ÔNIBUS USADOS SERÃO FINANCIADOS E GOVERNO PRORROGA IPI MENOR

Transul

Governo anuncia linha para financiar máquinas, caminhões e ônibus usados. Empresários de transportes, de produção e do setor agrícola que se tornaram inadimplentes no PSI poderão agora contar com uma linha de refinanciamento. IPI menor para carros, eletrodomésticos da linha branca, móveis e materiais de construção foi prorrogado.

Governo anuncia financiamento para a compra de ônibus usados e prorroga IPI menor para carros e eletrodomésticos
Redução do IPI que terminaria na sexta-feira foi estendida até outubro no caso dos carros. Empresários de ônibus e caminhões que estão inadimplentes podem refinanciar Bens de Capital.
ADAMO BAZANI – CBN
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira, dia 29 de agosto de 2012, uma série de medidas voltadas para o setores de bens de capital, para os transportes e para a indústria de carros, de materiais de construção e de eletrodomésticos da chamada “linha branca”.
BENS DE CAPITAL E TRANSPORTES:
Foi criada uma linha para financiar a compra de bens de capital usados, o que inclui caminhões, ônibus, micro-ônibus, minionibus, aeronaves comerciais, máquinas agrícolas, ferramentas, tratores, cavalo-mecânico, carretas e equipamentos para produção.
O ministro concordou com a argumentação de investidores que, para comprar um bem novo, o empresário deve vender o antigo e o mercado de máquinas, ônibus e caminhões usados enfrentava entraves.
Pela linha, a taxa é a TJLP – Taxa de Juros de Longo Prazo, que hoje é de 5,5%, mais 1%, além do risco da empresa que tomar o crédito.
Guido Mantega também anunciou uma linha de refinanciamento para empresários de ônibus, caminhões e do setor agrícola inadimplentes e que fizeram uso do PSI – Programa de Sustentação de Investimento.
Pela linha, o empresário consegue empréstimo para pagar seus débitos atrasados e renegocia o restante da dívida original. Na prática, é como se fosse um aumento do tempo de financiamento do bem.
Mesmo estando no âmbito do PSI, o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social deve definir nos próximos dias taxas e prazos diferentes.
Foi prorrogado até o final de 2012 o pacote de redução de juros e ampliação de prazo para pagamento das linhas do PSI, o que incluiu o Programa Pro-Caminhoneiro e o financiamento para ônibus novos.
As alíquotas para os caminhões de 2,5% que vigorariam até esta sexta-feira, dia 31 de agosto, vão valer até 31 de dezembro. Normalmente, as taxas eram de 5,5%. A taxa dos financiamentos dos ônibus continuam em 5,5% até 31 de dezembro.
Alguns financiamentos podem ter prazos de 120 meses com até um ano de carência para o início do pagamento.
REDUÇÃO DO IPI DOS CARROS:
As especulações sobre a indústria automotiva acabaram nesta quarta-feira.
A redução do IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados para os carros de passeio vai até o dia 31 de outubro e os percentuais dependem da cilindrada dos veículos. Os carros nacionais de até mil cilindradas, 1.0, continuam com taxa zero. Normalmente o IPI destes veículos, sem o incentivo fiscal, é de 7%. Os carros flex (álcool e gasolina) com motor até de duas mil cilindradas vão continuar até 31 de outubro com alíquota reduzida de 5,5%. Antes, o imposto era de 11%.
Para os carros importados, a redução é de 37% para 30%.
Guido Mantega frisou que esse benefício para a indústria só vai continuar caso o nível de emprego seja mantido acrescentando que desde o primeiro anúncio da redução do IPI, a venda de automóveis subiu 37%.
A decisão de Guido Mantega, que já era certa nos bastidores, mas que só não foi revelada anteriormente para não desaquecer as vendas de agosto, foi comemorada pela Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.
Já o setor de venda de veículos usados, que amarga prejuízos por conta da queda de mercado destes carros, vai continuar com faturamento menor.
LINHA BRANCA, MÓVEIS E MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO:
O Governo Federal prorrogou por um prazo maior que o dos carros a redução do IPI para eletrodomésticos da linha branca, como fogões, tanquinhos, máquinas de lavar, fornos e geladeiras, móveis e materiais de construção.
O IPI menor que também acabaria na sexta-feira vigora até o dia 31 de dezembro.
Já a redução do imposto sobre alguns tipos de materiais de construção, como pisos, cerâmica e laminados vai até 31 de dezembro de 2013.
RENÚNCIA FISCAL:
Com os incentivos para os setores contemplados pela redução do IPI, o Governo Federal deixa de arrecadar R$ 1,6 bilhão este ano e R$ 3,9 bilhões em 2013. Guido Mantega disse porém que serão exigidas contrapartidas das indústrias e que o aquecimento do mercado vai compensar esta perda de arrecadação.
No ano que vem inteiro, a desoneração do IPI dos materiais de construção vai representar R$ 1,8 bilhão de impactos na arrecadação. Já com a redução que beneficia a indústria automobilística, o Governo Federal deve deixar de arrecadar somente nos próximos dois meses R$ 800 milhões.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta