Corredor de Ônibus traz benefícios sem gastar exorbitâncias em Pernambuco

ônibus

Ônibus em Recife. Sistemas de BRT, corredores de ônibus, são prova de que é possível oferecer transportes de qualidade, com conforto, reduzir o tempo de viagem do passageiro, a poluição e os custos com o trânsito, atendendo a uma boa demanda sem gastar exorbitâncias que outros modais. O que modais como VLT e monotrilho podem transportar a mais e serem mais rápidos é uma diferença pequena em relação à diferença de custos de implantação, aquisição e operação, não valendo a pena no chamado custo-benefício, segundo especialistas.

Corredor de ônibus vai economizar dinheiro no Recife
Estações que permitem o passageiro pagar a tarifa antes de embarcar no ônibus, que oferecem mais conforto ao abrigá-lo do tempo enquanto aguarda a condução e uma redução expressiva de tempo de viagem a baixo custo

ADAMO BAZANI – CBN

Quando se fala em mobilidade urbana e sua modernização, cada vez mais exemplos práticos mostram que os Corredores de Ônibus, do tipo BRT (Bus Rapid Transit) são alternativas mais compatíveis com as realidades urbana, topográfica e financeira das cidades.
Os corredores de ônibus são de mais fácil e rápida implantação em comparação a meios de transporte de média capacidade, como VLT (Veículo Leve sobre Trilho) e o monotrilho (composição que circula por elevados), tais modais que não transportam passageiros a mais e nem são tão rápidos de forma a justificar a grande diferença de custos de construção, aquisição e operação.
Um monotrilho pode transportar 20% a mais que um BRT, mas chega a custar 200% mais caro.
E no Recife, a opção por corredores de ônibus mostra que a alternativa vai trazer ganhos para passageiros, população em geral e para a economia.
De acordo com cálculos do Governo de Pernambuco, o Corredor Leste – Oeste, pelo fato de tirar mais carros da rua e agilizar os transportes públicos, vai proporcionar economia de um dia inteiro no trânsito no mês. É como se um dia no mês, ninguém saísse às ruas de carro, poupando combustível, o uso de toda a tecnologia para gerenciar o trânsito, peças, motores, evitando desgaste de vias e diminuindo a poluição.
As obras começam nesta segunda-feira, dia 26 de dezembro de 2011, e até março de 2013 devem estar prontas.

SEM EXORBITÂNCIAS COM CONFORTO:

Como um corredor de ônibus moderno de fato, o corredor Leste-Oeste, que vai ligar o Terminal de Integração de Camarigibe ao Derby, com 12,3 quilômetros, ele vai priorizar o transporte coletivo, separando-o do trânsito convencional, e não vai custar exorbitâncias aos cofres públicos: R$ 165 milhões.
O corredor, chamado de TRO (Trânsito Rápido de Ônibus) vai ter estações em vez de pontos convencionais.
Serão 22 estações fechadas que vão proteger passageiros do clima enquanto aguarda a condução. Todas terão ar condicionado e climatizadores.
A exemplo do que já ocorre com outros BRTs, a acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida (deficientes físicos ou não) é uma das características principais.
As estações terão elevadores e rampas e o piso onde os passageiros ficam é no mesmo nível do assoalho do ônibus, dispensando os degraus no veículo.
Cada estação terá uma bilheteria, pela qual o passageiro paga a tarifa antes de entrar no ônibus. Isso permite que o embarque e desembarque sejam mais rápidos e que haja mais espaço no ônibus.
Por conta de um sistema de monitoramento de todos os ônibus, além de maior fiscalização e controle, as estações terão telões que informam a previsão de chegada do veículo.
O transporte público terá prioridade total. Um sistema vai identificar a aproximação dos ônibus e vai dar preferência ao transporte coletivo nos cruzamentos.
Em áreas de maior tráfego de veículos serão feitas obras de intervenção viárias: túnel na Rua Real da Torre, dois elevados na Terceira Perimetral perto do Hospital Getúlio Vargas, viaduto na região da UPA do Caxangá e a possibilidade de um túnel na Estrada dos Remédios.
O tempo de viagem entre o Terminal de Integração de Camaragibe ao Derby será reduzido em até 30 minutos.
A ligação Norte- Sul também deve receber um sistema de BRT maior ainda. Serão 33 estações em 33,2 quilômetros entre o Terminal Integrado do Igarassu e a Estação Central do Metrô de Recife, servindo Abreu e Lima, Paulista e Olinda.
Esse corredor de ônibus será integrado aos terminais Abreu e Lima, Igarassu, Pelópidas Silveira e PE – 15
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

12 comentários em Corredor de Ônibus traz benefícios sem gastar exorbitâncias em Pernambuco

  1. Adamo e amigos
    O sistema de BRT bem planejado como o acima descrito amplia o espaço interno dos veículos, pois, além de não necessitar de espaço para o cobrador dispoe de portas somente de um lado do onibus, permitindo ampliar o número de poltronas a disposição dos usuários.
    Tenho visto muita reclamação dos passageiros de São Paulo sobre os onibus articulados falando da quantidade desproporcional de assentos em relação ao de passageiros em pé, e uma das causas está no fato de possuir portas de ambos os lados.
    Quando falta planejamento a alternativa é improvisar, e quem perde é sempre o POVÃO.
    abraços

  2. não sou ignorante ao chamar(feito um”comentarista inteligente”as avessas)de é bom DESgovernar o Brasil(o caso é em Recife).parabens politicos.seus larápios.pior,é o G1,aprovar essa ignorancia.pois bem,continuo na mesma opinião de q não acredtito nisso.e se sair.só será para a copa.depois,volta ao normal!esses corredores já existem.só vão”maquia-lo”!

  3. Existe um estudo da Odebrecht, que ninguém sabe por onde anda, quando da discussão da proposta de implantação de um monotrilho para os corredores onde serão o BRT, que dizia que em 6 anos o sistema de BRT estará saturado. Interessante é que esse estudo “sumiu” e o sistema de BRT é ovacionado pelo Governo do Estado como sendo uma solução para a mobilidade da Região Metropolitana do Recife. Quem quiser se inteirar mais, pesquise sobre a atual situação do BRT em Curitiba e o Transmilênio de Bogotá, assim vai saber que esse modal não é a solução. Dúvido muito alguém trocar o conforto de um carro por um ônibus, seja lá o que tiver de tecnologia, já um metrô ou trem… é outra história.

  4. Mas a Odebrecht é uma das maiores construtoras interessadas em obras de monotrilho e VLT, que são mais caras, portanto, mais lucrativas para a empresa.
    Assim, acredito que por trás deste estudo há um interesse econômico também.
    E há muita gente também que não trocaria um carro por um trem ou metrô superlotado ou mal planejado.

  5. Amigos,
    Nossa preferência pessoal por determinado modal não nos permite desconsiderar as opções de cada caso e momento.
    Como exemplo lembro sempre da nossa zona leste de S.Paulo que possui, em paralelo, 2 linhas de trem (11 e 12) e 1 linha de metro (3) e não é suficiente para acomodar o número de passageiros em suas composições, e obrigará a prefeitura a construir do lado direito, sentido bairro, um corredor de onibus para complementar e o governo do Estado iniciar o projeto de mais 1 linha de metro (Celso Garcia) do seu lado esquerdo.
    E ainda assim, não acredito que haverá redução do número de automoveis em circulação.
    Uma verdade sobre os transportes Pesados por trilho é que o intervalo entre as estações devem
    ser maiores (por volta de 1 km) enquanto os corredores de onibus operam com distâncias muito menores, podendo melhor atender aos interesses de regiões adensadas ou comerciais.
    Quando temos urgência na solução e com pouca verba, a melhor opção é o BRT.
    Depois, poderá ser complementado pelo melhor modal que a região venha necessitar.
    No caso especifico de Curitiba, temos visto as opiniões de vários técnicos divergindo sobre a necessidade de usar o Metro. A grande maioria entende que os corredores poderiam sofrer melhorias no viário e assim possibilitar maior volume de transporte.

  6. Eu, Marcos Galesi na qual vivo na ZONA LESTE DE SÃO PAULO a mais de 30 anos, sei da carência de transportes que temos por aqui.
    O que me deixa mais chateado, é que o PREFEITO KASSAB virou as costas para quem mora na ZONA LESTE, somos servidos por sistemas de trilhos como CPTM E METRÔ, mas está provado que não é o suficiênte. O KASSAB nos ILUDIU prometendo um corredor para a CELSO GARCIA, que no final das contas, trocou por METRÔ (na qual a prefeitura não tem poder de opinião dentro do metrô e mesmo porque existem linhas prioritárias em bairros que reivindicam metrô por mais de 30 anos como por exemplo a FREGUESIA DO Ó e VILA MARIA sem contar que a mais grave injustiça, é a falta de uma linha de metrô em CIDADE TIRADENTES.
    O que o povo daqui da Zona Leste quer, é chegar em casa mais cedo, e com ônibus mais eficientes, e isso só é possivel com a construção de vários corredores de Ônibus, como por exemplo na marginal tietê ligando a PONTE DAS BANDEIRAS até a PENHA, e o principal de todos, o CELSO GARCIA que há mais de 30 anos foi reivindicado e infelizmente até o presente momento, NADA!!
    Em 2014, a ZONA LESTE vai responder à altura este descaso de GILBERTO KASSAB, EM 2012, TONINHO PAIVA E AQUELES VEREADORES que ILUDEM A ZONA LESTE também terão a recompensa por ter dado as costas para a Zona Leste.

    Eu sempre defendi a integração dos modais, cada modal tem sua aplicação, mas enquanto não chega o metrô, porque não o corredor???
    Após a conclusão da linha 4 amarela, muitos verão a importância real do corredor REBOUÇAS-FRANCISCO MORATO.
    CORREDOR PARA FACILITAR A MICRO-ACESSIBILIDADE, METRÔ PARA FACILITAR A INTEGRAÇÃO E AO MESMO TEMPO MELHOR ACESSIBILIDADE EM GRANDE CAPACIDADE.

    abraços
    Marcos Galesi

    • Galesi
      Perfeita observação sobre Freguesia do Ò e Vila Maria. A antiga linha projetada 19 do Metrô simplesmente desapareceu. Até dos planos, que dirá de ser construída. É inconcebível não haver Metro pesado ao longo da Marg.Tiete, mesmo que não seja exatamente nas margens.
      Mas carência por carência, Robert Kennedy/M´Boi Mirim e Cotia/Raposo Tavares têm, acredito, urgência igual ou maior.
      Me permita discordar do “BRT enquanto Metro não chega”: o planejamento TEM que considerar os dois (fazer junto) pra haver eficiência em megalópoles carentes.
      Zona Leste, acredito muito, só será bem atendida com REDE muito bem planejada. Ainda está pra NASCER o PREFEITO que consiga acordos minimamente competentes trilhos-pneus pra isto ACONTECER.

      A princípio acho corredores sobre pneus de longa distância má solução para megalópoles (ônibus deveria atender localmente, em trajetos sempre curtos, capilares), mas sendo mais leigo e não tendo a sua visão “de dentro”, ficarei atento e de mente aberta à evolução do Rebouças-Francisco Morato.

  7. Junior, José Martins da Silva // 27 de dezembro de 2011 às 04:21 // Responder

    Sou do Recife e esse corredor é o que eu trafego. Já é a terceira reforma em menos de 30 anos. Vi hoje o início da construção da primeira “estação” do BRT. Tudo politicagem, repórteres, engenheiros e claro, políticos, ou seja, iniciou-se a terceira maquiagem do corredor e em nenhuma das últimas duas funcionou satisfatoriamente. Na primeira foram os trólebus, na segunda duplicação de faixa nas paradas e agora as estações para o BRT. Gostaria que fossem para o VLT, mas….
    Como se diz, o barato hoje pode custar caro amanhã, na minha opinião, o VLT, mais caro, claro, seria muito melhor nos dois corredores, mas, os empresários que alimentam os políticos nas suas campanhas têm o “rabo preso”, então BRT e depois da copa, o mesmo de sempre. E quem sabe, na próxima reforma, pois haverá, e ela sendo mais cara, mais caprichada, sem politicagem e empresários enrolados no meio de seus interesses próprios (utopia?), prospere o bem do povo e venha finalmente o VLT.
    É só a minha humilde opinião de quem conhece o local e acredita que nestes dois corredores sitados o VLT seria melhor, sem querer desmerecer o BRT, mas o VLT seria a melhor opção disparado.

  8. Uma RM com o tamanho, população e adensamento urbano de Recife EXIGE trilhos urbanos pra atender a mobilidade.
    Sem partir deste princípio fica vazia a discussão sobre BRT.

    • Luiz Vilela
      Pelo que entendi a linha Norte -Sul interligará a Estação Central do Metro em Recife, tratando-se de integração, dentro do objetivo de alimentar/redistribuir o fluxo de passageiros, com caracteristica de atender a região metropolitana.
      Abraços

      • completando o raciocinio (interrompido pelo meu teclado)…
        E a linha Leste Oeste inicia no Terminal de Metro do Camaragibe, sendo também integradora.
        No futuro, saberemos da necessidade de ampliação desses corredores para outros modais, mas, em minha opinão esta solução é a mais rapida , melhorando o deslocamento em tempo e comodidade, e a menos honerosa para aquela população.
        abs

  9. Junior,José Martins Da Silva:voce melhorou o q este q vos fala havia dito!concordo contigo.essa é a 3a maquiagem de um corredor q JÁ existe.e essa obra,foi aprovada COM RESSALVAS,pelo TCE.pra quem sonhou com 4 corredores,só 1.mas,os caras Não aprendem!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: