Greve de ônibus em São Paulo: Justiça determina nova audiência na segunda (13) para tentar evitar paralisação na terça (14)

Motoristas e cobradores decidiram que, se não houver nova proposta, vão cruzar os braços

ADAMO BAZANI

O desembargador-relator do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), Davi Furtado Meirelles, determinou a realização de uma audiência de conciliação entre representantes dos motoristas e cobradores e viações para tentar evitar uma greve de ônibus na cidade de São Paulo anunciada para a próxima terça-feira, 14 de junho de 2022.

A reunião virtual deve ocorrer na segunda-feira (13) e a decisão, tomada logo depois do anúncio da greve, em assembleia dos trabalhadores nesta sexta-feira (10), atende pedido da SPTrans (São Paulo Transporte), que gerencia os serviços de ônibus na capital paulista.

Tendo em vista as últimas informações prestadas pelo sindicato suscitado, dando conta de que as negociações não chegaram a bom termo eapontando greve para 00h00 horas do dia 14/06/2022, e atendendo ao pedido da referida parte, determino audiência para tentativa de conciliação para o dia 13 de junho de 2022, às 16h00 horas, por vídeo conferência. – diz trecho da determinação.

ASSEMBLEIA:

Uma greve de ônibus em São Paulo foi aprovada para terça-feira, 14 de junho de 2022.

Motorista e cobradores realizaram uma assembleia na tarde desta sexta-feira, 10 de junho de 2022.

Uma nova proposta pode reverter a decisão.

Nesta quinta-feira (09), foi apresentada uma nova proposta por parte das empresas de ônibus: 10% de reajuste salarial em parcela única em outubro.

A primeira proposta era de reajuste de 10% de reajuste e somente sobre os salários: 4% agora, 4% em setembro de 2% no fim do ano, que também não agradou a categoria.

Os motoristas chegaram a uma paralisação foi anunciada para esta segunda-feira (06), mas foi suspensa após uma audiência no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para continuar as negociações.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2022/06/03/greve-de-onibus-em-sao-paulo-prevista-para-o-dia-06-de-junho-e-suspensa-por-retomada-de-negociacoes/

Por meio de nota, a SPTrans (São Paulo Transporte), que gerencia os transportes na cidade de São Paulo, diz que acompanha as negociações e lembra que há uma decisão na Justiça que determina frota mínima de 80% nos horários de pico e 60% nas demais horas

A Prefeitura de São Paulo, por meio da SPTrans, informa que em reunião de conciliação realizada no dia 3 de junho, perante o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), foi firmado o compromisso de não haver qualquer paralisação sem que ocorra nova audiência perante o TRT.

A reunião foi resultado de decisão liminar expedida pela Justiça do Trabalho, na noite de terça-feira, 31 de maio, a pedido da SPTrans, na qual ficou determinada também a manutenção de 80% da frota operando nos horários de pico e 60% nos demais horários, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

A SPTrans espera que o acordo seja cumprido e ressalta que a decisão liminar segue válida. A empresa continuará acompanhando as negociações trabalhistas entre os operadores de ônibus e as empresas concessionárias e espera que haja entendimento entre as partes, para que a população de São Paulo não seja prejudicada.

As reivindicações da categoria são:

– Reajuste Salarial de 12,47%, mais aumento real;

– Vale Refeição de R$ 33,00 (unitário);

– Equiparação de todos os benefícios para os trabalhadores e trabalhadoras das empresas do sistema complementar (empresas novas);

– Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) de R$ 2.500,00;

– Fim das escalas com uma hora para refeição sem remuneração;

– Reajustes nos valores dos benefícios: Auxílio Funeral, Seguro de Vida, – Convênio Médico e Odontológico etc;

– Adequação das nomenclaturas do Plano de Carreira do Setor de Manutenção, equiparação salarial e promoção para funcionários e funcionárias Fora de Função.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta