Prefeitura de SP suspende por 30 dias Termo de Cooperação com empresa que explora ciclofaixas de lazer

Funcionários reclamam de atraso em pagamento, e equipamentos têm funcionado com falhas na supervisão

ALEXANDRE PELEGI

As ciclofaixas de lazer da capital paulista, que funcionam aos domingos e feriados, vêm passando por problemas, como o atraso no pagamento de salários dos funcionários desde agosto deste ano.

Este é um dos motivos que levou a prefeitura de São Paulo, por intermédio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito, a determinar por 30 dias a suspensão do Termo de Cooperação com a Agência Coranda TV e Publicidade.

A medida foi publicada na edição do Diário Oficial da Cidade desta quarta-feira, 19 de outubro de 2022.

A decisão de suspender o convênio se deu em especial após as manifestações da Assessoria Técnica e Assessoria Jurídica da SMT.

Em nota, a CET-SP encaminhou o seguinte esclarecimento:

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito suspendeu o contrato com a empresa Coranda por 30 dias para apuração das irregularidades contratuais. A empresa ainda tem o prazo por contrato para a apresentação de suas justificativas. A suspensão não é a rescisão contratual. A SMT trabalha pela elaboração de um contrato emergencial para implantação da ciclofaixa de lazer no próximo domingo.

Como mostrou o Diário do Transporte, em agosto deste ano a prefeitura assinou o Termo de Cooperação com validade por seis meses (180 dias).

Relembre: Ciclofaixas de lazer em São Paulo já têm novo patrocinador

A empresa apresentou um custo total de operação de R$ 6 milhões e 250 mil por este período.

O patrocínio até então era da Uber, empresa de aplicativo de carros, que desistiu do contrato.


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Informe Publicitário
   
Assine
     
Comentários

Deixe uma resposta