Usina Belo Monte fortalece venda de ônibus no Pará

Usina Belo Monte

Apesar das polêmicas quanto aos impactos ambientais, a construção da Hidrelétrica de Belo Monte tem sido uma boa oportunidade para geração de emprego e renda, devem ser cerca de 23 mil operários, e de negócios para outros setores, inclusive o de produção de ônibus. A encarroçadora Comil anunciou a venda de 100 veículos sobre chassi Mercedes Benz para transporte de operários. A negociação mostra outra tendência de parte do setor de construção civil, que antes movimentava mais o mercado da frota de ônibus usados. Foto: Comil.

Usina de Belo Monte compra 100 ônibus da Comil
Consórcio Construtor Belo Monte vai usar os veículos para transportar operários durante as obras, que terá a primeira unidade geradora operando em 2015

ADAMO BAZANI – CBN
As obras para a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, em Altamira, no Pará, apresar de terem suas controvérsias, principalmente na questão da compensação ambiental, tem gerado empregos e oportunidades para diversos segmentos de negócios.
Um dos setores beneficiados foi o de produção de ônibus.
Somente a encarroçadora Comil, de Erechim, no Rio Grande do Sul, anunciou nesta quarta-feira a venda de 100 ônibus urbanos novos, modelo Svelto sobre chassi Mercedes Benz.
Além de demonstrar a importância econômica das obras para diversos segmentos, que não necessariamente os diretamente de construção civil, a venda mostra uma nova tendência do mercado.
Normalmente, os canteiros de obras eram importantes mercados para a frota de ônibus usados no Brasil. Eram aproveitados, na maioria das vezes, veículos antigos e dispensados dos sistemas urbanos, para transporte de operários.
O CCBM – Consórcio Construtor Belo Monte investiu R$ 21 milhões para a compra dos cem ônibus urbanos novos.
Os veículos vão fazer o transporte dos funcionários entre suas casas e alojamentos até as obras e entre os três canteiros de obras estabelecidos na região do Xingu.
A previsão do Consórcio é de circulação de 12 mil trabalhadores até dezembro deste ano e de 23 mil trabalhadores em 2013, quando as obras devem estar mais intensas.
A prioridade na contratação é de funcionários que moram em onze municípios que vão sofrer influência da Usina de Belo Monte: Altamira, Vitória do Xingu, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Uruará, Placas, Pacajá, Senador José Porfírio, Porto de Moz e Gurupá.
O Consórcio criou o Programa Capacitar para Crescer que oferece 27 cursos profissionalizantes ligados à engenharia em parceria com o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) e Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial).
Os ônibus da Comil estão sendo entregues aos poucos. Até novembro, a encarroçadora acredita que todo o lote estará em operação.
A Usina Hidrelétrica de Belo Monte será a terceira maior deste tipo do mundo. Ela deve ter capacidade instalada de 11.233 MW Megawatt. Para se ter uma ideia, cada megawat equivale a 10 watts elevados à potência de seis.
Ela só vai ficar atrás da Usina Três Gargantas, na China, e Usina de Itaipu, binacional, entre Brasil e Paraguai.
A primeira unidade geradora de Belo Monte deve estar pronta em 2015. A Usina deve estar operando em plena capacidade no primeiro trimestre de 2019, com 24 turbinas geradoras.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: