RIO DE JANEIRO TERÁ MAIS UM BRS NA REGIÃO CENTRAL

BRS Rio de Janeiro

Ônibus no Rio de Janeiro. Cidade recebe mais um sistema de faixa preferencial para ônibus na região central. Há faixas em operação na zona Sul entre Ipanema e Leblon desde a metade do ano. O BRS – Bus Rapid Service não é como o BRT e não oferece segregação total ao transporte coletivo, os pontos são convencionais e não estações que dão mais conforto e agilidade paro passageiro e permite a intervenção de outros veículos na via, mas de acordo com o poder público, é uma forma de dar preferência ao transporte coletivo em locais onde não são possíveis estruturas como de corredores exclusivos. Foto: Fetransport – BRS de Copacabana

Rio terá mais um BRS a partir de quinta-feira
Faixa preferencial para ônibus é a segunda na região central da cidade

ADAMO BAZANI – CBN

A região Central do Rio de Janeiro recebe a partir desta quinta-feira, 29 de dezembro de 2011, o segundo sistema de faixas preferenciais para ônibus, chamado pela Prefeitura de BRS (Bus Rapid Service)
O espaço preferencial terá 1,2 quilômetro de extensão na Avenida Rio Branco e na Rua Araújo Porto Alegre.
Este trecho é compreendido entre a Avenida Presidente Antônio Carlos e Avenida Primeiro de Março.
O esquema é igual ao BRS já inaugurado do dia 17 de dezembro no centro e às outras vias que operam com BRS entre Ipanema e Leblon, na zona Sul da cidade.
O ônibus terá circulação preferencial do início da manhã até a noite. Os pontos de embarque e desembarque não serão os mesmos para todas as linhas. Assim, as paradas serão divididas por grupo de linhas, BRS 1, BRS 2 e BRS 3, para diminuir as filas de ônibus.
Os veículos de passeio ou de carga só poderão circular por um quarteirão pelas faixas para fazerem conversões, caso contrário, estão sujeitos a multas. Táxis podem circular pela faixa preferencial se estiveram transportando clientes.
O objetivo da Prefeitura é ampliar a velocidade operacional dos ônibus, diminuindo o tempo de viagem no transporte coletivo, tornando-o mais eficiente e até atraente para quem usa o carro.
De acordo com especialistas, o sistema ideal seria uma segregação total do transporte público, com o BRT – Bus Rapid Transit – que possui em vez de pontos, estações com proteção do clima, pagamento antecipado da passagem, embarque no mesmo nível do assoalho do ônibus, além de não permitir a interferência de outros veículos, nem de táxis e tão pouco de carros que queriam fazer a conversão.
Mas segundo a prefeitura, nestas vias, não é possível instalar a estrutura de um BRT, mesmo ela sendo simples, pela falta de espaço, e que o BRS é uma solução, ainda segundo o poder público, para dar alguma preferência ao transporte público, diminuindo o tempo de deslocamento das pessoas.
Para a implantação do mais recente BRS, a Prefeitura do Rio de Janeiro mudou o sentido de direção da Rua Senador Dantas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: