O imponente judoca brasileiro

Judoca

Ônibus oficial a serviço da Confederação Brasileira de Judô possui características semelhantes às exigidas dos atletas: força, imponência e técnica. Encarroçado pela Marcopolo, veículo chama a atenção pelo seu porte. Na área técnica, há equipamentos de segurança, de gerenciamento de operação e as novas leis de restrição de poluição são seguidas. A força é outro destaque, o motor tem 400 cavalos e torque de 2100 Nm. Foto: Divulgação Scania.

Ônibus de dois andares da Scania parceiro da Seleção de Judô
Veículo que transporta atletas que agora estão em Londres já segue as novas determinações de redução de poluição além de ter sala de reuniões e espaço de convivência no primeiro piso
ADAMO BAZANI – CBN
Se o judô é um esporte que exige imponência, força e técnica, a equipe brasileira está bem no quesito transportes.
São justamente todas estas características presentes no ônibus de dois andares que atende os atletas da delegação brasileira, muitos representando o País nas Olimpíadas 2012 de Londres.
O veículo é fruto de uma parceria entre a Scania, montadora de veículos, e a CBJ – Confederação Brasileira de Judô.
O acordo entre a fabricante e a entidade esportiva começou em 2007, com os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro e vai até 2016, nas Olimpíadas também sediadas no Rio. Os veículos são constantemente renovados.
A imponência, a força e a técnica são atributos fáceis de serem reconhecidos.
O ônibus chama a atenção pelo seu porte. O veículo atual, com carroceria Marcopolo Paradiso 1800 DD, de dois andares, tem um design moderno e um porte impressionante, com quatro eixos, dois na frente e dois traseiros.
Por dentro, o ônibus também chama a atenção. O andar superior conta com poltronas semi-leito, monitores de TV LCD, tomadas para carregamento de celulares e notebooks e itens de conforto, como defletores individuais de ar condicionado e luz de leitura de led, que ilumina melhor.
No primeiro andar, uma ampla área de convivência permite conforto aos atletas e funcionalidade para a comissão técnica.
Há sala de reuniões e equipamentos como TV de Led, DVD Player, Blu-ray e frigobar.
Em relação à técnica, o veículo possui freios ABS, sistema de proteção contra tombamento, válvula de segurança de freio de estacionamento, sistema hidráulico de freio auxiliar Retarder da Scania, que está na segunda geração.
O ônibus já segue a nova lei de restrição à emissão de poluentes da fase P 7 do Proconve – Programa Nacional de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, com base nas normas Euro V.
Pela lei, em vigor desde janeiro deste ano, os veículos pesados a diesel devem emitir 80% menos de monóxido de carbono e 60% de óxidos de nitrogênio (NOx).
As suspensões dianteira e traseira são de sistema pneumático e o controle de freios EBS oferece mais segurança.
E no quesito força, o ônibus judoca não fica para trás: são 400 cavalos de potência e torque de 2100 Nm, com bom desempenho em baixas rotações, o que permite mais conforto por não haver trancos e transmissão do esforço do motor à carroceria e economia de combustível. O modelo é K 400 – 8 x 2.
O Brasil é representando por 14 atletas que disputam em sete categorias no Judô masculino e sete no feminino. Eles foram selecionados entre 143 esportistas que disputaram 119 competições no Brasil e em outros países da América Latina desde 2007.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

1 comentário em O imponente judoca brasileiro

  1. Essa nova geração do paradiso deve ter superado as expectativas da Marcopolo. Além dos artistas que compraram esses modelos, as confederações desportivas estão enchendo a Marcopolo de orgulho com o novo Paradiso. Claro, sem falar das viações.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: