BRT Transoeste vai ter faixa e semáforo perto de colégio de aluno que foi morto

Transoeste

BRT Transoeste no Rio de Janeiro. Sistema de ônibus é rápido e conta com veículos modernos de alta capacidade. Mas número de atropelamentos preocupa. Foram quatro mortes desde a inauguração de parte do corredor. Mais treinamento para motoristas e melhor sinalização são pontos apontados como necessários para aumentar a segurança; população deve fazer sua parte e não atravessar ou caminhar em locais proibidos para pedestres, mesmo que para isso precise caminhar mais um pouco. Foto; Jornal Extra

BRT Transoeste vai ter faixa e semáforo em frente de colégio cujo estudante morreu atropelado
Foram quatro mortes desde a inauguração de parte do sistema de corredor que, quando finalizado, vai unir Santa Cruz, Barra da Tijuca e Campo Grande
ADAMO BAZANI – CBN
A secretaria municipal de transportes do Rio de Janeiro anunciou que nesta semana vai instalar um semáforo e faixas de pedestre nas proximidades do Colégio Estadual Vicente Januzzi, na Barra da Tijuca.
Um estudante morreu na semana passada após 43 dias de internação no CTI – Centro de Terapia Intensiva – do Hospital Lourenço Jorge. Felipe Carneiro de Freitas, de 17 anos, foi internado após ter sido atingido por um ônibus que trafegava pelo BRT – Transoeste, sistema de corredor exclusivo de transporte público. Quando for finalizado, o BRT Transoeste vai ligar Santa Cruz, Barra da Tijuca e Campo Grande.
Na última sexta-feira, dia 17 de agosto, alunos fecharam parte da Avenida das Américas em protesto contra a falta de sinalização e de segurança neste trecho do corredor de ônibus. A faixa de pedestre mais próxima do “Vicente Januzzi” até então estava a 300 metros da entrada principal da escola.
Felipe é a quarta pessoa que morreu atropelada no corredor. Em todos os casos, as vítimas estavam em áreas não permitidas para pedestres.
A Prefeitura do Rio de Janeiro afirmou pela assessoria de imprensa que estuda formas de melhorar a sinalização em diferentes pontos do corredor e que prepara um novo material de conscientização.
As empresas de ônibus e o poder público têm responsabilidade quanto ao treinamento dos motoristas e dos demais funcionários e também em relação à segurança do sistema mas população deve tomar atitudes simples como não caminhar pelo espaço exclusivo dos ônibus, atravessar sempre na faixa de segurança mesmo que para isso precise caminhar um pouco mais e não se arriscar a fazer travessias na frente dos veículos que por serem grandes podem passar uma falsa impressão de que são lentos, mas conseguem desenvolver boa velocidade.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. André Ricardo disse:

    mesmo com faixa e semáforo,muitos mal educados vão atravessar fora.

  2. Gustavo Cunha disse:

    Boa tarde.

    Semáforo, sinalização, placas, tudo inútil, se, o povo, também não possuir, consciência.

    Existem regras para os motoristas e para o pedestre, também.

    Abraço.

  3. William Souza disse:

    Prêmio Darwin pra quem atravessa uma Avenida das Américas fora da faixa de pedestres por pura preguiça ou birra com o poder público.

    A “Idiocracia” venceu.

  4. ALEXANDRO disse:

    Estes ônibus tem velocidade controlada, deve ser de 50km/h (em SP é este limite). A culpa foi dos pedestres!

  5. Bruno disse:

    E ainda tem quem ache que a culpa é do motorista (e da empresa )e do poder público…

Deixe uma resposta