Confira como ficam ônibus, trens e metrô em cidades que tiveram problemas

greve Osasco

Motoristas e cobradores de ônibus devem paralisar parte dos serviços de duas empresas na região de Osasco

Motoristas e cobradores de ônibus de Osasco e região, na Grande São Paulo, devem entrar em greve nesta quinta-feira, dia 24 de maio de 2012. A decisão foi tomada na noite desta quarta-feira depois de assembléia e manifestação da categoria
A categoria quer um aumento salarial de 10%. As empresas de ônibus ofereceram 7%, de acordo com ima das companhias que operam na região.
Os motoristas também protestam contra o aumento do intervalo no almoço de 25 minutos para uma hora, mas sem remuneração extra para isso.
Apenas algumas garagens da cidade devem ser paralisadas.
As empresas que devem ser atingidas são Viação Urubupungá e Viação Osasco.

onibus

Mesmo com o retorno das operações do Metrô, situação era complicada para o paulistano retornar para a casa. Os serviços foram voltando aos poucos e muita gente ainda preferiu retornar de ônibus.

Funcionários da CPTM encerram greve em São Paulo
Metrô já opera normalmente. Greves de transportes continuam em outros estados

ADAMO BAZANI –CBN

Os ferroviários da CPTM que operam as linhas 11 Coral (Luz – Estudantes) e 12 Safira (Brás – Calmon Viana) também terminaram a greve.
No início da noite desta quarta-feira, foi realizada uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho.
A reunião durou cerca de três.
A categoria vai ter aumento de 6,63% nos salários, R$ 20 de vale-refeição e PPR – Programa de Participação nos Resultados de no mínimo de R$ 3 mil.
De acordo com a CPTM, os trabalhadores de outras linhas representados pelos demais sindicatos que representam os ferroviários.
A existência de mais de um sindicato se dá por razões históricas, já que as ferrovias em São Paulo eram divididas por vários sistemas, como a Central do Brasil, Sorocabana e São Paulo Railway.
Inicialmente, os trabalhadores vinculados ao Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil, pediam 10,83% de aumento, sendo 5,83% de reajuste salarial e 5% de ganho real.
Nesta terça-feira, a Justiça havia determinado serviços de 70% das tabelas de horário durante o dia e 85% nos horários de pico.
No entanto, mesmo com a estipulação de multa de R$ 100 mil por dia ao sindicato, nenhum trem operou.
Para atender à demanda de trens que ligam a Grande São Paulo ao centro da Capital pela zona Leste, a SPTrans, São Paulo Transporte, gerenciadora dos transportes municipais, colocou cerca de 60 ônibus que atenderam o trajeto de Guaianazes ao Brás, para os passageiros da linha 11, e de Itaim Paulista ao Brás, para os usuários da linha 12.
Além disso, a CPTM prolongou a linha 10 Turquesa (Rio Grande da Serra – Brás) até a Estação da Luz.
A linha 10 sempre foi até a Luz, mas por conta do excesso de passageiros na Estação da Luz que começou a receber a demanda da linha 4 Amarela do Metrô, que dá mais notoriedade na mídia, foi encurtada nas operações convencionais até o Brás.

METRÔ DE SÃO PAULO:

Depois de prejudicar cerca de 4 milhões de pessoas na Capital Paulista, a greve dos metroviários foi encerrada no meio da tarde desta quarta-feira, dia 23 de maio.
Por conta da greve do Metrô e de parte dos funcionários da CPTM, muitas pessoas que usavam o transporte público foram trabalhar de carro, aumentando ainda mais os índices de congestionamento na cidade de São Paulo, que por volta das dez horas da manhã bateu o recorde histórico na parte da manhã, chegando a 249 quilômetros.
Os metroviários reivindicavam 5,37% de reajuste para repor o acumulado da inflação mais 14,99% de ganhos reais nos salários. No entanto, a proposta foi maior que os 4,15% de aumento salarial mais 0,5% de ganhos reais, que foi, de início, apresentada pelo Metrô.
A categoria aceitou, depois de reunião de conciliação no TRT – Tribunal Regional do Trabalho e de assembléia, a proposta de reajuste salarial de 6,17% (IPC da Fipe 4,15% e real de 2,02%). O vale refeição subiu para R$ 23,00. O vale alimentação foi para R$ 218,00. O adicional do risco de vida foi para 15% dos salários, como o da CPTM.
Um tumulto marcou a greve, quando ainda pela manhã, passageiros revoltados com a falta de transportes, fecharam a Radial Leste, uma das vias mais movimentadas da cidade, nas imediações da Estação Itaquera e esvaziaram pneus de ônibus.
A Tropa de Choque da Polícia Militar foi acionada para desobstruir a via.

GREVE DE ÔNIBUS EM SALVADOR

Salvador

Frota mínima determinada pela Justiça em Salvador não foi cumprida pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus. Mais de um milhão de pessoas foram prejudicadas. Polícia teve atuar para garantir a saída dos veículos. Correio da Bahia.

Mais de um milhão de pessoas foram prejudicadas em Salvador e região metropolitana nesta quarta-feira por causa da greve dos motoristas e cobradores de ônibus.
E a paralisação deve continuar nesta quinta-feira.
Para tentar dar um fim logo ao problema, o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região, da Bahia, antecipou o dissídio coletivo dos rodoviários.
O julgamento que estava previsto para ocorrer em dez dias deve ser realizado no máximo, na segunda-feira, dia 28 de maio, às 10 horas, na sede do TRT.
A justiça determinou frota mínima de 40% dos ônibus durante todo o dia, número que deveria ser ampliado para 60% nos horários de pico.
Mas dados da Transalvador, que gerencia os transportes na cidade, revelam que o percentual ficou longe de ser cumprido.
Com a falta de transportes, a atuação dos veículos clandestinos foi grande.
Apesar de muitos veículos não oferecerem segurança, nenhum deles foi multado pelo poder público.
Além dos cerca de 13 mil rodoviários de Salvador, o sindicato dos trabalhadores disse que os motoristas e cobradores também pararam em Feira de Santana, Juazeiro e Senhor do Bonfim.
Os motoristas e cobradores pedem reajuste salarial de 13,80%, sendo 5,37% de reposição de inflação e 8,43% de reposição da inflação, além de pagamento a cada quinze dias e redução da jornada de trabalho diária de sete horas para seis horas.
As empresas de ônibus ofereceram reajuste de 4,88%.
A greve provocou congestionamentos em vias importantes de Salvador, porque muita gente que costuma ir ao trabalho ou estudo de ônibus, teve de usar carro de passeio.
Apresentaram problemas de trânsito vias como avenida Antônio Carlos Magalhães, avenida Vasco da Gama, avenida Oscar Pontes, e as que servem o bairro San Martins.
Os ônibus intermunicipais que partem da Rodoviária de Salvador para cidades do interior também não operaram, o que afetou o número de partidas, segundo a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia – Agerba.

GREVE DE ÔNIBUS EM SÃO LUÍS:

ônibus São Luís

Ônibus em São Luís, no Maranhão, parados na garagem. Mais de 600 mil pessoas são prejudicadas por conta da greve dos motoristas e cobradores. Empresas devem contratar trabalhadores para substituir grevistas. Jornal O Pequeno

A greve de ônibus em São Luís, no Maranhão, está longe de ser definida.
O Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís (SET) tentou sem sucesso alegar que não tinha condições de pagar o reajuste de 7% aos motoristas e cobradores determinado na semana passada pela desembargadora Ilka Esdra, presidente do TRT – Tribunal Regional do Trabalho.
As empresas de ônibus alegaram que em janeiro já haviam concedido aumento de 5% aos trabalhadores como reposição de índices inflacionários e que a soma deste percentual aos 7% estaria fora da realidade econômica das companhias.
Enquanto Justiça, empresas de ônibus e sindicalistas não entram em um entendimento, ao menos 600 mil pessoas são prejudicadas desde segunda-feira.
Além da falta de ônibus, os passageiros são obrigados a pagar preços abusivos por transportes alternativos que podem chegam a R$ 10,00.
Por determinação da Justiça, as empresas de ônibus de São Luís devem contratar motoristas e cobradores para substituir os grevistas.
As companhias de ônibus afirmam que não vão negociar com a categoria até que volte ao trabalho.
Os motoristas, cobradores, fiscais e demais trabalhadores do setor de transportes reivindicam reajuste salarial de 16%, vale alimentação de R$ 450, inclusão de dependentes nos planos de saúde e odontológico e redução na jornada de trabalho.

GREVE DE METRÔ DA CBTU EM BELO HORIZONTE, JOÃO PESSOA, MACEIÓ, NATAL E RECIFE

CBTU

Trem da CBTU em Belo Horizonte. Além da cidade mineira, sofrem com falta de trens da Companhia, João Pessoa, Natal, Maceió e Recife. Foto: CBTU

Milhares de passageiros que dependem dos trens e metrôs da CBTU – Companhia Brasileira de Trens Urbanos que prestam serviços em Belo Horizonte, João Pessoa, Maceió, Natal e Recife.
Os trens da CBTU em Belo Horizonte e Região Metropolitana transportam diariamente 215 mil passageiros. A maior parte desta demanda foi para os ônibus, que prestam serviços a 1,5 milhão de pessoas.
Por conta do aumento do número de passageiros, algumas linhas de ônibus tiveram reforço em número de veículos e de viagens.
Em Recife, os trens atendem 280 mil passageiros por dia. O Consórcio Grande Recife reforçou quatro linhas de ônibus, criou duas emergenciais e prolongou outra linha. Todas atendem as regiões das estações do metrô.
Em Maceió, os trens transportam seis mil passageiros por dia. Eles estão sendo obrigados a pagar mais para serem transportados, já que a tarifa de trem é de 50 centavos contra R$ 2,30 dos ônibus municipais. A escala é de 22 viagens por dia.
Em Natal, a linha de trem que já é considerada precária, pirou com a greve. O sistema local possui duas locomotivas, mas só uma delas funciona desde novembro. A outra ainda não foi consertada. Os trens em Natal e região que já chegaram a transportar 8 mil passageiros por dia, agora atende a menos de 4 mil. O pior problema na cidade tem sido a greve de ônibus, que afeta a cerca de 450 mil pessoas.
Em João Pessoa e região metropolitana, os trens da CBTU transportam 12 mil passageiros por dia. Também há apenas dois trens em serviço, que deveriam fazer 28 viagens, mas apenas uma composição cumpriu 8 horários.
Os metroviários pedem 5,74% de reajuste salarial, 50% de adicional noturno, participação nos lucros e resultados e plano de saúde integral.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

2 comentários em Confira como ficam ônibus, trens e metrô em cidades que tiveram problemas

  1. DR PROTESTO INDIGNADO E P..TO DA VIDA!!! // 24 de Maio de 2012 às 01:15 // Responder

    PARECE VÍCIO, passou a GASTANÇA DO CARNAVAL, vamos fazer GREVE!!!!!
    COISAS DE BRASILEIRO, NUNCA SE SATISFAZ.

  2. porque que todas as vezes que tem greve só o pobre trabalhador é quem paga caro e ainda toma borrachadas

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: