COM SISTEMA NO CAOS, GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL ASSUME BILHETAGEM

Publicado em: 21 de junho de 2011

ÔNIBUS DO DISTRITO FEDERAL

Os transportes coletivos no Distrito Federal estão caóticos, desorganizados e muito ruins. O que milhares de passageiros sabem há tempos foi admitido pelo diretor da gerenciadora de transportes, DFTRans, Marco Antônio Camapanella. Um dos maiores problemas é em relação a suspeitas de fraudes e irregularidades que teriam sido cometidas pela Empresa Fácil, de Bilhetagem Eletrônica, ligada às viações. Com a atuação da Fácil, o monitoramento dos ônibus, das arrecadações e das despesas fica difícil. A empresa foi descredenciada e agora é o governo que vai controlar a bilhetagem e as gratuidades. A frota que presta serviços em Brasília está com índice de ilegalidade de 75%. São ônibus de empresas legais, mas que não estão registrados na DFTRans. Apesar de terem o validador, as viagens nestes ônibus não são registradas e o repasse que deveria ser feito ao poder público não é realizado. Mil e duzentos ônibus piratas em esquema envolvendo nomes como do empresário Wagner Canhedo e do ex governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, teriam provocado prejuízos de R$ 14 milhões. Foto: Ônibus de Planaltina Blogspot.

Governo do Distrito Federal vai administrar bilhetagem eletrônica
Bilhete Fácil não é mais de responsabilidade da empresa ligada ao sindicato das empresas de ônibus. Desorganização do sistema e suspeitas de irregularidades são algumas causas da transferência

ADAMO BAZANI – CBN

O Governo do Distrito Federal é agora responsável pela comercialização e gestão da bilhetagem eletrônica que conta com o Cartão Fácil.
Assim, o governo agora vai administrar o passe livre estudantil, o cartão cidadão o vale transporte, todas as gratuidades e o atendimento ao passageiro.
A medida ocorreu depois de o Governo constatar desorganização nos transportes públicos, falta de transparência nas informações de despesas e receitas por parte da Empresa Fácil e das companhias de ônibus. Além disso, há suspeita de irregularidades na contratação da empresa de bilhetagem eletrônica liga ao Setransp – DF – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de Passageiros do Distrito Federal.
O próprio diretor da DF Trans, a gerenciadora pública de transportes, Marco Antônio Campanella admitiu que os transportes em Brasília estão desorganizados e caóticos.
“O sistema de transporte em Brasília está muito desorganizado. O serviço está muito caótico e ruim”, disse o diretor da DFTRans, Marco Antôniio Campanella.
O Governo fará uma auditoria na Empresa Fácil para detectar possíveis irregularidades, como desvios de créditos de gratuidade, contabilização de viagens gratuitas não realizadas e omissão de dados.
Segundo Marco Antônio, é necessário ter um maior controle do sistema de transportes, para saber realmente quais sãos as receitas e as despesas e definir políticas tarifárias:
“O governo vai poder identificar com mais precisão custos e receitas. Até para que possamos discutir a questão da tarifa com segurança. Precisamos ter mais controle”, disse o diretor da DFTRans.
O convênio com a Empresa Fácil foi anulado em 15 de junho de 2011, após publicação no Diário Oficial do DF no último dia 14 de junho.
A suspensão do contrato foi determinada pelo governador Agnelo Queiroz, no Decreto 32.815 do dia 25 de março de 2001.
Por conta da mudança, o atendimento do cartão Fácil ficou fora do ar na semana passada pro três horas até que o Governo assumisse legalmente a operação e o gerenciamento do cartão.
Antônio Campanella disse ao portal G 1 que num primeiro momento, o passageiro não deve sentir alterações, já que por enquanto, por questões legais e operacionais continuam os mesmos fornecedores da Empresa Fácil.
Mas depois, com o maior controle das receitas e despesas e com informações mais precisas, será possível dinamizar os serviços e aperfeiçoar a bilhetagem eletrônica, bem como todo o sistema de transportes, já que a bilhetagem pode passar informações importantes para o dimensionamento da oferta frente a demanda, ou seja, mostrar quais linhas e pontos registram mais ou menos passageiros e quais tipos de usuários.
Entre as mudanças pretendidas pelo Governo do Distrito Federal será emitir o Passe Livre Estudantil no ato da matrícula.
O poder público que melhorar o sistema de recargas para ser feito dentro dos próprios ônibus, shoppings e dentro das escolas.

UM SISTEMA CHIEO DE IRREGULARIDES E MUITA COISA A SER ESCLARECIDA:

Os transportes no Distrito Federal passam por uma das piores fases, tanto do ponto de vista de atendimento à população quanto a legalidade. Na verdade, um interfere no outro.
O Governo do Distrito Federal disse que o índice de ilegalidade nos ônibus das empresas cadastradas chega a 75%.
São ônibus que não estão cadastrados ou não tiveram os cadastros renovados na DFTrans.
Alguns com idade superior a 10 anos e sem condições satisfatórias de manutenção.
Na sexta-feira, dia 13 de maio, o Decap (Divisão Especial de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública), da Polícia Civil do DF, indiciou o ex governador José Roberto Arruda pela circulação de 1200 ônibus piratas de empresas registradas no Distrito Federal.
Também foram indicados outros funcionários públicos e empresários, entre eles, o ex secretário de transportes e agora deputado, Alberto Fraga (DEM – DF), o ex diretor da DFTrans, Paulo Munhoz (indicado na primeira fase da operação Drakkar) e os empresários Wagner Canhedo, Victor Foresti e Eduardo Queiroz.
Wagner Canhedo é presidente do sindicato das empresas de transportes e Victor Fortesti e Eduardo Queiroz são diretores do Setransp. Todos são gestores da empresa de bilhetagem Fácil.
A Fácil foi contratada sem licitação.
Os validadores funcionavam nos ônibus não castrados pela DFTRans, mas como os ônibus estavam fora do sistema, eles não registravam as passagens.
O suposto esquema entre José Roberto Arruda, os empresários de ônibus e a Empresa Fácil teria começado no ano de 2007.
Por não registrarem as passagens, eram deixados de ser repassados para a DFTRans e o Governo os 3,84% de cada viagem. A prática, segundo a Polícia Civil, teria provocado rombos superiores a R$ 14 milhões nos cofres públicos.
Os ônibus possuíam placas falsas e nem multa por infração de trânsito pagavam pois as placas não eram registradas no Detran.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

Comentários

  1. …..Passageiros podem ficar tranquilos pois nao havera greve dos rodoviarios e sistema de Transporte Publico funcionara normalmente a partir desta segunda-feira.O Governo do Distrito Federal conseguiu com o acompanhamento da Secretaria dos Transportes e do DFTrans que rodoviarios e empresarios chegassem a um acordo coletivo sem que o preco das passagens de onibus sofram qualquer reajuste evitando assim prejuizos ainda maiores para a sociedade. O GDF entende que assim procedendo pode dar continuidade ao processo de melhoria do transporte coletivo do Distrito Federal que passa pela licitacao ja em andamento para regularizacao e modernizacao da frota de onibus com controle do sistema via GPS implantacao de corredores exclusivos de onibus e da racionalizacao das linhas.

  2. Caio disse:

    Precisamos que o DF forneça apoio para as empresas de ônibus o quanto antes. Vamos apoiar iniciativas positivas assim. Vamos que vamos.

  3. Antonio Carlos disse:

    Não adianta paliativos, o GDF precisa investir de verdade no setor de transporte público, seja nas empresas de ônibus ou compra de mais ônibus

  4. Carlos costa disse:

    O caio tem razão, enquanto o GDF não apoiar de verdade as empresas, esse sistema de transportes só tende a piorar.

  5. ANDRÉ disse:

    Isso n é ruim, o DF precisa de apoio para empresas de ônibus, vamos DF, vamos buscar tais melhorias.

  6. andresa disse:

    DF, melhorias para as empresas de ônibus é o que precisa ser feito, pois assim, conseguiremos muitas melhorias.

  7. joaquim disse:

    Elaiá DF, mudanças precisam ser feitas para que as coisas melhorem, vamos que vamos, buscar apoioar e incentivar as empresas de ônibus com urgência.

Deixe uma resposta