Prefeito de Diadema se reúne com Estado para manter integração na Metra

integração Metra

Ofício mandado pelo Governo do Estado de São Paulo comunicando o fim da integração gratuita nos terminais Diadema e Piraporinha entre o sistema da Metra e os ônibus municipais de Diadema foi considerado como unilateral e impositor pelo prefeito de Diadema, Mário Real. Com a posição do prefeito, a cobrança de R$ 1,00 para a transferência entre os sistemas prevista para ocorrer já neste domingo, foi adiada. Na terça-feira, Mário Reali se reúne com o secretário estadual dos transportes Jurandir Fernandes e de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido. Foto: Adamo Bzani.

Prefeito se reúne com Estado para manter integração na Metra
Mário Reali, de Diadema, vai discutir o assunto com os secretários de Transportes e Desenvolvimento Metropolitano do Governo Alckmin

ADAMO BAZANI – CBN

Esta terça-feira, dia 14 de fevereiro de 2012, pode representar uma das últimas tentativas de manter a integração gratuita entre o sistema operado pela Metra e os ônibus municipais de Diadema e os de São Paulo, neste caso no Terminal São Mateus.
Enquanto o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, aceitou pacificamente a proposta do fim da integração, feita pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, o prefeito de Diadema e presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC, Mário Reali, já se declarou publicamente contra o fim da conexão gratuita e mais uma vez vai apresentar a reivindicação da população ao governo de Geraldo Alckmin.
Nesta terça-feira, ele deve ser reunir com o Secretário de Estado de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido, e com o Secretário de Estado de Transportes, Jurandir Fernandes.
Reali diz que a proposta do fim da integração foi unilateral e imposta, sem as devidas discussões sobre as vantagens e desvantagens para a população. Ele afirma que políticos da região do ABC estão indignados com a possibilidade e cobrança nas transferências e se unem independentemente de partido contra o fim da integração.
“Os prefeitos e deputados da Região (do ABC) estão indignados com a atitude do Estado. E isso mostra que não tem nenhum posicionamento partidário. Queremos discutir e ter uma relação de diálogo e de construção de mudanças” – disse ao Jornal ABCD Maior.

OFÍCIO CAUSOU SURPRESA:

No início da semana passada, sem consultar os poderes públicos locais, o Governo do Estado de São Paulo encaminhou um ofício técnico para a Prefeitura de Diadema informando que a partir deste domingo, dia 12 de fevereiro de 2012, para passarem dos trolebus e ônibus da Metra para os ônibus municipais e vice e versa, os passageiros teriam de pagar R$ 1,00 a mais.
Há cerca de 20 anos a transferência era gratuita.
Reali se indignou com o fato de o Governo do Estado ter comunicado uma decisão da qual nem ele e nem as empresas operadoras municipais participaram.
Apesar de as catracas estarem instaladas, a cobrança que seria neste domingo foi adiada.
Reali quer se reunir também com o governador Geraldo Alckmin.
A EMTU alega que a cobrança seria necessária por conta do aumento dos custos, entre eles, a eletrificação do trecho entre Piraporinha, em Diadema, e Jabaquara, na zona Sul da Capital Paulista. A alegação sofre contestações, já que os discursos sempre apontaram que a operação dos trolebus em longo prazo é economicamente mais vantajosa e que tudo que é investido agora acaba tendo o retorno, sendo a eletrificação não um custo, mas um investimento.
Apesar de a rede ter sido instalada, ainda não trafegam ônibus elétricos por este trecho.
Além disso, o Governo do Estado diz que passageiros dos ônibus municipais de Diadema “abusam” da integração ao pegarem os ônibus metropolitanos da Metra para circularem por poucos pontos dentro da cidade de Diadema.
A integração é feita nos Terminais Piraporinha e Diadema. Sobre o fim da integração em São Mateus, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, não teve a mesma reação de Mário Reali.
O prefeito de Diadema disse que o fim da integração vai na contramão dos discursos sobre mobilidade. A integração, na opinião do prefeito, estimula o uso do transporte público.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

31 comentários em Prefeito de Diadema se reúne com Estado para manter integração na Metra

  1. Realmente o discurso do PSDB é uma coisa e a prática é outra! Incentivam a população a usar transporte público, privatizaram o ramal metropolitano e depois, da Metra cumprir a exigência contratual de eletrificar o trecho Jabaquara-Piraporinha, vem o governo e quer repassar o custo para o usuário do transporte. É esta a mentalidade de quem gere uma pasta que sequer faz sentido para ela própria, afinal, nem o Governador nem o Secretário fazem uso do transporte coletivo tanto em SP, quanto na RMSP!

    • Marcos Novaes de Souza // 12 de Fevereiro de 2012 às 14:08 // Responder

      Embora o assunto da postagem seja outro, se não estou enganado a eletrificação do sistema, inclusive no trecho Piraporinha/Jabaquara, foi realizado pelo estado através da EMTU e não pela Metra. Se eu estiver enganado me desculpem e me corrijam. Agora de fato essa política do PSDB não tem nada de democrática, eles tomam as suas resoluções e empurram garganta abaixo do povo. Quanto a essa figua patética que é o alcaide de SP, não me causa estranheza, só pensa e se importa com política, administrar a cidade em favor da população, jamais. Que os exemplos repugnantes desses políticos sejam lembrados por todos nas próximas eleições.

  2. Realmente, nestes caso, há muitas contradições entre discurso e prática.

    1) O Trecho deveria ser eletrificado desde sua inauguração
    2) A Integração incentiva sim o transporte público, mas ela precisa ser colocada em prática. É verdade que existem sim alguns abusos de passageiros que saem dos municipais de Diadema e andam dois pontos de Metra, sendo que poderiam fazê-lo a pé. Mas também tem muita gente que sai dos municipais de Diadema e precisa ir para o Brooklin, para o Jabaquara, Santo André, etc;
    3) Eletrificação é investimento e todos pregavam que em corredor trolebus é mais vantajoso economicamente que diesel, então, qual é o peso e qual o retorno da eletrificação?

    São fatos que o Governo do Estado quis impor. esta imposição irritou Reali e a população, pois a EMTU praticamente disse; VAI SER ASSIM E PONTO!. SÓ ESTAMOS AVISANDO.

    AGORA, HAVERÁ FIM DA INTEGRAÇÃO EM SÃO MATEIUS – SP E VEMOS O KASSAB FAZENDO ALGUMA COISA, COMO O REALI TEM FEITO????????

    (Se o Reali tem sido demagogo ou oportunista, fato é que ele ainda vem com uma reivindicação popular…… E O Kassab??????????)

    • Felipe Pinheiro Amatuzzi // 12 de Fevereiro de 2012 às 16:57 // Responder

      É correto que haja alguns abusos por parte de alguns passageiros que usam a integração, mas também é errado e ilógico essa cobrança, pois a medida configura um grande retrocesso social. Infelizmente, as coisas mais importantes em nosso país são decididas por poucos, e pagamos a conta. Mas, estamos com ruas intransitáveis em nossa cidade, e é vergonhoso não deixar os passageiros utilizarem várias linhas de ônibus com uma só passagem. Até os integrantes do PSDB de nossa cidade, repudiaram a medida do governo do Estado.

    • Lembrando que as linhas intermunicipais de Diadema foram praticamente extintas no começo da década de 90 com a implantação do corredor de tróleibus com excessão para o Terminal Sacomã, Terminal São Caetano, e a região da Zona Norte que é atendida por linhas para o Metro Saúde. Agora vão voltar com linhas intermunicipais para que a população tenha alternativa?

  3. Se eles não querem que usem linhas da METRA pra andar um ou dois pontos (não sei se algum deles já viu a subida entre o Term Diadema e o Piraporinha e os respectivos pontos seguintes. Além disso, andar dois pontos pode significar andar mais de 1 km), liberem o corredos pras linhas municipais, como na Cupecê.
    Se o governo do estado permanecer ser tão intransigente, as prefeituras podem exigir o uso do corredor para linhas municipais, como na Cupecê?
    Alguém precisa lembrar a eles que para ser uma boa empresa, não basta plantar árvores e comprar veículos menos poluentes (sei que eles não se limitam só a isso, mas eu acho absurdo pagar tudo isso pra andar em ônibus superlotados, alguns com cerca de 20 anos e ainda perder a integração gratuita).

    • Marcos Novaes de Souza // 12 de Fevereiro de 2012 às 14:22 // Responder

      Bruno concordo com você, inclusive no que diz respeito ao uso do corredor por empresas municipais, acredito que seria uma maneira de otimizar o uso do corredor favorecendo quem realmente interessa, o usuário. Quem usa ou já usou transporte público, sabe muito bem o que a população sofre, tudo o que estiver ao alcance do estado, nos 3 níveis da administração pública, deve ser feito para oferecer um transporte digno à população. TRANSPORTE UM DIREITO DO CIDADÃO, UM DEVER DO ESTADO. Eu acrescentaria: TRANSPORTE DIGNO E COM UMA TARIFA JUSTA.

  4. dudadeboa@hotmail.com // 12 de Fevereiro de 2012 às 04:10 // Responder

    Adamo gostaria de Saber:estava la no terminal Sonia Maria (maua,linhas 061 e 487)para pegar a linha 487 (metra)e la esta sendo feita obras.parece que vao colocar rede aerea…o que esta sendo feito?grato.(ps:eu acho justo sim andar 2,3 pontos,pois mtas vezes os pontos da metra é mto distante um do outro,(exemplo:terminal sto andre oeste,até a parada bangu,ou seja, term.sato andre oeste,parada timor,parada bangu.È longe usando a linha 284).ou entao term S> mateus ate a parada sonia maria,ja esta completamente netra maua e sao rafael!

  5. As autoridades, os burocratas dos órgãos de controle e gerenciamento, os administradores de empresas estatais de transporte (todas as modalidades) e os proprietários de empresas de ônibus tem que proporcionar em nosso país a Integração física, e sempre que possível, a Integração tarifária. Quando não fazem isso será necessário sofrer a pressão da Sociedade.
    Não acredito que possa acontecer nenhuma medida operacional da reunião citada acima (mas sempre devemos torcer) já que um encontro de políticos não resulta em trabalho técnico. Seria interessante que os técnicos das partes envolvidas se encontrassem.

  6. É me surpreende o Kassab aceitar o fim da integração no Terminal São Mateus. Ele não abraçou a cidade ao contrário do que fez o Mário Reali em Diadema. Só por isso a gente vê quem tem mais compromissos com o interesse da população.

  7. JOSE CARLOS (ZECA) // 12 de Fevereiro de 2012 às 14:32 // Responder

    Ola Bom Dia a todos(as).
    Como morador de Diadema fico muito feliz em saber que temos um blog tao interessante e na defesa do transporte publico de qualidade, trazendo importantes contribuicoes para o tema MOBILIDADE URBANA, seja atraves dos participantes ou de seus administradores. PARABENS, mas gostaria de informar os seguintes: Diversas foram as acoes que a populacao de Diadema ja realizou com o apoio dos movimentos sociais, sindicatos e partidos, passeatas, reunioes, plenarias, atos publicos e Audiencias publicas, pasmem… mesmo convidados os representantes do governo de SP, nao apareceram em nenhuma, se quer, justifcaram. Mas nao arredamos o pe, atraves de um abaixo assinado CONTRA O FIM DA INTEGRACAO, coletamos masi de 45 mil assinaturas, as quais foram entregues na ALESP e encaminhadas ao governador, chega de falta de respeito, QUEREMOS OS NOSSOS DIREITOS, o descaso e muito grande. Se cobrado a quantia de R$ 1,00 pra ir e outro pra vir, o reajuste sera de 35,09% um aumeto abusivo. Nesse sentido, protocolamos um pedido de acao na DEFENSORIA PUBLICA DO ESTADO DE SAO junto a DEFESA DO CONSUMIDOR, veja abaixo copia, obrigado pelo espaco, pois a IMPRESA, nao tem divulgado a nossa luta. Agradecemos a cada um que possa nos ajudar nesta luta.

    Ilustríssimo Senhor Doutor Defensor Público do Estado de São Paulo

    Ref.: Fim da Integração de Transporte Público Municipal nos Terminais de Tróleibus de Diadema, Piraporinha e São Mateus.

    Senhor Defensor Público;

    Nós, cidadãos usuários do sistema publico de transporte, (LINHAS MUNICIPAIS INTEGRADAS AO SISTEMA METROPOLITANO – EMTU- TROLEIBUS) moradores nas cidades de Diadema e São Paulo, vimos, a presença desta conceituada Defensoria Pública, requerer PROVIDÊNCIAS legais cabíveis e URGENTES, objetivando GARANTIR os direitos adquiridos desta população no tocante a MANTER A GRATUIDADE NA INTEGRAÇÃO NOS TROLEBUS e LINHAS MUNICIPAIS nos TERMINAIS DIADEMA, PIRAPORINHA e SÃO MATEUS.

    1988 foi o ano da implantação do corredor de tróleibus na região, e a partir do ano 1991, os municípios de Diadema e São Paulo, formalizaram convênios com a EMTU que possibilitou a integração física, operacional e tarifária gratuita das linhas municipais e metropolitanas que operam nas vias dos Municípios.

    Convênios estes, renovados sucessivas e anualmente, beneficiando milhares de cidadãos usuários até os dias de hoje, completando mais de 20 anos. ( Doc. Nº. 01, 02, 03, 04, 05 e 06 )

    Entretanto, nós usuários do sistema de transporte, a cerca de 60 dias fomos surpreendidos pela decisão do governo do estado de São Paulo, através da Secretaria de Transportes Metropolitanos e a EMTU, em acabar com o relevante serviço prestado a INTEGRAÇÃO OPERACIONAL TARIFARIA GRATUÍTA entre o TROLEIBUS e as LINHAS MUNICIPAIS, existente há mais de 20 (vinte) anos. Tal disposição, confirmada recentemente, com o encaminhamento de uma notificação dirigida ao Secretário Municipal de Transporte, Ricardo Perez . (doc. Nº. 07)

    O sistema de integração funciona da seguinte maneira: o consumidor que mora, por exemplo no bairro do Eldorado, pega um ônibus e paga pela tarifa de R$ 2,80 (dois reais e oitenta centavos) e tem a opção de desembarcar no terminal de Diadema (centro) e lá de dentro, sem nenhum custo adicional, pode embarcar no trólebus, com destino à estação de metrô do Jabaquara (Capital) ou se dirigir para cidades vizinhas (São Bernardo do Campo ou Santo André). O mesmo ocorre no sentido inverso: alguém que embarque no trólebus, por exemplo no centro de São Bernardo do Campo, paga uma tarifa no valor de R$ 2,90 (dois reais e noventa centavos), pode descer ou no Terminal de Piraporinha ou Diadema (centro) e, uma vez dentro do Terminal, pode embarcar gratuitamente numa das linhas municipais que circulam pelos bairros da cidade, situação esta que aplica também ao terminal de São Mateus no municipio de São Paulo.

    Podemos, concluir, portanto, que o fim deste relevante serviço de integração física, operacional e tarifaria gratuita pode afetar a economia de milhares de consumidores e usam diariamente o sistema de transporte coletivo vigente. Estes usuários, caso a EMTU leve a cabo suas intenções, terão de pagar numa viagem de ida-e-volta, conforme o exemplo dado, R$ 7,70 (Sete reais e setenta centavos) e não R$ 5,70 (cinco reais e setenta centavos), como ocorre atualmente. Trata-se, evidentemente de um aumento abusivo, que não se justifica, e trará um ônus excessivo ao consumidor, pois haverá um acréscimo de 35,09% em suas despesas relacionada ao transporte. Conforme oficio de 23 de novembro de 2011 anexo. Doc nº. 8.

    Juntamos ainda copias de ofícios da Prefeitura Municipal de Diadema, encaminhada a EMTU, por não concordar com as onerações a municipalidade e aos usuários do sistema. (Doc.09, 10 e 11)

    Ademais, há ainda que se lembrar que haverá incidências direta nos encargos sociais dos trabalhadores das diversas categorias, onerando ainda mais as empresas, podendo ainda tais aumentos nos encargos gerar demissões de trabalhadores.

    Ora, se o sistema funciona há mais de 21 anos desta maneira, que motivo haveria para EMTU denunciar o convênio celebrado com os Municípios de Diadema e São Paulo a não ser a busca de uma aumento nos lucros da atual gestora do sistema, a concessionária, Metra – Sistema Metropolitano de Transporte que assumiu a prestação do serviço.

    Pela discussão que vem sendo travada através dos órgãos de imprensa, um dos possíveis argumentos que podem ser apresentados pela Metra é que a eletrificação do corredor e a substituição dos veículos movidos a óleo diesel por outros movidos a energia elétrica gerou despesas que devem ser suportadas pelos usuários do serviço. Caso seja este o argumento, isto não nos parece razoável a medida que caberia à concessionária embutir o custo da eletrificação no momento de formular a proposta encaminhada à EMTU no processo licitatório, ou seja, antes da assinatura do contrato de concessão. O que não nos parece razoável é tentar passar esta despesas para os usuários. Em outras palavras, não cabe à empresa privada apresentar na licitação a vantagem mais vantajosa ao Poder Público – leia-se: tarifa com menor preço – e, após ganhar a concorrência pública, transferir o ônus financeiro da eletrificação do sistema para os usuários, pois trata-se de um investimento que deveria ter sido previsto. Ademais, se há um investimento substancial por parte da concessionária Metra neste momento, este certamente será diluído com o passar dos meses a medida que o combustível utilizado atualmente é muito mais caro do que o sistema elétrico que está sendo implantado, logo, a médio e longo prazo a concessionária deverá não só recuperar o capital investido, como operará com expressiva margem de lucro.

    Uma coisa é certa: se o argumento for este – necessidade de recuperação do capital investido, caberá à EMTU/Metra comprovar através de estudos técnicos a inviabilidade de manutenção do atual modelo após a eletrificação da rede, devendo apresentar, além dos custos atuais para operação do sistema uma projeção dos gastos operacionais após a eletrificação do sistema.

    Conforme reza inciso XXXII do artigo 5º nossa Lei Maior, é dever do Estado, promover a defesa do consumidor. Trata-se de um direito fundamental do cidadão e que reforçado pela regra contida no Título que trata Da Ordem Econômica e Financeira, especificamente, estabelece os Princípio Gerais da Atividade Econômica (inciso V do artigo 170 da CF/88). No caso em tela, a empresa privada, prestadora do serviço público de transporte coletivo e a própria EMTU devem observar os direitos dos consumidores que são os usuários do transporte público em questão.

    Justamente por se tratar de prestação de serviço público remunerado através de tarifa, há de se aplicar o Código de Defesa do Consumidor, Lei 8.078/1990n que traz em seu artigo 6º o rol dos direitos fundamentais do consumidor, nestes termos:

    Assim sendo, os milhares de usuários do serviço público de transporte que são atendidos diariamente pela EMTU/Metra tem o direito de saber os motivos de um eventual aumento da tarifa do transporte coletivo causado pela denuncia do convênio que deve ocorrer em 28 de fevereiro próximo.

    Conforme consta no ofício encaminhado pela EMTU, esta pretende rescindir o convênio a partir de 28 de fevereiro de 2012, portanto, urge a adoção de medidas cautelares para resguardar os interesses dos milhares de consumidores que utilizam diariamente o transporte coletivo em nossa cidade.(DOC. Nº. 07)

    Por ocasião da construção do corredor metropolitano a cidade de Diadema foi rasgada ao meio pelo corredor de trólebus na década de 1980 para implantação do Sistema Metropolitano de Transporte Urbano. Evidentemente, a obra causou impacto negativo, no aspecto urbanístico da cidade que se viu dividida após a conclusão da obra executada pela EMTU. O prejuízo foi ainda maior no centro da cidade. O corredor do trólebus dificulta o planejamento e a organização do trânsito local, logo, nada mais justo que a população seja beneficiada com a integração do Sistema Metropolitano com o Sistema Municipal de transporte coletivo.

    Relatamos ainda que diversas foram as iniciativas populares para encontrarmos o ponto de equilíbrio para a solução definitiva, vejamos:
    Através de abaixo assinado, foi coletado mais de 45 mil assinatura em apoio a continuidade do sistema gratuito de integração, assinaturas estas entregues sob protocolo nas mãos do Exmo. Sr. Presidente da Alesp , deputado BARROS MUNHOZ, para encaminhar ao governo do estado e ao MP; (doc. Nº. 12)
    Realização de Audiência Publica na Câmara Municipal de Diadema, com a presença do Prefeito e vereadores, infelizmente, mesmo avisado com antecedência a EMTU não compareceu.
    Realização de Reunião com Deputados através da Assembleia Legislativa de SP, que requereu AUDIENCIA com o Sr. Secretário de Transportes Metropolitanos que se recusava a receber os moradores;

    Juntamos ainda diversas publicações de balanços e relatórios de diretoria publicados no Diario Oficial do Estado, cujo os resultados positivos e crescentes, inclusive relatam e assinam que a EMTU, aplica a integração operacional e tarifaria gratuita.(doc. Nº. 13, 14, 15, 16,17 e 18).

    Finalizando, a EMTU, no total desrespeito aos consumidores e sem encerrar as devidas negociações e esclarecimentos pertinentes, já instalou as catracas de bloqueio, causando um verdadeiro alvoroço nos consumidores usuários do sistema de transporte, acreditamos que tal atitude trará problemas de ordem inclusive de segurança ao funcionamento de um sistema existente há mais de vinte anos, causando assim desta forma transtornos incalculáveis aos consumidores.

    Dada a urgência e relevância da questão, solicitamos a intervenção desta egrégia Defensoria Publica do Estado de São Paulo para que sejam apurados os fatos e, se necessário, que se proponha ação civil pública competente com escopo de se evitar este aumento abusivo na tarifa de transporte público e garanta os direitos adquiridos dos consumidores cidadãos.

    Atenciosamente,

    MARIA APARECIDA TIJIWA

    JOÃO GONÇALO EUGENIO

    JOSE CARLOS DOS SANTOS ALVES

    À
    Coordenadoria do Núcleo de Defesa do Consumidor
    Defensoria Pública do Estado de São Paulo
    A/C Drº. HORÁCIO XAVIER FRANCO NETO
    Av. Liberdade, 32 – 7º Centro Capital

  8. ja que o assunto do momento é o suposto fim da integração gratuita nos terminais da EMTU, seria interessante questionar o pq do fim da integração gratuita nos terminais de SP

    • Ela acabou porque exuste o direito à integração em qualquer ponto do sistema, basta ter o bilhete único. Assim, nos terminais também há a integração só que passando pela catraca.

      • Bruno Quintiliano // 12 de Fevereiro de 2012 às 18:12 //

        Ailton eu tinha entendido que era sobre os terminais municipais. Sobre a integração com a METRA, é mais uma ação da “gestão nota 10” do Kassab

      • esse lance de que da pra fazer integração em qualquer ponto é conversa pra boi durmir

    • Ailton com o prefeito que SP tem, não dá para esperar outra coisa. Tanto que em São Mateus já implantaram até as catracas para cobrar a tarifa.

    • Edson Ferri dos Santos // 12 de Fevereiro de 2012 às 22:10 // Responder

      Ailton, com o bilhete Único de São Paulo, você realmente pode pegar até 4 ônibus em qualquer sentido e local da cidade em até 3 horas sem pagar outra tarifa, alem da integração com metrô e trem, seria muito legal se o cartão BOM proporcionasse esse tipo de integração também.

  9. Proponho uma ação cívil pública contra esse “achaque” por parte do governo do estado.

    Na eleição para prefeito de São Paulo, o PTralha já está riscado da lista, e o próximo serão os Tucanalhas.

    Te cuida Alckmin que a sua magia não vai durar tanto tempo.

    • Regis Campos, informo que realizamos a denuncia na DEFENSORIA e no MP, foi acolhida na DENUNCIA, transformada em AÇÃO CIVEL PUBLICA CAUTELAR, que culminou com o despacho FAVORAVEL do juiz. YES, temos uma LIMINAR…. Mas a luta continua…

  10. Parabéns pela matéria Adamo…

    Realmente essa administração está sendo um tanto quanto desastrosa!

  11. Kassab O PIOR PREFEITO, PIOR DO QUE PITTA E MARTA… Pois é prefeito Kassab, em 2014 vamos conversar, você vai precisar do meu e dos paulistanos que utilizam o sistema METRA. Alckmin, 2014 a conversa vai ser contigo também, junto com o Jurandir Fernandes o CONTRA-INTEGRAÇÃO.

  12. Em varios atos da populaçao de Diadema contra o fim da integraçao, o governo do estado mandou policiais apaizano como olheiros. Acorda PSDB, queremos apenas manter o nosso direito existente ha mais de vinte anos. A luta continua. Esta semana mais manifestações. Aguardem…..

  13. Ouvindo o prefeito de Diadema horas atrás, foi bom ele se posicionar em tratar a mobilidade dos 39 municípios e não isoladamente. Mas também defendeu algumas gratuidades praticadas.
    Concordo com o Secretário Jurandir que gratuidades são injustas. Deveria haver descontos pela comprovação de habitualidade, horário e finalidade das rotas do usuário e isto exige um Meio de Pagamento Único que possa gerar faturas/relatórios.

    • O imbróglio com a tarifação da baldeação já se arrasta desde outubro do ano passado. Diadema é a única cidade do Grande ABC que não cobra pela integração, e novamente os TUCANOS PSDB, vao na contra mao da historia, o POLITICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA, lei federal 12.587/12, preve a INTEGRAÇÃO DOS DIVERSOS SISTEMAS DE TRANSPORTES COLETIVOS DE PASSAGEIROS. Ademaios a populaçao de Diadema já tem direito adquirido ha mais de 20 anos. Finalizando, os locais onde estao instalados os terminais Diadema e Piraporinha pertecem ao municipio e ainda, o valor que os TUCANOS querem cobrar a mais R$ 2,00 vao para os cofres da METRA e nao do estado. Porque será? Qual o interesse em romper um convenio existente ha mais de vinte anos e em pleno vigor e recentemente RENOVADO? Quanto representa o aumento de R$ 2,00 por passageiro dia em todo o sistema nos terminais Diadema, piraporinha e São Mateus? Tem algo errado nesta estorinha pra TUCANO DORMIR nao acham??? Será que o tucano chefe, governador GERALDO ALCKMIN tem pleno conhecimento do que andam aprontando em seu ninho? Cuidado o povo nao vai aceitar essas bicadas a toa… A população, os movimentops sociais, estão prontinhos para arrancar as penas das aves agorentas se for caso. A LUTA CONTINUA….

    • Caramba, quando a administração pública vai entender, aceitar e trabalhar com – e para – a REALIDADE que NENHUM DOS 39 MUNICÍPIOS DA RMSP É UMA ILHA?!

      Não existe mobilidade “de Diadema”, independente de partido político, da Metra, etc, etc.

  14. Vamos ampliar a nossa mobilizacao pela garantia dos nossos direitos. O governo do estado de Sao Paulo deveria ampliar e melhorar a cada dia o sistema integrado de transportes com integracao tarifaria. O municipio de diadema trocou toda a frota, sao onibus novos adaptados paragarantir o acesso e inclusao de pessoas com deficiencia, garantindo a acessibilidade. Infelizmente o governo do estado SP quer facilitar o aumento dos lucros das milionarias empresas de transportes as custa dessa imposicao tarifaria. Senhor governador GERALDO ALCKMIN, ja nao esta na hora de V.exa. avocar para si essa discussao? A politica nacional de mobilidade urbana lei 12587/12, aprovada e promulgada em janeiro pp., objetiva a integracao entre os diversos modos de transporte, assim como a melhoria na acessibilidade, garantindo o acesso universal e o deslocamento de pessoas atraves das vias, dos terminais, das estacoes, no uso doa transportes publico coletivo municipal, intermunicipal, interestadual, prioriza o transporte publico coletivo de passageiros e cargas estruturado e induz ao desenvolvimento urbano integrado, visa garantir o acesso do cidadao aos servicos basicos e equipamentos sociais.
    Garanti ainda a igualdade no acesso ao servico de transporte, transparencia na estrutura tarifaria e publicidade no processo de revisao.
    Cria regras para a tarifa deficitaria ou superavitaria, subsidio e gratuidade.

    Ao estado cabe promover e garantir a integracao dos servicos de transporte publico coletivo.

    Entretanto, a lei 12587/12 só vale a partir de 12 de abril de 2012.

    Pergunto tambem ao governador. Sera que essa truculencia e pressa nao é em razao deste prazo? Adamo Bazani, parabens pelo trabalho, caso queira, fique a vontade para vontatos em relacao a nossa LUTA PELA CONTINUIDADE DA INTEGRACAO GRATUITA TROLEBUS X ONIBUS EM DIADEMA PIRAPORINHA E SAO MATEUS. Agradeco ainda a cada um que tem somado conosco nessa caminhada. Ao governo do estado, até o presente momento só nos resta o sentimento de angustia e traiçao, desleixo e descaso.

  15. Alexandre Paranhos // 15 de Fevereiro de 2012 às 12:29 // Responder

    Antes da implantação da integração dos onibus municipais com a Metra, haviam várias linhas que faziam o trajeto jabaquara – bairros de Diadema. Se acabar essa integração, acho justo que essas linhas voltem a operar e que a receita da Metra caia drasticamente. Será que eles não percebem que o Inferno vivido no Jabaquara no período da tarde é unicamente em função da integração? Não acredito que eles não tenham lucro com aquele mar de gente!!! Mais uma vez temos destacado um dos piores defeitos do ser humano: GANÂNCIA!

  16. O transporte ja é pessimo, ainda querem tirar essa minuscula vantagem da população. Que incentivo é esse de desafogar o transito?

  17. Que desculpa mais esfarrapada é dizer que o povo faz mau uso do “benefício” porque utiliza para viajar por um ou dois pontos? Que diferença ($) faz se ele desce na próxima parada ou no final? É a arbitrariedade mais pura e simples o que o Estado está fazendo. Povo de Diadema, não desistam da luta!

    • Lilima, concordamos plenamente com você. Agora parece que o governo de SP, (PSDB) quer determinar quanto vc deve andar a pé ou de transporte coletivo. diante de tal fato, pode-se até presumir que eles tem saudade da ditadura, querem arrancar, eleminar direito do cidadão de ir e vir. Entretanto se pagar… Ademais, hoje a EMTU tem em seus quadros uma grande quantidade de coroneis inclusive da reserva que perseguem e maltratam funcionarios, ameaçam e demitem. Sem contar que vários de nossas reuniões para garantir a GRATUIDADE, os coroneis chegaram a ter a cara de pau de mandar olheiros infiltrados, mas foram descobertos e com a educação que nos é peculiar e com a calma e paz que é o MOVIMENTO EM DEFESA DA INTEGRAÇÃO, foi-lhes solicitado que se retirassem pois não eram bem vindos.

      O NOSSO DIREITO DE INTEGRAÇÃO CONTINUA, POIS A JUSTIÇA DETERMINOU.

      AGRADECEMOS SEU COMENTÁRIO.

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Via Trolebus » Cobrança nos terminais do corredor de trólebus do ABC é adiada
  2. Alckmin acaba com integração em Diadema – O Observador Virtual

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: