MOTORISTA DE CARRO DEIXARIA SIM SEU VEÍCULO PARA PEGAR ÔNIBUS, DIZ IPEA

Corredor segrgado operado pela Metra entre as zonas Leste e Sul de São Paulo por parte dfo ABC Paulista. Prioirzação do transporte público é uma questão de democracia do espaço público, garantem especialistas. Entrevistados pelo Ipea querem mais rapidez nos transportes e isso só é possivel quando os meios coletivos têm um espaço específico para serem mais rápidos.

Maioria dos brasileiros usa transporte público, diz Ipea
Estudo sobre mobilidade revela que passageiros exigem melhorias no transporte coletivo, mas que se desloca de carro não se sente seguro
ADAMO BAZANI

Dentro do carro, com ar condicionado, ouvindo uma música, cercado de alarmes, trava elétrica, sistema de monitoramento via satélite e todo luxo e conforto.
Esse parece ser o sonho de todo o brasileiro quando precisa se deslocar dentro da cidade ou para municípios vizinhos.
Mas na realidade, a concretização deste sonho não é tão boa assim. É o que mostra um estudo do Ipea- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada divulgado nesta quarta-feira, dia 04 de abril de 2011.
Nesta fase do Sips, Sistema de Indicadores de Percepção Social, sobre Mobilidade Urbana, os resultados trouxeram muitas surpresas.
O Ipea ouviu 2.786 pessoas em 146 municípios brasileiros em agosto de 2010.
De acordo com o estudo, nas grandes cidades brasileiras e naquelas que foram regiões metropolitanas, a grande maioria das pessoas usa o transporte público para os deslocamentos diários. Acompanhe:

TRANSPORTE PÚBLICO: 66,36%
CARRO: 21,96%
MOTO: 04,91%
BICILETA: 01,64%
A PÉ: 05,14%

Já nas cidades menores, ainda de acordo com o estudo mais recente do Ipea, a diferença entre o número de pessoas que usa carro e transporte público cai, justamente pela menor oferta de transporte coletivo em algumas regiões e pelas atividades econômicas destas cidades que tendem a ser mais próximas do local de onde as pessoas moram:

TRANSPORTE PÚBLICO: 34,56%
CARRO: 24,56%
MOTO: 15,54%
BICILETA: 09,38%
A PÉ: 15,96%

Um dado chamou a atenção dos pesquisadores do Ipea foi o fato de que quase a metade dos motoristas de carros de passeio se sente insegura.
Apenas 54,6% dos motoristas se sente insegura. A maior preocupação dos passageiros de transporte coletivo são os assaltos, o que faz com que 31,7% dos passageiros se sintam seguros.
O trânsito é a principal preocupação dos motoristas de carro: 43,5%. E isso, segundo o Ipea, é um dos fatores fundamentais para o motorista pensar em deixar o carro em casa.
Mas para isso, os transportes públicos, de acordo com os entrevistados devem ser mais rápidos.
Para o transporte coletivo, no entanto, conseguir ter essa velocidade que as pessoas tanto querem, é necessário que ele tenha prioridade no espaço urbano.
Assim, o metrô para ligações de grande demanda e corredores de ônibus são bem vistos pela população.
A prioridade ao transporte de massa no espaço urbano é uma questão até mesmo de democracia, garantem os especialistas.
Afinal, um ônibus de 12 metros de comprimento transporta em média 70 pessoas ocupando o espaço de 3 carros que só transportam 6 pessoas, considerando que boa parte dos veículos particulares circula com duas pessoas. Na conta final, esse mesmo ônibus de 12 metros transporta na média o equivalente a 35 carros, que enfileirados ocupariam 147 metros, levando em consideração que cada carro tem 4,2 metros em média.
Os corredores de ônibus, tipo BRT (Bus Rapid Transit) que contam com sistema de embarque acessível, compra da passagem antes do embarque e veículos modernos, ou mesmo os corredores convencionais, são obras de fácil implantação, não necessitando grandes intervenções e desapropriações, e economicamente compatíveis com os cofres das cidades.
Numa via segregada, o ônibus ganha velocidade operacional.
O Brasil tem dois exemplos mundiais de corredores de ônibus modernos e que atraem o motorista de carro. Tratam-se do sistema da RIT – Rede Integrada de Transportes, de Curitiba e Região Metropolitana e o Corredor ABD, que liga São Mateus, na Zona Leste de São Paulo ao Jabaquara, na Zona Sul da Capital Paulista, pelos municípios de Santo André, Mauá (Termina Sônia Maria) São Bernardo do Campo e Diadema, além de ter uma extensão entre Diadema e a região da Berrini, na Zona Sul de São Paulo.
Para os entrevistados pelo Ipea, as prioridades dos transportes são na ordem rapidez, economia e comodidade.
Tudo isso pode ser oferecido quando o sistema de transporte coletivo é priorizado.
O Sisp – Sistema de Indicadores de Percepção Social – é um dos instrumentos que devem ser usados pelo Governo Federal em discussões com estados e municípios para políticas de mobilidade urbana, frente aos elevado custos e degradação do meio ambiente e saúde que o excesso de veículos tem ocasionado.
Um ponto para estas políticas públicas já pode ser destacado pelo estudo: o brasileiro não só aceita mas quer utilizar o transporte público, mas ele precisa ser rápido e, para isso, deve receber prioridade.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN especializado em transportes.

5 comentários em MOTORISTA DE CARRO DEIXARIA SIM SEU VEÍCULO PARA PEGAR ÔNIBUS, DIZ IPEA

  1. Adamo, boa tarde de novo !
    Como você está escrevendo hoje, ufá !
    Para a maioria, o dia a dia é corrido, tenso, compromissado. Mal temos tempo de nos falarmos, de desfrutarmos de uma boa refeição, com calma e posteriomente descansarmos um pouco, para, pelo menos fazermos a digestão, e, tampouco para apreciarmos a paisagem, olharmos ao nosso redor.
    Quando estamos ao volante de um carro então, permanecemos 110% de nossa atenção à frente, dos lados, para trás, com medo de tudo e de todos. Neste instante somos pilotos, máquinas.
    Você, eu e tantos outros, quando crianças principalmente, creio, tivemos contato com um outro cenário, o de ir e vir, para a escola, casa de amigos, trabalho, lazer, a bordo de um ônibus, de um trem, do metrô, ENXERGANDO, a vida passar e não CORRER !
    Certo ?!
    Parabéns pela reportagem, atual, objetiva e muito necessária.
    Abraço e se cuida.

  2. insistem em bater na mesma tecla?
    BRT pra tudo?

  3. Olá Adamo
    Vc citou apenas dois corredores de ônibus como referência. Em São Paulo temos o Expresso Tiradentes que é totalmente exclusivo e não sofre interfêrencia de sinalização. Acho que esse sistema de ônibus é o melhor de todos do Brasil!
    Acredito que o problema no Brasil em relação á mobilidade urbana vem de adminstrações anteriores, lobby das montadoras em favor dos carros e falta de interesse do governo atual em solucionar o problema. Talvez uma indústria de trens empregue mais pessoas que a de carros.
    O investimento em sistema rodoviário no Brasil foi muito intesificado no passado, até mesmo para transportes de carga. Se tivesse mais trens cargueiros, o fluxo de caminhões seria menor – inclusive reduzindo o custo de logística; se tivesse mais linhas de metrô e BRTs o tranporte de passageiros seria menos deficiente. Esta constatação é tão óbvia quanto despresada.
    As montadoras só visam lucro, independente dos transtornos que ajudam a causar na mobilidade urbana.
    Quanto ao governo atual, pelo menos no Estado de SP, que a décadas estão no poder pouco fizeram pelo transporte de massa da cidade paulista. Isso sem falar do governo federal! Não estou me referindo apena a trens, mas em parceria com o governo municipal privilegiar os corredores de ônibus e incentivar o uso de bicicletas.

  4. Amigos, boa noite

    Observem o tempo verbal, DEIXARIA…

    Eu também deixaria, mas depois do que andei passando;
    “deixo não, quero não, posso não, ninguém deixa não”.

    Afinal, não há nada que motive a locomoção via transporte público.

    Lembrem-se a pesquisa diz, DEIXARIA…

    Mas nem em 2099.

    Muito obrigado

    Paulo Gil

  5. Se realmente queremos fazer uma mudanca no modelo de mobilidade actual e reduzir o uso do veiculo privado que actualmente se acerca a equacao de uma pessoa por carro o transporte publico deve ser um direito ao alcance de todos e reduzir drasticamente os precos ou melhor fazendo-o gratuito para os colectivos que o precisem..Os precos do transporte publico do pais sao dos mais caros de Europa. Queremos que a mobilidade seja um direito nao um privilegio!.Necessitamos que viajar em transporte publico saia mais a conta que ir em veiculo privado.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: