Anúncio de novo aumento do diesel deixa setor de transportes apreensivo

diesel

Anúncio de mais um aumento nos combustíveis feito pela presidente da Petrobrás, Graça Foster, deixa diversos setores econômicos apreensivos. Isso porque tem sido adotada uma política desigual de reajustes, privilegiando os transportes individuais em detrimento do coletivo de passageiros e os de carga. Algumas atividades repassam os aumentos de forma imediata, outros setores são obrigados até mesmo a reduzirem investimentos por terem as tarifas fixadas pelo poder público e só reajustadas uma vez ao ano, como os transportes de passageiros. Os impactos do último aumento do diesel, em julho, sobre as empresas de ônibus urbanos devem ser de R$ 450 milhões este ano. Foto: Petrobrás

Mais aumento do diesel vai dificultar investimentos das empresas de transportes de passageiros
Só o último reajuste deve pesar em R$ 450 milhões os custos das empresas de ônibus urbanos no País. E Petrobrás quer elevar ainda mais o preço para cobrir rombos na estatal
ADAMO BAZANI – CBN
O anúncio da presidente da Petrobrás, Graça Foster de que pretende novamente aumentar o preço da gasolina e do óleo diesel, não foi bem recebido por diversos setores econômicos no País.
Obviamente que nenhum aumento agrada a ninguém, mas a política de reajustes que o Governo Federal tem adotado faz uma perigosa distinção entre os veículos de transporte individual e os que geram emprego e renda, responsáveis pelo desenvolvimento econômico e cujos gastos influenciam diretamente nos custos e na qualidade de serviços para toda a população.
Ocorre que os transportes individuais têm recebido privilégios em relação ao transporte coletivo urbano, rodoviário e o transporte de cargas não contam.
No primeiro aumento de 7,83% na gasolina e de 3,94% no diesel, que ocorreu nos dias 22 e 25 de junho respectivamente, os impactos foram absorvidos em parte pela redução da Cide – Contribuição de Intervenção Sobre o Domínio Econômico.
Mas em 12 de julho de 2012, o governo determinou novo aumento apenas para o diesel, de 6% nas refinarias, chegando a cerca de 5% nas bombas ou para o consumidor final. Neste caso, o combustível que move ônibus, caminhões, furgões e outros veículos comerciais não foi agraciado por nenhuma compensação tarifária.
Os custos maiores do diesel influenciam todos os preços ao consumidor, desde alimentos, roupas, eletroeletrônicos até equipamentos médicos e remédios pelo fato de a maior parte do transporte de matéria-prima e produtos industrializados depender de caminhões.
Mas nem todos os serviços repassarão de imediato estes aumentos ao consumidor. É o caso das empresas de ônibus que têm as tarifas fixadas pelo poder público e aumentos determinados a cada ano normalmente.
Estes aumentos devem ser contabilizados nas próximas tarifas, mas até lá, as companhias de ônibus terão de se ajustar aos aumentos dos custos para prestarem serviços sem terem uma compensação direta.
Assim, investimentos em melhorias realizados pelas empresas podem ser reduzidos este ano, de acordo com a NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.
Só por conta do último aumento de 6% em julho, apenas as empresas de serviços urbanos terão os custos ampliados em R$ 450 milhões este ano, de acordo com cálculos da entidade.
A Petrobrás amarga prejuízos de R$ 1,3 bilhão.
De acordo com Graça Foster, os preços dos combustíveis brasileiros estão abaixo do que é praticado no mercado internacional e por isso, a Petrobrás precisa equipará-los.
Uma das causas para isso foi a desvalorização do real frente ao dólar que deixou os produtos brasileiros mais baratos no exterior.
Graça Foster diz que novos investimentos como refinarias de beneficiamento do diesel e a entrada em operação da unidade de Abreu Lima, no Pernambuco, devem diminuir a dependência do Brasil em relação ao combustível que vem de outros países. Mostrando ainda que o País está longe de se tornar autossuficente em Petróleo, como propagou Luiz Inácio Lula da Silva, só no primeiro semestre deste ano foram importados US$ 6 bilhões em gasolina e diesel.
Se são necessários reajustes, o empesariado até diz entender. O que não tem sido admitido são os privilégios sobre alguns setores que penalizam outros considerados essenciais.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

3 comentários em Anúncio de novo aumento do diesel deixa setor de transportes apreensivo

  1. Alem de não sermos mais alto suficientes, temos uma Petrobras, com uma folha de pagamento com salarios fora da realidade até em relação a outros paises, despesas absurdas, e pagamos uma das gasolinas mais caras do mundo, a Petrobras foi um sonho que virou um pesadelo.

  2. Nunca fomos autossuficientes, foi tudo uma pantomima, quem votou caiu direitinho no conto do operário !
    Quero ver no ano que vem as pessoas chaindo com os aumentos nas passagens de onibus. Fica dificil ser empresário, pagar taxas, contribuiçoes, impostos, manter veiculos a salvo de vandalismo, incendio, enchentes, buracos nas ruas, É complicado.
    Adamo, bem que voce poderia fazer um comparativo de custos de uma empresa de onibus do Brasil, com a de outros paises. Seria interessante, se esses dados estiverem disponiveis. Mostrar a realidade aqui e lá fora. Inclusive valores de passagens e salários mínimos nos respectivos países [costumo dizer que as passgens de onibus não são caras, o salario minimo é que é de baixo poder aquisitivo]

  3. Agora a pergunta…

    Cadê o pré-sal cumpanheros e cumpanheras?????

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: