ÔNIBUS HÍBRIDO ENSINANDO FUTURAS GERAÇÕES

ÔNIBUS ELÉTRICO HÍBRIDO

Ônibus elétrico híbrido da Metra, empresa operadora do Corredor ABD,entre parte da zona Leste de São Paulo e parte da zona Sul, servindo municípios do ABC Paulista. Os primeiros passos em relação à preservação ambiental e da própria vida humana já foram dados. Mas é necessário continuar a caminhada. E uma das formas disso é conscientizar as futuras gerações e profissionais sobre a importância do tema. Por isso que a Metra e a Eletra (empresa fabricante de tecnologia limpa) vão mostrar aos alunos da Fatec, faculdade de tecnologia de São Bernardo do Campo, o funcionamento deste tipo de ônibus e como a tração ele´trica em transportes pode ser importante para o combate a poluição e a possibilidade de uma vida com mais qualidade nas cidades. Foto: Adamo Bazani

Elétrico Híbrido do ABC vai ser destaque em feita de tecnologia
Objetivo é despertar a consciência de futuros profissionais sobre a importância dos transportes que respeitem o meio ambiente

ADAMO BAZANI – CBN

Os primeiros passos para uma nova consciência sobre a preservação do meio ambiente já começaram. São projetos, associações, ações simples ou mais complexas que exigem investimentos cada vez mais presentes no dia a dia das pessoas e das empresas.
Mas para que o meio ambiente e o ser humano sejam de fato preservados, é necessário continuar esses passos.
E uma das formas para isso é orientar e capacitar crianças, jovens e futuros profissionais.
É justamente isso que a Eletra (empresa que produz tecnologia para transportes limpos) e a Metra (operadora do Corredor ABD, que liga São Mateus ao Jabaquara, na Capital Paulista por municípios do ABC) vão realizar entre os dias 16 e 19 de novembro, durante a Semana da Tecnologia da Fatec de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.
Será mostrado através de palestras, apresentações teatrais (como as realizadas dentro dos ônibus) o valor do meio ambiente, da educação e do transporte coletivo para a melhoria da qualidade de vida da população (ao poder substituir vários veículos de passeio, desde que o sistema seja atraente para o usuário, como pela operação em corredores exclusivos).
O destaque fica para a apresentação de um modelo de ônibus elétrico híbrido, que operar com uma pequena quantidade de diesel e com energia elétrica gerada pelo próprio funcionamento do ônibus.
Os alunos não só verão o veículo, mas o estudarão.
O palestrante será José Antônio do Nascimento, diretor comercial da Eletra, e especialista em ônibus de tecnologia limpa.
O objetivo é valorizar a importância da tração elétrica nas cidades, como forma de combater a poluição, tanto do ar, como a sonora, já que os ônibus com este tipo de operação são bem mais silenciosos até que os mais modernos movidos a diesel.
A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – vais apresentar também detalhes sobre outro ônibus que reduz significativamente os níveis de poluição: o movido a hidrogênio, que está em testes pelo corredor ABD entre São Mateus (zona Leste da Capital Paulista), Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo, Diadema e Jabaquara (zona Sul de São Paulo).
A Eletra e a Metra foram as primeiras empresas a colocarem em operação comercial um ônibus Elétrico Híbrido. Foi em 1996, quando começou a circular um veículo chassi Volvo B 10 M, Marcopolo Viale, articulado.
A Metra também opera ônibus movidos a Etanol e trólebus, totalmente a eletricidade, que não emitem poluição atmosférica durante o funcionamento. Em breve a empresa deve inovar com a chegada de veículos elétricos mais modernos e maiores, com baterias armazenadoras que conferem mais autonomia aos ônibus e de 15 metros.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

1 comentário em ÔNIBUS HÍBRIDO ENSINANDO FUTURAS GERAÇÕES

  1. Híbridos elétricos são o melhor que a tecnologia oferece hoje. Quase todas as principais montadoras estão desenvolvendo.

    Parabéns a Metra, Eletra e FATEC.

    Pra variar, fica faltando SPTRANS e Prefeitura assumirem – minimamente que fosse – suas responsabilidades com redistribuição de frotas, terminais de integração com metroferroviários, BRTs REAIS e os primeiros VLTs.

    Um colega que acaba de chegar 1 1/2 hora atrasado devido ao protesto na M´Boi Mirim me fala da linha “Jardim Ãngela-Ana Rosa”. Precisa explicar mais?! Alguém me dê um único motivo para a existência de uma rota assim na RMSP e noséc. XXI.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: