SÓ METRÔ NÃO RESOLVE PROBLEMAS DE TRÂNSITO E TRANSPORTES DE SÃO PAULO

lotação metrô

Estações da linha 4 Amarela do Metrô já nascem com superlotação. Um dos motivos é a concentração dos serviços de transportes. O secretário estadual da área, Jurandir Fernandes, admite atrasos na conclusão das estações, que elas não foram inauguradas completas e que os deslocamentos só serão garantidos plenamente aos cidadãos se forem ampliados os corredores de ônibus.

Só expansão do Metrô não dá conta dos problemas de transportes em SP
Secretário de Transportes Jurandir Fernandes admite atrasos em obras e diz que mais corredores de ônibus são essenciais

ADAMO BAZANI – CBN

O Secretário dos Transportes Metropolitanos, do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes, admitiu que só a expansão do Metrô não é suficiente para atender toda a demanda de passageiros de São Paulo e Região Metropolitana tão pouco para resolver os problemas de trânsito na Capital e Grande São Paulo.
Em matéria publicada pelo jornal O Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes admite que nem as 11 obras metroferroviárias que devem estar em andamento até a metade do ano que vem vão dar conta de resolver os problemas de trânsito da capital.
Jurandir Fernandes declarou que é necessário investir em corredores de ônibus.
E a lógica relatada pelo secretário é simples. Não há tempo suficiente e nem condições de o metrô atender a toda cidade e região metropolitana. As obras são caras, lentas e o metrô não pode ser levado, por questões técnicas e geográficas a todos os lugares.
O Metrô deve servir às principais regiões e as chamadas linhas troncais, de grande demanda que necessita e justifica investimentos tão altos e obras tão complexas.
Todo o sistema de transporte deve ter capilaridade, ou seja, deve atender à cidade como um todo e contar com serviços não apenas alimentares das linhas tronco, mas complementares a elas.
Assim, investir em metrô sem ao mesmo tempo investir em sistemas complementares que privilegiam os transportes públicos é um descompasso. Nesta linha de raciocínio, a tão necessária expansão do Metrô deve ser acompanhada com crescimento proporcional dos corredores de ônibus.
E quando se fala em corredor de ônibus, não são apenas faixas pintadas na rua convencional. Trata-se de pistas segregadas do trânsito convencional com pavimento adequado ao peso dos ônibus e características, como pagamento da tarifa antes do embarque e estações e paradas que proporcionam acessibilidade a todos. Esse tipo de corredor garante velocidade aos ônibus que podem ser mais confortáveis e com mais tecnologia por não serem expostos aos riscos de danos que o pavimento comum (ruas e avenidas mal conservadas) oferece.
No Brasil, há bons exemplos de BRTs (Bus Rapid Transit), estes tipos de corredores de ônibus de trânsito rápido, como o sistema de Curitiba e região metropolitana, pioneiro no mundo, e o Corredor ABD, entre as zonas Sul e Leste de São Paulo, passando por municípios do ABC Paulista e operado pela empresa Metra.
A linha 4 Amarela, do Metrô, que teve recentemente mais duas estações inauguradas (Luz e República) e o horário de funcionamento ampliado, agora atendendo das 04h40 à meia noite, é prova de que o sistema de transportes deve ter ofertas distribuídas e não concentradas. Até os corredores das estações estão lotados, o pico de passageiros chegou a 405 mil pessoas em um dia na linha, e a travessia entre as estações Paulista e Consolação não era feita em menos de 15 minutos.
Jurandir Fernandes disse que enquanto a linha Lilás não estiver concluída, a lotação da linha 4 vai demorar pelo menos outros três anos para ser resolvida:
“Por que estamos sofrendo hoje com as estações Paulista e Consolação? Porque a linha 5 atrasou. Se ela estivesse pronta, como era previsto, a população da zona sul teria mais opções e não desembocaria todo mundo na linha 4”, explica. “Com o atraso, ainda vamos passar aí mais uns três anos com lotação.”
As estações Sé e República parecem ter nascido já saturadas. Tanto é que o Metrô teve de adotar algumas soluções paliativas que faz em algumas outras estações nas linhas mais antigas, como direcionar para um sentido só o funcionamento de escadas e esteiras rolantes.
Jurandir Fernandes nega, no entanto, que as estações foram mal dimensionadas.

GOVERNO ADMITE ATRASOS:

Jurandir Fernandes admitiu que não será possível entregar cinco estações da linha 4 Amarela do Metrô até 2014. Deve haver atrasos na conclusão das obras e a preocupação maior é com a estação Vila Sônia:
“Nossa meta com bastante aperto é 2014. Higienópolis-Mackenzie, Fradique, Oscar Freire e São Paulo-Morumbi, já em obras, têm mais chance de ficarem prontas. A que fica com data sob risco é a Vila Sônia, que é totalmente nova”
Mesmo sendo inauguradas com quatro anos de atraso do previsto, as estações já em operação da linha 04 não atendem ao prometido.
Não há banheiros públicos, como na Sé e na República, da linha Amarela e o sinal de celulares prometido pela empresa operadora ViaQuatro não existe ainda. São promessas que ainda não têm data para serem cumpridas.
A estação Pinheiros também tem outro problema: o terminal de ônibus prometido para funcionar ao lado não está pronto.
A obra é de responsabilidade da Prefeitura de São Paulo e oferecia conexões entre carros, ônibus municipais, ônibus intermunicipais e o metrô.
A Prefeitura, também sem dar datas para a conclusão, se limitou a dizer que 50% das obras estão prontos e que o restante vai depender de uma licitação.
Ainda de acordo com a reportagem de O Estado de São Paulo, o secretário disse ainda que mais duas empresas manifestaram interesse em participar da Parceria Público-Privada (PPP) para a construção da Linha 6-Laranja. A Odebrecht, uma das maiores construtoras do Brasil, encaminhou uma proposta em setembro e, por isso, o Metrô publicou um edital com regras para outros interessados. A Camargo Corrêa e um consórcio coreano seriam os demais competidores.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

38 comentários em SÓ METRÔ NÃO RESOLVE PROBLEMAS DE TRÂNSITO E TRANSPORTES DE SÃO PAULO

  1. Até que enfim uma autoridade dos transportes de São Paulo vaí a público falar a verdade.
    E fala que o problema é justamente em um corredor de onibus ineficiente (o de Santo Amaro/9 de julho). Disse que prefeitos não deve investir no metro sem antes fazer sua obrigação principal, ou seja, investir no transporte por onibus.
    Sabemos que os corredores de São Paulo não tem objetividade, perdendo velocidade por excesso de linhas e outras coisas arcaicas, como manter cobrador nos veículos, falta de integração capilar etc., justificando neste caso, a preferência dos moradores da região da linha 5 do metro em buscar a linha 4 com baldeação pela linha 9, não continuando, o que foi normal até então, transferir-se no largo 13 de maio para o corredor de onibus.
    Espero que suas palavras não lhe custem o cargo, no qual tem se desempenhado muito bem.
    E que nossos prefeitos acordem para a realidade, especialmente ña Capital de São Paulo.

    • Puxa Jair, “antes todos os ônibus… depois Metrô” é a teria do (alguns intergrantes, certamente) Ministério Público.
      Tem que ter planejamento competente, tão desassociado quanto possível de interesses políticos de ocasião.

  2. Bruno quintiliano // 10 de outubro de 2011 às 01:59 // Responder

    finalmente alguem do governo defendendo a necessidade de corredores de ônibus. quanto à linha 4 do metro seria legal uma reportagem sobre ela (as falhas que ela tem apresentado), em número muito maior que as outras (prova de que não dá pra sair privatizando tudo)

  3. Sim, admirei a postura de Jurandir Fernandes. Sabemos que o metrô é sim o transporte de maior capacidade e velocidade, mas chega a ser irritante o fato de ao serem entrevistadas, algumas autoridades só falam em metrô, metrôm metrô, como se o metrô fosse solução parfa tudo e saísse do papel num passe de mágica, Jurandir disse a verdade: o metrô é essencial, mas os corredores de ônibus, que eleitoralmente não são tão glamourosos são tão essenciais quanto, se forem planejados junto com o metrô. E ENTRE NÓS, QUE DIFERENÇA DO GOVERNO DO ESTADO E DA PREFEITURA DE SÃO PAULO E ALGUMAS DO ABC…falta lucidez no discurso e nas práticas principalmente

  4. é melhor nem responder a você, e ao secretário que devem viver dentro de uma caverna, com o todo respeito. Essa entrevista foi uma incompetência do secretário. Quero ver ele ter peito de construir uma linha de BRT aqui em São Paulo, aí sim vou sair nas ruas com a população revoltada pelo tapa-buraco que ele fez ao invés de colocar metrô aí no dia seguinte ele não é mais secretário de nada. Manda ele andar num ônibus biarticulado lotado , á Diesel, todos os dias pra ver se ele vai gostar. Muito me entristeceu seu texto Adamo.

    • Samuel, eu relato fatos aqui, como a deeclaração do Secretário e como o fato; NÃO DÁ PARA COLOCAR METRÔ EM TODA A CIDADE DE SÃO PAULO.
      Se você apontar soluções para levar o Metrô em áreas de demanda que não justifiquem investimentos altíssimios e principalmente em lugarfes, como de revelos irregulares ou com pouca margem para intervenções, aí tudo bem, estamos de acordo com você.

      Sendo assim, meu objetivo é relatar o que ocorre e não alegrar ou entristecer ninguém.

      • Tudo bem, Adamo. Mas é duro ler um monte sobre Metro 20 Rosa exclusivamente para áreas nobres e NADA para Robert Kennedy/M´Boi Mirim.

        Ou M´Boi não justifica investimento altíssimo?

        PPP não pode ser passaporte para interesses privados antecederem os públicos.

  5. O metrô não é a tábua de salvação, o que existe é só medidas paliativas, o corredor de ônibus pode ser uma solução, mas não é tudo, o que é necessário para melhorar o transporte em definitivo, é a criação de novos centros empresariais e novos shoppings nas periferias para gerarem novos empregos. O problema é que os governantes sabem disso, mas é preciso deixar o metrô bem lotado para gerar receita para a construção de novas linhas. Se não tiver demanda, não há como construir novas estações, creio que isso é muito claro, pelo menos para mim. O CONFORTO do futuro, sempre será às custas do DESCONFORTO de hoje.

  6. PENA QUE O KASSAB NÃO LÊ O BLOG PONTO DE ÔNIBUS porque se fosse leitor, iria saber que o corredor CELSO GARCIA é primordial para a população do ITAIM e REGIÃO.
    Em vez disso, está é COZINHANDO O GALO, em vez de construir ao menos 1Km de corredor.

  7. Bom dia amigos.

    Ouvi, na Rádio Band News, este político avalizando as razões pelas quais a linha recém inaugurada do Metrô ficou paralisada uma manhã, e das razões pelas quais NÃO haveria multa para a concessionária. Foi um excelente cartão de visitas para quem nunca tinha ouvido falar deste cidadão. Ele tratou o ouvinte como um imbecil e, mais um pouco, ele iria afirmar que o passageiro do Metrô era o culpado pela inoperância da Nova Linha do Metrô.
    Uma pessoa que compara o Metrô a um eletrodoméstico não está dentre aquelas que gosto de ouvir sobre transportes.
    Os políticos atrapalham o nosso país.
    Saudações

  8. Amigos, bom dia

    Mais uma previsível.

    A operação da linha 4 não é intere$$ante, em breve ela será repassada ao
    Estado.

    Anotem ai; 10.10.11 as 8:05hs

    Muito obrigado
    Paulo Gil

  9. O Secretário está redondamente errado na minha concepção, é só reorganizar os corredores atuais, e construir os primordiais na zona leste que está ótimo.

  10. Bruno quintiliano // 10 de outubro de 2011 às 12:15 // Responder

    Ou é né?
    ela foi entregue as pressas pra servir de propaganda eleitoral e, com isso, feita sem os cuidados necessarios (= menos gastos), lotada, pode operar de qualquer jeito que não vai tomar multa. Se a população não cobrar vai ficar igual a área 5 da EMTU, em nível de qualidade.

    • Pessoal

      As vezes o Jurandir Fernandes é coerente em suas respostas,vamos fazer um breve balanço das administrações.

      Adm. Paulo Maluf foram entregues as estações Sé, Brás,Bresser, Belém e República
      Adm.Franco Montoro Anhangabaú e Sta Cecília
      Adm.Quércia Tatuapé até Itaquera e logo após estação Barra Funda e inicio da linha 2 verde.
      Adm.Fleury — Não tenho conhecimento
      Adm.Mario Covas – Sem conhecimento
      Adm.Alckmin – inicio da linha 4 do metrô
      Adm.Serra- Entrega oficial das estações Sacomã, Alto do Ipiranga Tamanduateí e V. Prudente entrega das estações Faria Lima e Paulista da linha 4 e inicio da Construção do Expresso Tiradentes
      Adm.Alckmin- quem puder relate o que ele fez.

      Conclusão: De todas as administrações, quem fez mais metrô??? Se observarmos há governadores que não investiram 0,0000001 centavos no metrô por isso é necessário se tirar o atraso. A grande pergunta: COMO????
      Então, com todos os defeitos que tem o Jurandir Fernandes, ele está fazendo o que ele pode, o problema é que ele recebe ordens e ele tem que obedecer as ordens, sem contar que existe orçamento para obras desta magnetude.

      Abs
      Marcos Galesi

      • Caro Galesi
        Fazendo o que pode sobre trilhos, inclusive promovendo bem o modal.

        Mas sobre pneus… Vejamos o que ele fará NA PRÁTICA com a constatação pública que corredores de ônibus são indispensáveis.

  11. Bom e corajoso texto.
    Não adianta estigmatizar a Metro 4 Amarela, o importante é PRATICAR o conceito de REDE. O que exige, na RMSP, não apenas BRT como linhas locais com ônibus menores e mais ágeis. Melhor ainda os detalhes de PRÉ EMBARQUE e PISTAS ADEQUADAS. Só faltou falar das plataformas de embarque no nível do piso do ônibus, pra não se perder tempo precioso subindo e descendo escadas.

    A conversa poderia continuar em quem foi ajudado e quem foi prejudicado, como e porquê, com estes 400 mil usuários/dia da Metro 4.

  12. Galesi
    Nosso prefeito pode não ler este Blog, mas, lerá o Estadão certamente (ou sua assessoria) e verá a cr´tica do Secretário aos prefeitos que se escondem com possiveis aplicações financerias no Metro, deixando de lado sua obrigação de fazer funcionar corretamente os corredores e implantar novos, como os corredores Celso Garcia e M’Boi Mirim que passou para o Estado fazer metro algum dia.

  13. A Assesoria vê o Blog sim. Já até recebi “comentários” deles. Agora se passam para o Kassab, eu não sei

  14. Amigos, bom dia.

    Tendo em vista a inexistência de administradores com visão de futuro [Por ex. Prestes Maia, Faria Lima e Olavo Setúbal]; todas as obras desta cidade já nascem saturadas, portanto não adianta chover no molhado.

    Quanto as “megas” estações do metro e Terminais [Sé, Brás , Luz, República], há alguns
    comentários passados eu já disse que não servem pra nada e não devem ser feitas, e havia
    dado a sugestão da linha 4 ter de finalizar na Praça Júlio Prestes; mas fazer o que né.

    Sem contar que a estação Sé II (aéra) já devia estar pronta.

    Foram fazer o metrô no trajeto do Buzão; enquanto for seguido o CMTC sistem, já era.

    Acordem já estamos em 2012.

    Muito obrigado
    Paulo Gil

    • Paulo Gil
      Você poderia descrever um pouco esta idéia de “Sé II aérea”?!

      É operacionalmente interessante e técnicamente possível evitar grandes nós centrais, como a Sé. Mas não tem como evitar nós, inclusive integrando ônibus a metrô. Jurandir Fernandes alega não poder construir estações enormes agora que fiquem com espaço ocioso no futuro; deveria haver soluções logísticas provisórias melhores, algo como os “terminais provisórios” de aeroportos.

      • Luiz Vilela, boa noite

        Particularmente eu não embarco na Sé no horário de “rush”, pois me nego a ser submetido a tal situação, bem como sou da opinião que metrô subterrâneo é desnecessário num país como o Brasil ( principalmente debaixo de rio – Rio Pinheiros), principalmente pelo elevado tempo e custo de construção e manutenção.

        Veja como as pontes são construídas rapidamente, a exemplo do complexo viário Anhanguera.

        Considerando-se a ponte que liga a Marginal Tietê à Av. Cruzeiro do sul , a qual ao meu ver foi um furo n´água, pois não vejo movimento na mesma, se eu estiver errado que a CET e a-PMSP me corrijam.

        Pois bem ,minha idéia da “Sé aérea” é a seguinte:

        Linha azul

        Faria uma estação aérea no Parque D. Pedro II ou Glicério, podendo daí surgir um novo ramal (também aérea)até o Jabaquara sob a 23 de Maio podendo até servir o Congonhas.

        Linha Vermelha

        Faria uma estação aérea também no P. D Pedro II ou Glicério, podendo daí surgir um novo ramal (também aérea), para a Barra Funda, sob a Av. do Estado e Av. Marques de São Vicente, ou sob a linha da CPTM – Júlio Prestes-Itapevi.
        Também já sugeri à CPTM estender a linha (Itapevi Júlio Prestes), até o Parque D. Pedro II.

        São idéias, pois quando me deparo com as aberrações e a saturação do sistema, sempre as tenho, no intuito de que todos tenham uma vida mais saudável.

        Não tenho poder para realizá-las, por isso as divulgo aqui blog Blog, o qual tem sido uma tribuna democrática aos amantes do Buzão.

        Novas idéias, críticas e sugestões serão sempre bem vindas; pois o importante e resolvermos os problemas que vão aparecendo e não deixa-los sem solução.

        Penso diferente de você; melhor um corredor “meia boca” igual ao que foi feito no RJ do que a Vital Brasil congestionada.

        Precisamos também é de dinamismo, afinal quantas linhas ainda de sobrepõem sob a linha 4.

        Esta inércia é que denomino de “CMTC – System”.

        Desculpe se me alonguei; afinal me empolguei

        Muito obrigado
        Paulo Gil

  15. Insistindo no ponto comentado acima e ajustando – de 400.000 para 450.000 usuários/dia: de onde veio este fluxo todo em tão pouco tempo? Como esta gente toda se locomovia antes das estações República e Luz da Metro 4 Amarela? Que modais usavam?

    Acredito que estas respostas possam ajudar a definir ações mais eficazes.

    • Luiz Vilela, boa noite

      Não tenho como questionar os números; mas uma coisa é fato:

      É melhor se locomover de metrô (seja lá qual for – preto, branco 7, 8 ou 9), do que utilizar um Buzão sujo , apertado e aos trancos e solavancos.

      Daí a obvia demanda e a óbvia “embolação” de passageiros nas mega estações.
      Já estou pensando nas futuras estações LUZ-III; República III e Júlio Prestes–Fênix ; aéreas é claro.

      Muito obrigado
      Paulo Gil

  16. Paulo Gil
    Obrigado por apresentar sua idéia de linhas aéreas e desculpe a demora na resposta.

    Entendo que você fala de Metrô pesado; então seriam viadutos do tipo Metrô 1 Azul na Tietê e Metrô 5 a Campo Limpo..
    Questão muito importante nesta solução é impacto ambiental. Se a aplicação não for extremamente bem feita, o entorno sofre importante degradação. Portanto seria para algumas regiões específicas. Pessoalmente acho que na Radial Leste ficou razoável; mas também pode ser porque já havia a ferrovia segregada há décadas. Nosso Minhocão é um exemplo desta solução mal aplicada.

    Quanto ao Parque D. Pedro, o PITU tinha a linha Metro 18 que vinha pelo Ibirapuera, Bixiga até o Mercado Municipal. Pelo jeito morreu, porque 18 já tem até nova rota proposta noutro canto. Mas tem o super-plano bilionário de revitalização da área do D. Pedro, Anhangabaú (trecho de avenidas desde o Viaduto Sta Ifigênia até a Senador Queiroz seria enterrado), Lgo da Bandeira até a – demolição do viaduto da – Pça 14 Bis (olha a degradação de viaduto de novo…). Mas nada li sobre como as ferrovias iriam ficar no meio desta enorme obra.

    Volto a agradecer a exposição das suas idéias e concordo muito com “Novas idéias, críticas e sugestões serão sempre bem vindas; pois o importante e resolvermos os problemas que vão aparecendo e não deixa-los sem solução”

    Um abraço,
    Luiz Vilela

    • Luiz Vilela, boa noite

      Não há o que desculpar, o importante é dialogarmos e trocarmos nossas idéias.

      Exatamente, você captou a mensgem.

      Olha, na questão revitalização eu sou cético, implodiria tudo e começaria tudo novo;
      demorou, mais foi esse o fim do São Vito; é assim que eu penso.

      O centro de Sampa, mais degradado impossível; portanto implosão nele, pois chega num ponto que o custo benefício não compensa e fica cada dia mais degradado, veja por
      exemplo alguns imóveis da região da Santa Efigênia / Luz.

      Outra idéia que sempre tive, é fazer um túnel da estação da Vila Madalena do Metrô
      até o cemitério da Lapa e depois viadutos pelas Avs, Queiroz Filho, Jaguaré, Politécnica
      até Itapecirica da Serra ou São Bernardo do Campo; pronto já teriamos metrô no
      Taboão e além Taboão.

      Ah e não esqueçamos da Júlio Prestes Fênix!

      E sempre mantedo o lema:

      “Novas idéias, críticas e sugestões serão sempre bem vindas; pois o importante e resolvermos os problemas que vão aparecendo e não deixa-los sem solução”

      Muito obrigado
      Paulo Gil

      • Paulo Gil
        O projeto original da Metro 2 Verde iria da vila Madalena à Lapa; só não sei se até a CPTM Lapa, que aliás está com bons e grandes projetos em promessa.

        Sim, sim e sim, apoio com louvor a rota desde a Lapa pelo Jaguaré a Itapecerica, integrando com a Metro 4 Amarela.

        Inclusive porque seria mais uma importante e oportuna porta de acesso para o super-falado e nunca-confirmado monotrilho a Cotia.

    • Luiz Vilela, boa noite

      Espero que este projeto original tenha sido deletado.

      É o velho e conhecido “CMTC System”; Vila Madalena – Lapa” pra que?

      Da estação CEASA da futura, digo imaginária, linha VIlaMada-SBCampo, seguira outros viadutos até Cajamar passando por Remédios, Pirituba futura e imaginária linha “CC” Cajamar Ceasa e aproveitando o embalo seguiria para o lado esquerdo até o Largo 13 passando pelo Largo da Batata.

      E sem dúvida incluiria ai Cotia até Sorocaba.

      Mas como diz um tio meu, o sistema funciona todo dia na seguinte toada.

      “Nóis fumo, nóis fica, nóis vai”

      Num decola.

      E por falar em decolar e os trilhos para Guarulhos; quando será?

      Falando eu Guarulhos vou deixar aqui uma questão extra. Alguém poderia me
      explicar porque ninguém ilumina o trecho Marginal Tietê Cumbica, aquilo é um breu
      a noite; se alguém puder informar algo seria legal.

      Grato
      Paulo Gil

  17. Amigos boa noite
    Voces estão acompanhando a construção do prolongamneto da linha 2 (monotrilho)??
    Vai muito rápido, embora estejam trabalhando o primeiro trecho, porém, já tem boa parte da estrutura da estação vila prudente pronta, e os pilares centrais nas avenidas também.
    Talvez seja a solução de mais rápida aplicação sem comprometer o fluxo de veículos ao seu redor.
    Quanto a ligação Oeste/leste auxiliar, enviei sugestão a Secretaria de Transporte Metropolitano que ligasse, por tunel, as estações Julio Prestes a Roosevelt via Largo São Bento (linha 1), aproveitando as capacidades já instaladas, e o melhor, sem desapropriações. Estabelecida a ligação, o prolongamento traria varias possibilidades, tanto para guarulhos ou mogi ou ao ABC pelo leste/sul ou Pinheiros(grajaú) pela linha 9 ou manter a ligação normal da linha 8 apenas. É logico que não me deram resposta.

    • Jair, boa noite

      Vi estes pilares outro dia mas pensei que eram a continuação do Expresso
      Tiradentes.

      Será que estou fazendo confusão ou eu nem conheço aonde está, localizado este monotrilho, se puder me dar uma luz eu agradeço.

      Boa sua sugestão, eu já enviei algo similar à CPTM, mas pelo visto, nada.

      Afinal, a Linha 4 devia é ter terminado na Júlio Prestes e não na Luz, mas fazer o que
      né, nem fomos consutados.

      Rsssssssssssss

      Bom trabalho amigo.

      Grato
      Paulo Gilo

      • Paulo Gil
        Expresso Tiradentes virará monotrilho; estas são as obras.
        Gosto muito do sistema, apesar de assustar um pouco por nunca ter sido usado numa demanda tão pesada. Mas a Bombardier é craque e os recursos técnicos incríveis. Procure no Google “Bombardier/Innovia 300”.

        Escrevi várias vezes que os recursos técnicos dos monotrilhos modernos permitem, em comparação com metro pesado e VLT (lembrar que monotrilho roda sobre PNEUS especiais):
        – curvas mais fechadas com perda menor de velocidade
        – aclives/declives mais íngremes
        Isto credenciaria monotrilhos a regiões cheias de altos e baixos como o Morumbi. O sistema de viga central NÃO IMPEDIRIA PASSAGEM POR TÚNEIS E EM NÍVEL! Mas NINGUÉM fala nisto, só em via elevada. Nunca achei explicações/comentários.

        Veja bem: não sou contra via elevada, mas usar TÚNEIS E NÍVEL NO TRAJETO poderia ser interessante para otimizar a rota, desapropriações, custos e integração com outros modais. Aqui em Cotia, onde só se fala e nada surge de concreto, seria bem o caso.
        Um exemplo é a transferência do metro pesado enterrado pro monotrilho em viaduto: diferença de altura grande aumenta tempo, extensão e custo operacional para traslado dos usuários.

      • Luiz Vilela, boa noite

        Dei uma olhada no Google, achei interessante.

        Mas isso me cheira remendo.

        Vai ficar 1/2 Expresso Tiradentes e 1/2 Monotrilho?

        Não tenho conhecimento técnico, mas já que gastou aquele montão de concreto,
        não era melhor já colocar os trilhos do metrô? (afinal é uma ligação com a ZL).

        Este não é um sistema para fazer uma pequena ligação entre trilhos e buzão, a exemplo Terminal Vila Yara – CPTM Presidente Altino?

        Os Kit´s túneis são bem vindos, só assim o parador passará a corredor.

        Sinceramente, para mim esta linha devia ser chamada de “TUBO DE ENSAIO”, afinal
        Fura Fila, Paulistão, Expresso Tiradentes, Monnotrilho..,

        Como será que vai acabar?

        Quem sabe virão os bondinhos seminovos de Santa Tereza.

        Eu não duvido.

        Grato
        Paulo Gil

    • Jair
      Boa esta ligação Julio Prestes/Roosevelt e adiante!
      Iria adiante sentido Guarulhos, rota muito carente de trilhos. Também para
      para aliviar as ferrovias superlotadas de lá

  18. Tenho gostado muito desta discussão neste tópico. Realmente sugestões e ideiais aqui discutidas enriquecem o debate. E sem debate, não hpa como exigir o melçhor.
    Infelizmente, a sautoridades sabem disso e por isso mesmo não incentivam debates e sequer dão respostas a sugestões.

    CPTM, METRÔ, SPTRANS, EMTU, ANTT, ANAC, SATRANS, SMU, etc – SOMOS OS SEUS PATRÕES – NOS RESPONDAM, por favor.

    • Adamo, boa noite

      Ficar quieto, é uma técnica conhecida, para evitar “saias justas”

      Mas tem um sábio distado popular que diz:

      “QUEM CALA CONSCENTE”

      Parabéns pelas fotos, uma melhor do que a outro e que nitidez.

      Grato
      Paulo Gil

  19. Paulo Gil
    Vai ser só monotrilho, mas muita gente acha que justificaria Metro pesado sim.
    Seria mais R$, mais tempo, mais desapropriações (com retorno provavelmente bom), mas impacto ambiental complicado, numa região já muito degradada. Trabalhei 3 anos na Pres. Wilson, ali pertinho. Conheço bastante bem. Tremendo teste pro monotrilho que terá que enfrentar fluxo pesado e integração pesada com a Metro 2 Verde. Desafio grande.

  20. Amigos,
    O terminal de Vila Prudente congregará diversos modais em diversas direções:
    – Metro linhas 2 e 15
    – Monotrilho – Cont. da linha 2 e na estação Tamanduateí linha 18
    – Trolebus – via corredor Paes de Barros
    – BRT – Expresso Tiradentes – Parque D.Pedro
    – Onibus e Micros – Fazendo linhas alimentadores e/ou troncais
    – Trem – Linha 10 na estação Tamanduateí.
    Acredito que será o Polo com maior diversidade da cidade de São Paulo.

    • Jair, boa tarde

      Obrigado pela dica.

      Você ou alguém disposto pode me esclarecer:.

      Essa diversidade é?

      a) Competência;
      b) Incompetência;
      c) Excesso de recursos;
      d) Tubo de ensaio;
      e) Sei lá entende;
      f) Todas as alternativas estão corretas

      Será que a SPTrans dará um curso aos pobres mortais de como utilizar tudo isto?

      – Quando cair a rede do tróleibus?

      – Quando furar o pneu do Aero-Trem?

      – Quando querbar o Tiradentes?

      – Quando teremos as linhas 2 e 15? 2090???

      Mais fácil colocar os trilhos na Anhaia Melo e colocar para rodar os seminovos de Santa Tereza.

      Mas se pode complicar pra que simplificar, não é mesmo.

      Grato
      Paulo Gil

    • O BRT ao Parque Dom Pedro foi novidade pra mim. É só promessa ou está definido?
      Tomara que tudo isto aconteça mesmo.

      Paulo Gil,
      O FuraFila do Pitta era prá lá de furado pra atender rota e demanda propostos. Mas a salada modal que o Jair descreve pode e deve servir de laboratório sim, porque as 6 soluções são super-comprovadas. Experiências de integração bem sucedidas lá poderão ser “exportadas” pro resto da RMSP.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: