Os investimentos em transportes públicos de Londres

ônibus de dois andares novo de Londres

Ônibus de dois andares em Londres. Novo modelo é um avanço dos tradicionais Routmasters, em um dos exemplos de investimento em transportes públicos para as Olimpíadas e para depois delas. Londres sendo uma só cidade recebeu mais investimentos no setor que, por enquanto, todos os municípios do Brasil que vão sediar a Copa do Mundo de 2014. Mas não só os valores que se diferem. Enquanto um Estado como São Paulo briga na Justiça para impedir integração entre ônibus municipais e intermunicipais, em Londres a palavra foi multimodalidade.

Os investimentos nos transportes públicos em Londres
Destaque é para a integração entre diversos tipos de modais.
ADAMO BAZANI – CBN
Apesar de serem preocupação, os transportes públicos para as Olimpíadas de Londres, que começam nesta semana, receberam altos investimentos em modernização e ampliação para beneficiar as demandas pontuais do evento e também o dia a dia dos moradores.
Para se ter uma ideia, o sistema recebeu só na cidade investimentos, em valores convertidos, de R$ 18 bilhões. No Brasil inteiro, para a Copa do Mundo em 12 cidades, os transportes devem receber R$ 11 bilhões.
Mas não são apenas os valores. A forma de investimento também se mostra diferente.
Inicialmente, foi pensada numa malha de transportes e não em modais de maneira isolada. É claro que pesa a favor de Londres, o fato de os transportes já apresentarem mais qualidade que nas cidades do Brasil, muitas que começaram do zero o planejamento no setor, o que é vergonhoso.
Uma das características é a integração e não a briga entre modais. Enquanto num Estado como São Paulo, por exemplo, o Governo briga na Justiça para acabar com uma integração entre ônibus municipais e intermunicipais em Diadema, não só durante os jogos, mas no dia a dia, um cartão garante com um mesmo pagamento de passagem (não a valores altos) o uso no metrô, trem, nos ônibus, inclusive os de dois andares, e no trem de alta velocidade.
Exclusividade das Olimpíadas está o fato de quem comprou ingressos para assistir os jogos vai poder se deslocar sem pagar a mais nos transportes públicos.
Os transportes serão monitorados de forma integrada também, com centrais de vídeo e GPS, para gestão em tempo real do sistema.
A demanda de passageiros em Londres que é de 12 milhões de viagens por dia vai aumentar para 15 milhões.
As obras do setor ficaram prontas no ano passado, enquanto que no Brasil, há intervenções que nem projeto básico satisfatório possuem.
Um dos destaques será a utilização dos novos ônibus de dois andares vermelhos, que substituem os históricos Routemasters.
Os veículos são elétricos híbridos, ou seja, possuem dois motores, um elétrico e outro a combustão, o que reduz o nível de poluição.
O acabamento é mais moderno e apresenta mais itens de segurança e conforto.
O site olhar digital traz uma reportagem sobre os transportes nas Olimpíadas de Londres e imagens destes veículos em funcionamento.
O LINK É:
http://olhardigital.uol.com.br/produtos/central_de_videos/olimpiada-2012-conheca-a-tecnologia-por-tras-do-transporte-publico-de-londres
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

5 comentários em Os investimentos em transportes públicos de Londres

  1. 2014 será uma grande vergonha acredito muito nisso ,e todo o investimento para o evento , não sera bonito e não será para Inglês ver , além do que 2014 sera um ano cheio de festa ,e poca produtividade , pois teremos carnaval , copa do mundo e eleições ,ou seja vamos rir e festejar com nossos problemas e nosso imenso atraso e descaso.

  2. Ingleses sempre foram bons em inovações importantes e criação de conceitos que se estabelecem.

    Resta torcer para nossos administradores públicos assumirem o despropósito de atitudes como a de Mauá e finalmente partirem para criação de uma rede de transportes.

    O mais interessante é que os bilhões de $ são muito mais necessários em construções, seja de pistas, ferrovias, estações, terminais. O custo da tecnologia para administrar a rede caiu muito e continua caindo.

  3. A cidade de São Paulo em 2 anos da copa, foi uma das cidades que menos investiu em transporte público, vamos viver uma copa com onibus velhos, sem corredores e cheias de tapumes pintados, dizendo desculpem o transtorno, obras inacabadas por incopentência pública.

  4. Uma curiosidade, os ônibus e metro de Londres são 24 horas?

  5. Hoje li um detalhe interessante sobre a região metropolitana de São Paulo.
    São 39 municípios COM AUTONOMIA, cada um deles, sobre sua rede de transportes. A EMTU sozinha tem autonomia sobre os ônibus que interligam estas cidades. A SPTRANS tem autonomia apenas na Capital.
    Existe alguma chance de isto funcionar direito?!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: