Projetos de Pernambuco mostram que Corredor de Ônibus é solução simples e de baixo custo para mobilidade

Ônibus e Mobilidade
Ônibus em Pernambuco. Projeto de Mobilidade do Estado é mais uma prova de que corredores de ônibus podem atender a grandes extensões e demandas sem exigirem recursos públicos em demasia. Os corredores Norte – Sul e Leste – Oeste vão custar em média R$ 150 milhões e um deles terão mais de 30 quilômetros. Outra característica é que, por terem extensão maior, os corredores podem contemplar a região metropolitana e não apenas uma cidade, como boa parte dos projetos, principalmente em municípios que vão sediar a Copa do Mundo. A diversificação das atividades econômicas, o crescimento de algumas regiões além da capital, aumentaram o fluxo de pessoas entre cidades, ampliando a necessidade de redes integradas e transportes metropolitanos.

Pernambuco investe em Corredor de ônibus como solução para mobilidade
Obras vão preparar a Região Metropolitana de Recife para a Copa do Mundo e, a baixo custo, devem ser legados para a população

ADAMO BAZANI – CBN

O Estado de Pernambuco é mais um dos que escolheram corredores de ônibus como opções para melhorar a mobilidade das pessoas, nem necessariamente dispensar outros modais, e preparar a capital para a modernização exigida para que Recife venha a sediar a Copa do Mundo de 2014. Tudo isso, a baixo custo e com grande capacidade de atendimento a passageiros.
A diferença de Pernambuco em relação a algumas outras localidades é que a Copa acabou sendo um motivo para que os transportes fossem aperfeiçoados para a população em geral, não somente para os torcedores, e o plano de mobilidade não contempla apenas a cidade – sede, mas a Região Metropolitana de Recife.
Esse é um dos pontos esquecidos por muitos projetos. As cidades estão cada vez mais interligadas, com atividades econômicas crescendo além dos limites das capitais, o que aumenta o fluxo de pessoas entre municípios. Mas o pensamento metropolitano ainda inexiste em muitas propostas de transportes que só levam em conta as capitais de cada estado.
O governador Eduardo Campos, de Pernambuco, assinou as ordens de serviço para a construção dos corredores de ônibus no eixo norte-sul de Recife e Lese – Oeste da Região Metropolitana.
As obras fazem parte do conjunto de intervenções do Promob – Programa de Mobilidade – do Governo do Estado.
O baixo custo dos corredores mediante a demanda que vão atender é um destaque positivo.
O Corredor Norte-Sul vai exigir investimentos de R$ 151 milhões e o Leste – Oeste custará R$ 145 milhões.
De acordo com o jornal Diário de Pernambuco, os corredores terão os seguintes trajetos e extensão:

Corredor Leste-Oeste: Será responsável pelo transporte dos passageiros que vai da Praça do Derby até o Terminal Integrado de Camaragibe, atravessando a Avenida Caxangá, onde as paradas serão substituídas por estações. Com 12,5 km de extensão, o corredor passará por 22 estações e atenderá aos Terminais Integrados da Terceira Perimetral, que será construído no cruzamento da Avenida Caxangá com a General San Martin; de Camaragibe; e da Quarta Perimetral, na BR-101. Também serão construídos três elevados: um próximo ao Bompreço, da Benfica; outro na Terceira Perimetral, próximo ao Hospital Getúlio Vargas; e mais um no Engenho do Meio. Na Praça João Alfredo, ao lado do Museu da Abolição, na Segunda Perimetral, vai ser construído um túnel e um viaduto será erguido próximo à UPA da Caxangá.
Corredor Norte-Sul: O corredor Norte-Sul passa pelos municípios de Igarassu, Abreu e Lima, Paulista, Olinda e Recife. Terá início no Terminal Integrado de Igarassu e segue até a Estação Central do Metrô, no centro do Recife, passando pela PE-15, pelo Complexo de Salgadinho e pela Avenida Cruz Cabugá. O percurso de 33,2 km vai ter 33 estações interligadas a quatro terminais também integrados: Igarassu, Abreu e Lima, Pelópidas Silveira e PE-15. Além disso, um viaduto e um elevado serão construídos nos Bultrins. Outro elevado será erguido em Ouro Preto. A obra do Norte- Sul será concluída em 18 meses.

De acordo com especialistas, os corredores de
ônibus acabam sendo alternativas eficientes para aumentar a velocidade dos deslocamentos urbanos sem a exigência de grandes quantias de recursos públicos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.