Assembleia do Sindmotoristas confirma decisão de suspender greve do transporte em São Paulo, mas pede categoria mobilizada

Presidente em exercício do sindicato não descarta greve ainda. Foto: Sindmotoristas

Paralisação do sistema de transporte da capital estava marcada para a próxima segunda (06), mas foi postergada diante de retomada das negociações

ALEXANDRE PELEGI

Reunião Plenária no auditório do Sindmotoristas na manhã deste sábado. 04 de junho de 2022, confirmou a decisão da direção da entidade sindical que, nesta sexta-feira (03), após reunião de conciliação no TRT (Tribunal Regional do Regional do Trabalho), concordou em suspender a greve de ônibus em São Paulo que tinha sido anunciada para a próxima segunda-feira (06).

De acordo com comunicado do sindicato dos motoristas, diretores, delegados sindicais, cipeiros, integrantes da Comissão de Negociação de Trabalhadores e militantes decidiram também pela suspensão momentânea da assembleia marcada para este domingo (05).

Como é de conhecimento público, os condutores de São Paulo sempre defenderam o diálogo, mas a intransigência dos empresários de ônibus e a indiferença da Prefeitura para solucionar o conflito levaram a categoria a recorrer a deflagração da greve para defender seus direitos”, justifica a entidade sindical.

Está previsto para os próximos dias novo encontro entre representantes dos trabalhadores, setor patronal e Poder Público com vistas a retomar a negociação. O objetivo é viabilizar um acordo a contento de todos, mas principalmente, que atenda os interesses da categoria.

“De qualquer maneira a orientação é para que os companheiros continuem mobilizados nos locais de trabalho”, defende o Sindmotoristas.

Para o presidente em exercício do sindicato, Valmir Santana da Paz (Sorriso), a greve não está descartada.

“Nossa entidade preza pelo diálogo e bom senso. Nos preocupamos e não temos a intenção de criar transtornos nenhum à população de São Paulo, mas também não podemos deixar de defender os interesses da categoria. Se as negociações não avançarem, em protesto, os condutores vão cruzar os braços”, reiterou Sorriso.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta