Greve dos caminhoneiros preocupa empresas de ônibus

ônibus

Greve dos Caminhoneiros, greve dos distribuidores de combustíveis, garagens de ônibus, óleo diesel, Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo - Sindicam - SP, tráfego de caminhões, restrição de caminhões na Marginal Tietê, prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, Sindicato Nacional dos Transportadores de Cargas Líquidas e Corrosivas do estado de São Paulo, ABC Paulista, Barueri, Itapevi e zona Sul de São Paulo, Adamo Bazani, Blog Ponto de ônibus, ônibus

Greve de Distribuidores de combustíveis ameaça abastecimento em garagens de ônibus
Empresas não receberam diesel já encomendado
ADAMO BAZANI – CBN

A greve dos caminhoneiros, em especial dos distribuidores de combustíveis em São Paulo, além de provocar correria em postos de abastecimento tem colocado muitas garagens de ônibus em alerta.
A reportagem percorreu duas garagens de transporte coletivo no ABC Paulista e ambas confirmaram que não receberam as encomendas de óleo diesel. Por telefone, outras três empresas da Capital confirmaram também que não receberam o combustível.
A quantidade de diesel é suficiente para poucos dias de operação. Em algumas garagens, o abastecimento por caminhões nos postos internos é diário.
A greve teve início nesta segunda-feira pelo Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo – Sindicam – SP.
Os sindicalistas protestam contra as restrições de tráfego de caminhões na Marginal do Tietê. A prefeitura de São Paulo anunciou a proibição dos veículos de carga pesada na Marginal Tietê de segunda a sexta-feira, das 05 h às 09 h e das 17 h às 22 horas.
Na manhã desta terça-feira, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab admitiu que pode fazer alterações na restrição.
GREVE NACIONAL:
O Sindicato Nacional dos Transportadores de Cargas Líquidas e Corrosivas do Estado de São Paulo não descarta a possibilidade de uma paralisação nacional.
O movimento começou em distribuidoras do ABC Paulista, Barueri, Itapevi e zona Sul de São Paulo, mas já atinge outras regiões.
Nesta manhã, o Governador de São Paulo Geraldo Alckmin declarou que espera uma negociação com a categoria para evitar o desabastecimento em postos de combustíveis, garagens de ônibus e outros serviços essenciais.
Na Capital Paulista, são cerca de 54 mil veículos de distribuição de combustível cadastrados de acordo com os movimentos sindicais.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

4 comentários em Greve dos caminhoneiros preocupa empresas de ônibus

  1. Qual é a opinião das empresas de ônibus sobre a utilização das avenidas marginais?

  2. Olha, ao meu ver é ridículo essa proibição e estou À FAVOR dos caminhoneiros (entretanto totalmente contra os verdadeiros vândalos que apedrejaram algumas carretas). Sem veículos de grande porte a cidade e o Brasil pára, já está mais do que provado.

    Agora, não custa nada ressaltar a excelente performance dos Tróleibus numa hora dessa! Imagine a cidade parando e apenas os “Elétricos” firmes e fortes?? Muita gente que os odeia irá agradecer de joelhos! E imaginem que, de quebra, apenas eles estarão operando e simplesmente não poluindo nada o ar?? Claro que a cidade parando afetaria à todos (inclusive à mim), mas gostaria sim de ver como seria a cidade sem carros (por bem, ou nesse caso, por Muito mal!).

    E Viva os Tróleibus!

  3. TROLEYBUS FOREVER

  4. TROLEBUS VAI SE MOSTRAR O QUANTO É IMPORTANTE É NESTAS HORAS, na minha humilde opinião, deveria de acabar o PETRÒLEO de uma vez só. não é só os trolebus, mas também se lembrarão o quanto uma locomotiva elétrica faz falta.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: