PARA PRIORIZAR ÔNIBUS, PREFEITURA PROÍBE ÔNIBUS

Radial Leste
FAIXA EXCLUSIVSA NA RADIAL LESTE. Até para priorizar o transporte coletivo, a Prefeitura de São Paulo prejudica o transporte coletivo. Isso porque, ao implantar as faixas na Radial Leste, que variam de trechos e horários de funcionamento conforme o sentido de operação, a Prefeitura PROIBIU O TRÁFEGO DE ÔNIBUS FRETADO nos mesmos espaços da via, mesmo sabendo que o ônibus fretado é um dos únicos meios que faz uma determinada classe social, que dificilmente usaria o transporte público, deixar o carro em casa.

Faixa Exclusiva de Ônibus é inaugurada na Radial Leste
Apesar de ser considerada uma solução de improviso, Prefeitura diz que as pistas devem diminuir em 15% o tempo de viagem dos ônibus

ADAMO BAZANI – CBN

Em pleno Dia Mundial Sem Carro, todas as opiniões de especialistas, gestores e população em geral convergem para o mesmo ponto. A solução para o trânsito cada vez mais caótico e que tira tempo e qualidade de vida de milhões de pessoas por dia é a priorização do transporte público.
Os cidadãos estão mais conscientes quanto a isso. É o que prova pesquisa do Ibope, a pedido da ONG (Organização Não Governamental) Nossa São Paulo. O levantamento revela que subiu de 52% para 60% o número de paulistanos que deixariam o carro em casa para usar transporte público. A consciência e maior nível de informação em relação aos transportes conseguiram derrubar o radicalismo de muitos que rejeitam o ônibus. O número de pessoas que deixaria o carro só pelo ônibus se houvesse corredor exclusivo chegou a 29% e o número dos que falaram que não usariam o ônibus por nada foi reduzido a zero. (VER MATÉRIA COMPLETA ABAIXO).
Mesmo com todas as necessidades e clamor popular por transportes públicos de qualidade e prioridade aos ônibus, algumas administrações municipais ainda insistem em não investir em corredores segregados do tipo BRT (Bus Rapid Transit) que realmente diminuem o tempo de viagem e oferecem conforto como acessibilidade, melhores veículos, viário mais adequado, que evita trepidações dos ônibus e possibilita que o empresário seja cobrado para comprar ônibus de maior valor, tecnologia, menos poluentes e com mais itens para o bem estar do passageiro.
Enquanto os corredores de ônibus não são valorizados e se expandem como deveriam, algumas cidades tomam soluções paliativas, quase no improviso.
A Prefeitura de São Paulo que prometeu construir 66 quilômetros de corredores exclusivos de fato inaugurou hoje faixas exclusivas para ônibus na Radial Leste.
As faixas não são contínuas e em alguns trechos não funcionam o tempo inteiro.
No sentido bairro, os ônibus ganham faixa exclusiva entre as ruas Wandenkolk e Pinhalzinho. A operação ocorre entre às 10 horas e 23 horas, de segunda a sexta-feira.
Já no sentido Centro, o funcionamento da faixa é 24 horas por dia, mas o trecho muda. Vai da Rua Carlos Silva a Rua Figueira.
Na manhã do primeiro dia de implantação, os passageiros sentiram a diferença positiva na redução de tempo. No entanto, um acidente no Parque Dom Pedro II fez com que esse ganho fosse anulado.
O motivo é que, apesar de ser faixa exclusiva, não se trata de espaço segregado, e por isso sofre interferência do trânsito. Foram registradas invasões de carros nas faixas, principalmente na região mais próxima ao centro de São Paulo.
Mesmo assim, a SPTrans (São Paulo Transpoirtes) estima redução de até 15% no tempo de viagem.
A Radial Leste já possuía faixas em outros trechos. São 4,4 km de faixas exclusivas e mais 4 km de preferencial nos dois sentidos.
Com a inauguração dos trechos desta quinta-feira, dia 22 de setembro de 2011, os ônibus recebem 11,4 quilômetros de faixas.
Estes números não podem ser colocados na conta dos 66 quilômetros de vias segregadas esperadas pelo paulistano, já que não se tratam de corredores segregados como foi prometido

RESTRIÇÃO A ÔNIBUS FRETADOS:

O que provocou polêmica é que para priorizar o transporte coletivo, a prefeitura penalizou os transportes coletivos na implantação destas faixas.
Por causa das medidas, os trechos da Radial onde foram implantadas as faixas foram incluídos na Zona Máxima de Restrição de Fretamento. E ninguém venha dizer que fretado não é transporte coletivo.
Os ônibus fretados, que são considerados os que mais têm atratividade de tirar classes sociais mais altas dos carros, por oferecerem serviços diferenciados com o mesmo conforto do veículo de transporte individual, não podem circular mais nesta área da Radial, de segunda a sexta-feira, das 05 horas às 21 horas.
Também está proibida a circulação de caminhões nos trechos paralelos às faixas de ônibus urbano na Radial Leste, que será considerada Via Estrutural Restrita até a Aricanduva.
Os caminhões estão proibidos de transitar de segunda a sexta-feira, das 5h às 21h, e aos sábados, das 10h às 14h – exceto nos feriados. Atualmente, os caminhões não podem circular das 5h às 10h e das 16h às 21h, no trecho que vai da Rua da Figueira até a Avenida Pires do Rio.
A CET informa que possui na região 05 radares com a tecnologia LAP – Leitura Automática de Placas, que levanta outros dados como registros de roubo e falta de pagamento do IPVA – Imposto Sobre Veículos Automotores e que vai instalar 227 placas de sinalização orientando motoristas de caminhão e de ônibus fretados ao longo da Radial e acessos.
A Prefeitura deve intensificar a fiscalização também quando a invasões nas faixas. A Multa é de R$ 127,69, infração grave que rende 05 pontos na carteira.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes