Greve de Ônibus em Maceió: trabalhadores descumprem decisão judicial

maceio

Greve de ônibus em Maceió entra no segundo dia e prejudica mais uma vez cerca de 300 mil pessoas. Justiça determinou retorno imediato dos trabalhadores mas ordem não foi obedecida. População que pode recorreu aos minionibus do Serviço Complementar. Foto: Alagoas 24 Horas

Greve de ônibus em Maceió: sindicalistas desrespeitam ordem da Justiça
TRT determinou que toda a categoria retornasse ao trabalho
ADAMO BAZANI – CBN
Mais um dia de dificuldades para cerca de 300 mil pessoas que dependem de transportes coletivos em Maceió, Alagoas.
Pelo segundo dia consecutivo, motoristas e cobradores de ônibus estão parados. Na manhã desta terça-feira, a categoria tinha declarado que ia voltar ao trabalho, mas acabou mudando de decisão.
Aliás, posturas desencontradas têm marcado esta greve. Logo no início da manhã de ontem, o presidente do Sinttro/AL – Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviário de Alagoas, Élcio Angelo Marques, declarou que a entidade sindical nada tinha a ver com a greve e até acusou que o movimento foi uma iniciativa das empresas de ônibus, insatisfeitas com a redução da passagem, por determinação judicial, de R$ 2,30 para R$ 2,10.
Logo na parte da tarde, Écio adotava o mesmo discurso das empresas contra a redução tarifária e aparecia em piquetes na frente de garagens. Ele e mais sete pessoas foram presas por ordem da Justiça e liberadas nesta terça-feira.
O presidente do TRT /AL – Tribunal Regional do Trabalho de Alagoas, desembargador Severino Rodrigues, determinou ontem o fim da greve, o que não ocorreu, sendo a razão para as prisões dos sindicalistas e de motoristas de ônibus. O juiz também estipulou multa de R$ 50 mil por dia parado ao Sinttro/AL
A categoria tenta uma reunião com o magistrado ainda hoje.
Os trabalhadores aceitaram proposta do Ministério Público do Trabalho de aumentos de 7,5% nos salários, 15% no plano de saúde e 2,5% no ticket alimentação.
As empresas não aceitaram e atribuíram isso à eventual queda na arrecadação por conta da redução de tarifa determinada em fevereiro pelo desembargador do Tribunal de Justiça, Washington Luiz, mas só aplicada agora em agosto.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: