MORTES E ACIDENTES MOTIVAM CURSOS PARA MOTORISTAS EM GOIÂNIA

ônibus Goiânia

Ônibus em Goiânia. Número de acidentes com vítimas, só em julho foram duas mortes em terminais, tem impressionado a RMTC – Rede Metropolitana de Transportes, a CMTC – Companhia Metropolitana de Transportes e Ministério Público. Para tentar rever o quadro, devem ser investidos R$ 4 milhões em treinamento e capacitação de motoristas. Além disso, a CMTC deve contratar mais fiscais para acompanharem com mais rigor a atuação dos funcionários de transportes. Por mais que os avanços tecnológicos sejam importantes, como GPS, monitoramento, câmeras e veículos modernos, nada substitui a ação humana no setor, afinal, como sempre pregam os mais experientes na área, os transportes são feitos por seres humanos para seres humanos.

Acidentes e mortes motivam treinamento para motoristas em Goiânia
Série de treinamentos e cursos foi exigência do Ministério Público de Goiás. RMTC – Rede Metropolitana de Transportes Coletivos

ADAMO BAZANI – CBN

Vários acidentes, acima da média prevista. Dois deles com morte. Em julho de 2011, o menino Gabriel Henrique Ferreira, de 07 anos, morreu arrastado por um ônibus no Terminal Vera Cruz. De acordo com testemunhas, o motorista abriu a porta para o garoto desembarcar antes de parar o veículo. Gabriel chegou a ser internado, mas não resistiu.
No mesmo mês, no Terminal Garavelo, a diarista Maria Zulmira, de 57 anos, foi atropelada por um ônibus, quando tentava entrar no veículo. Ela se desequilibrou e caiu.
De acordo com a RMTC – Rede Metropolitana de Transportes Coletivos, a média de acidentes com a culpa do motorista é de 14 por milhão de quilômetros percorridos, no sistema de Goiás.
A meta da rede é baixar este número para pelo menos 10.
O número e a gravidade dos acidentes preocupou o Ministério Público e foi acertado que a RMTC deverá investir R$ 4 milhões em cursos de qualificação e treinamentos para motoristas e funcionários dos transportes públicos.
De acordo com o promotor Érico de Pina Cabral, os cursos devem começar em outubro.
Além dos cursos para capacitar motoristas, a CMTC – Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos, de Goiânia, vai apostar na fiscalização mais intensa dos serviços.
Devem ser contratados mais fiscais para os terminais e para os trajetos das linhas.
A meta é atingir o número de 43 fiscais.
Os fiscais passaram por concurso e serão chamados para os cursos de qualificação até o final deste ano (2011) quando devem já começar a trabalhar.
O exemplo de Goiânia mostra que por mais que haja monitoramento por câmeras, GPS, veículos modernos, rastreamento e equipamentos de segurança ideais, que são importantes, nada substitui a ação humana e a capacitação profissional no setor. O lema dos empresários e transportadores pioneiros ainda é válido: o transporte é feito por seres humanos para seres humanos.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

2 comentários em MORTES E ACIDENTES MOTIVAM CURSOS PARA MOTORISTAS EM GOIÂNIA

  1. Amigos, boa noite

    Dirijam em Goiás e verão coisas do “arco da velha”.

    Só quem já rodou por lá sabe.

    Curso para todos.

    Grato
    Paulo Gil

  2. As criticas, todos nos somos capazes de fazer, devemos observar se há estes cursos para motoristas desde a contratação, através de uma equipe de psicologia recursos humanos e seguranças do trabalho, saberão também se os colaboradores estão prontos para dirigir e entender que os ônibus da nossa capital Goiânia estão cheios e precisa de controle de excesso velocidade e cuidados em suas frenagens além de poder abrir a porta somente quando o carro estiver parado mesmo.
    Bom mesmo será quando um carro, mesmo lotado, não tenha pessoas nas portas de entrada. Educação e cursos para motoristas e para usuários também.
    Sou usuário e quando tem pessoas que não consegue sentar,ficam escorados na porta. Esquecendo do grande risco dela se abrir e o pior acontecer.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: