Comitê Olímpico Internacional se agrada de estação de BRT

BRT Transoeste

Prefeito Eduardo Paes mostra ônibus de BRT (Bus Rapid Transit) para membros do Comitê Olímpico Internacional. As obras de mobilidade têm de ser pensadas não apenas para um evento esportivo ou mesmo uma ocasião como um grande show internacional, mas para a população como um todo, a que precisa de transportes no dia a dia. Mas é inegável que os comitês gestores estão acompanhando mais de perto as obras de infraestrutura onde vão ocorrer os eventos. E neste caso, o BRT tem se mostrado uma solução eficiente e economicamente responsável, pois com mesmos recursos de outros modais, podem ser feitas obras em áreas de maior extensão, com mais flexibilidade e até mesmo atender um número maior de pessoas. E isso tem agradado tanto gestores públicos como os organizadores de eventos internacionais. Foto: Prefeitura do Rio de Janeiro.

COI visita estação de BRT no Rio de Janeiro
A cada três meses, Comitê Olímpico Internacional visitará o Brasil para acompanhar obras de infraestrutura para os jogos de 2016
ADAMO BAZANI – CBN
O sistema de BRT – Bus Rapid Transit, corredores para trânsito rápido de ônibus, é hoje considerado por especialistas do mundo todo como uma das principais soluções para os problemas de mobilidade nos médios e grandes centros urbanos e também para a preparação destas cidades para receber eventos de grande porte como a Copa do Mundo e as Olimpíadas.
Obviamente que os investimentos em transportes devem ser feitos não para um evento mundial e sim para toda a população, para o seu dia a dia.
Mas as principais entidades esportivas exigem uma infraestrutura de mobilidade.
E cada vez que se aproxima a data dos jogos da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, estas entidades estão mais atentas ao andamento nas obras no Brasil.
A preocupação das entidades internacionais é quanto ao prazo de finalização destas obras.
E neste aspecto, o BRT tem se mostrado vantajoso, além de poder deixar por um custo menor que outros modais, como VLT e monotrilho, benefícios semelhantes como legado.
É claro que o VLT e o monotrilho podem ter suas aplicações específicas e vantagens específicas e não devem ser sumariamente rechaçados, mas em linhas gerais, os projetos de BRT têm se mostrado eficientes e financeiramente mais compatíveis com a realidade das cidades.
Nesta terça-feira, dia 08 de novembro de 2011, representantes do COI – Comitê Olímpico Internacional, estiveram na segunda estação-modelo que foi apresentada para o sistema de BRT Transoeste.
O Transoeste deve estar pronto até a metade do ano que vem e vai ligar Santa Cruz e Campo Grande à Barra da Tijuca, com terá 64 estações, a exemplo da apresentada nesta terça-feira ao COI.
As estações trazem os mais modernos conceitos de corredores de ônibus de BRT: há possibilidade do pré-embarque, que é o pagamento da passagem antes da entrada no ônibus, o que diminui o tempo de parada do veículo, aumentando a velocidade operacional, acessibilidade, sem a necessidade de degraus para o embarque já que o piso da estação está no mesmo nível do assoalho do ônibus, informações aos passageiros, com telões e painéis que exibem horários e linhas, aproveitamento de energia elétrica e maior proteção contra sol, chuva e vento, por serem fechadas, mas permitirem mais iluminação natural.
O COI se agradou do modelo da estação do Transoeste.
Além deste sistema, o Rio de Janeiro terá outros três corredores BRTs: TransOlímpica, Transcarioca e TransBrasil.
O Rio de Janeiro também promete investir na ampliação dos BRSs _ Bus Rapid Service (faixas exclusivas de ônibus, mas não totalmente segregada do tráfego dos demais veículos) e na modernização da linha 4 do metrô.
Além do sistema, os integrantes do COI se agradaram dos veículos.
Os ônibus de BRT, articulados, além de ofereceram maior espaço e capacidade de transportes, são dotados de equipamentos modernos de conforto, segurança e acessibilidade, que vão desde lâmpadas internas de leds, sinalizadores sonoros para indicar ao motorista que um portador de necessidade especial vai descer na próxima estação, monitores de TV até computadores de bordo que mostram ao motorista e a uma central de monitoramento eventuais problemas em tempo real que pode proporcionar ações rápidas e evitar transtornos.
Outras cidades também anunciaram planos para BRT, independentemente de sediarem ou não jogos da Copa.
Nesta terça-feira, a prefeitura de Belém anunciou que até o final deste mês deve abrir uma licitação para construção de um corredor de ônibus de trânsito rápido.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em Comitê Olímpico Internacional se agrada de estação de BRT

  1. A estação parece bastante boa. Vamos aguardar mais fotos.

    E alguém saberia dizer qual modelo de ônibus está aí na foto? Nessa parte dele que é visível na foto ele é muito parecido com um metrô. Aliás, a estação também. Seria um Viale BRT ou Mega BRT?

    Se todas as estações e ônibus de BRT fossem assim acho que a população começaria a ver que sistemas com ônibus podem ser bons, bonitos e eficientes.

  2. A logística da estação parece ótima, com usuários se deslocando no mesmo nível de piso e sem pagamento dentro dos ônibus.

    Apenas considero que uma característica vantajosa do BRT é a capacidade de redefinição de paradas e linhas de acordo com a evolução da demanda na região da rota. A estação da foto parece um bocado imóvel neste sentido. O que não impede que seja parte de estação de intergração com outros modais e, assim, mais fixa.

    Sob qualquer ponto de vista é importante evolução. No lugar certo, na hora certa e sob administradores públicos que vêm demonstrando engajamento, criatividade e disposição com as difíceis questões do RJ

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: