DUAS CATRACAS EM ÔNIBUS: AGILIZAR OU TENTATIVA DE TIRAR COBRADOR?

duas catracas
Ônibus com duas catracas têm agradado empresas, pela redução dos custos, SPTrans e passageiros pela redução no tempo de embarque que pode chegar a 40%. No entanto, lugares dentro do ônibus são retirados para o passageiro sentar e medida é vista como tentativa de justificar retirada dos cobradores dos ônibus, algo que as empresas querem há algum tempo e que foi aceito pelo sindicato que representa os próprios cobradores. Foto: Isadora Brant – Folha Press.

Duas catracas nos ônibus de São Paulo: uma tentativa de tirar o cobrador definitivamente?
SPTrans afirma que o objetivo é apenas agilizar o embarque e diminuir os custos de operação
ADAMO BAZANI – CBN

A utilização de duas catracas em 19 ônibus da Capital Paulista, a título de experiência, tem agradado tanto empresas, passageiros como a SPTrans, empresa gerenciadora e fiscalizadora do sistema de transportes da Capital Paulista.
São 19 ônibus que servem as zonas Sul e Leste de São Paul, com linhas que atendem, por exemplo São Mateus e as estações do Metrô Tamanduateí e Parque Dom Pedro II.
A nova catraca é colocada ao lado da tradicional e só aceita passageiros com o Bilhete Único.
Segundo a SPTrans, em alguns casos, o tempo de embarque nos ônibus foi reduzido em 40%. Para as empresas, a medida significa custos menores, já que o ônibus parado para a entrada do passageiro é gasto de combustível e tempo de forma ociosa.
O cobrador continua na catraca antiga.
Muitos, no entanto, veem a medida como uma tentativa a mais para retirar os cobradores dos ônibus.
Depois de um determinado tempo, as empresas devem apresentar balanços à SPTrans dizendo que a catraca sem cobrador recebeu mais passageiros do que o equipamento com o profissional.
A retirada dos cobradores de alguns ônibus da Capital Paulista já vem sido discutida há alguns anos, mas ganhou força agora com a ajuda do próprio Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus, que no último acordo salarial da categoria aceitou que os ônibus circulassem sem cobrador desde que o motorista ganhasse R$ 250,00 a mais trabalhando sozinho.
Uma ótima oportunidade para os empresários. Afinal, R$ 250,00 a mais para o motorista sai bem mais em conta que pagar o salário de um cobrador que ganha de R$ 978,00 a R$ 1072,00 dependendo do mês trabalhado.
A SPTrans e as empresas afirmam que a minoria dos passageiros, apenas 8%, pagam as tarifas de ônibus a dinheiro e que o cobrador fica ocioso a maior parte do tempo.
A ideia é reaproveitar o cobrador em outras funções.
A dúvida, no entanto, é saber se haverá vagas para todos os cobradores que poderão ser dispensados.
As empresas pretendem retirar os cobradores não de toda a frota, mas de cerca de 2/3, em especial dos ônibus que servem terminais e corredores.
A Prefeitura, no entanto, não apresentou nenhuma proposta para criar nos corredores de ônibus da Capital o sistema de pré-embarque, pelo qual o passageiro paga a tarifa no ponto ou na estação antes de entrar no ônibus, a exemplo do que ocorre no sistema de BRT – Bus Rapid Transit – de Curitiba. Na capital do Paraná, os cobradores ficam na estação tubo.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN especializado em transportes