PAC da Mobilidade é ampliado mas rivalidade política ainda é maior

Presidente Dilma Rousseff anuncia PAC da Mobilidade para cidades entre 250 mil e 750 mil habitantes. Mesmo assim, nem todas as cidades com esta quantidade de pessoas vão receber os recursos porque não têm projetos para transportes ou por pura rivalidade política. Corredores e faixas para ônibus estão entre boa parte das propostas.

Presidente Dilma Rousseff anuncia PAC da Mobilidade para cidades entre 250 mil e 750 mil habitantes. Mesmo assim, nem todas as cidades com esta quantidade de pessoas vão receber os recursos porque não têm projetos para transportes ou por pura rivalidade política. Corredores e faixas para ônibus estão entre boa parte das propostas.

Dilma anuncia novo PAC da Mobilidade
Recursos de R$ 7 bilhões vão ser destinados a 75 cidades de médio porte
ADAMO BAZANI – CBN
Cidades com população entre 250 mil e 750 mil habitantes devem ser contempladas por uma nova fase do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, destinado para a mobilidade urbana.
O anúncio foi feito pela presidente Dilma Rousseff, nesta quinta-feira, dia 19 de julho.
Os recursos de R$ 7 bilhões devem beneficiar 75 cidades com esta quantidade de moradores em projetos de criação e expansão de sistemas de corredores de ônibus, metrô, ciclovias e áreas melhores para pedestres.
A presidente também anunciou formas menos burocráticas para a liberação de recursos e aprovação de projetos.
As obras e sistemas apresentados e aprovados neste ano, já com as licitações concluídas, devem se tornar concretas a partir de 2013.
Os recursos serão federais, mas os bancos estaduais é que serão responsáveis pela intermediação com os municípios.
As cidades têm até 30 de novembro para apresentarem as propostas de melhoria na mobilidade urbana.
O programa, ao atender municípios com menor população, amplia o alcance dos recursos a mais cidades. No ABC Paulista, por exemplo, apenas São Bernardo do Campo foi contemplada pela segunda fase do PAC.
Agora, com exceção de Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires e São Caetano do Sul , todas as outras podem receber os recursos.
O que não significa que vão receber. Isso porque algumas não possuem projetos de mobilidade ou se negam a aderir ao programa por questões políticas e partidárias.
Esta realidade não ocorre apenas no ABC Paulista.
Prefeituras de Partidos rivais de Dilma também não se mostraram interessadas em apresentar projetos que possam melhorar a rotina do ir e vir das pessoas, em especial de quem usa transportes coletivos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transporte

2 comentários em PAC da Mobilidade é ampliado mas rivalidade política ainda é maior

  1. É conveniente que esse programa federal apareça em ano de eleições municipais. Fica algo bem recente para as pessoas se lembrarem, ajudando assim os candidatos do pt e aliados nas disputas. Não diria nem que a copa e olympiada tem a ver com isso pelo porte das cidades atendidas. Bom, se isso ajudar as pessoas nos seus deslocamentos, que seja. O problema são essas “questões (tipo interesses) políticas e partidárias”.

  2. Tomara que São Bernardo use bem o dinheiro recebido! E que não haja escandá-los de desvio de dinheiro!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: