor de todos (sem se dar conta que na realidade, é a escória da humanidade).

  3. weverthon disse:

    apesar que licitação só esperar

Deixe uma resposta