NTU alerta caso Petrobrás anuncie novo reajuste do diesel: operadoras serão obrigadas a racionar combustível e oferecer viagens apenas nos horários de pico

Empresas poderão recolher ônibus para poupar combustível, reduzindo a oferta do serviço para a população. Foto: Diário do Transporte

Expectativa do mercado é de que combustíveis podem ficar mais caros nesta quinta-feira (5) devido à defasagem entre preços praticados no mercado interno e externo

ALEXANDRE PELEGI 

O mercado aguarda com ansiedade o anúncio de um novo reajuste nos preços dos combustíveis para as próximas horas.

A defasagem entre os preços praticados no mercado interno e externo é o fator de pressão, uma vez que a Petrobras está há mais de 50 dias sem reajustar os valores do diesel e da gasolina. Com base nessa diferença, o diesel pode subir 24%, o que terá impactos danosos ao transporte coletivo.

De olho nesse impacto, a NTU, que representa as empresas operadoras, acaba de divulgar nota em que alerta para o risco de ruptura na oferta do serviço.

De acordo com a entidade, o combustível já subiu 35% nas refinarias só este ano.

Para o presidente da NTU, Francisco Christovam, se não forem definidas fontes para cobrir esses custos adicionais, as operadoras serão obrigadas a racionar o combustível e oferecer apenas viagens nos horários de pico, pela manhã e à tarde. “No resto do tempo, os ônibus terão que ficar parados nas garagens. As empresas não querem praticar uma operação seletiva, atendendo apenas linhas e horários de maior demanda, mas serão obrigadas a adotar essa medida radical porque não suportam mais os sucessivos aumentos de custo e os prejuízos”, alerta Christovam.

A nota estima que a redução da oferta dos serviços representará um impacto direto na rotina de 43 milhões de passageiros que dependem desse serviço todos os dias. Afinal, operando apenas nos horários de pico, os ônibus deixarão de rodar no meio da manhã e da tarde, à noite e nos finais de semana.

Christovam explica: “A esmagadora maioria das nossas associadas está sem caixa para fazer frente a mais um reajuste; não há como comprar o diesel para rodar, colocar um ônibus na rua com tanque vazio seria uma irresponsabilidade”.

Leia a nota na íntegra:


Novo reajuste do diesel vai reduzir a oferta de ônibus para a população, afirma NTU

Entidade que representa as empresas operadoras alerta para o risco de ruptura na oferta do serviço caso se confirme novo reajuste do combustível, que já subiu 35% nas refinarias só este ano.

Brasília, 05 de maio –  A população das cidades brasileiras pode enfrentar uma falta generalizada de transporte público se houver novo aumento do óleo diesel nos próximos dias. A avaliação é do presidente da NTU, Francisco Christovam, que afirma: “se não forem definidas fontes para cobrir esses  custos adicionais, as operadoras serão obrigadas a racionar o combustível e oferecer apenas viagens nos horários de pico, pela manhã e à tarde. No resto do tempo, os ônibus terão que ficar parados nas garagens. As empresas não querem praticar uma operação seletiva, atendendo apenas linhas e horários de maior demanda, mas serão obrigadas a adotar essa medida radical porque não suportam mais os sucessivos aumentos de custo e os prejuízos”.

A redução da oferta dos serviços representará um impacto direto na rotina de 43 milhões de passageiros que dependem desse serviço todos os dias; operando apenas nos horários de pico, os ônibus deixarão de rodar no meio da manhã e da tarde, à noite e nos finais de semana. “A esmagadora maioria das nossas associadas está sem caixa para fazer frente a mais um reajuste; não há como comprar o diesel para rodar, colocar um ônibus na rua com tanque vazio seria uma irresponsabilidade”, completa Christovam. “A consequência desse aumento, se vier, será a piora da qualidade do transporte. E é a população que sofre com o adiamento das medidas que precisam ser tomadas”.

O diesel é o segundo item de custo que mais pesa no valor da tarifa dos ônibus urbanos, depois da mão de obra, com uma participação média de 30,2% no custo geral das operadoras do transporte público. “Os aumentos registrados de janeiro para cá, da ordem de 35% nas refinarias, já representam um aumento nos custos do transporte público por ônibus em 10,6% só este ano.Esse impacto ainda não foi compensado por aumentos de tarifa ou subsídios por parte das prefeituras, que contratam os serviços de transporte público”, explica o presidente da NTU.

O receio dos empresários vem de notícias, veiculadas hoje na mídia, de que haverá novo aumento para corrigir a defasagem do preço do diesel na atual regra da Petrobras, de paridade com os preços internacionais do produto. Segundo cálculo da Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom), o reajuste teria que ser de 24% no diesel e 12% no preço da gasolina, motivados pela variação cambial e pelo aumento dos preços internacionais do petróleo. “O novo presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, já afirmou que vai manter a política de praticar preços de mercado para os combustíveis. Mas há uma guerra lá fora (entre Rússia e Ucrânia), ficamos numa situação muito difícil, insustentável”, afirma Francisco Christovam.

Para o presidente da NTU, a solução seria a adoção de mecanismos para a estabilização dos preços dos combustíveis, que vão da reformulação da estrutura tributária incidente sobre o diesel à adoção de políticas de  preços especiais para setores essenciais como o de transporte público. “O consumo de diesel do transporte público por ônibus nas cidades e regiões metropolitanas é de apenas 5% a 6% do total do consumo nacional; ter uma política diferenciada para esse segmento não impactaria significativamente a política de preços dos combustíveis”, completa Christovam.

Uma alternativa seria a  separação entre a tarifa pública, de utilização do ônibus, da tarifa técnica, ou de remuneração dos custos das operadoras, com a diferença sendo arcada pelo poder público. “Assim, os aumentos de custo decorrentes dos reajustes do diesel podem ser compensados sem onerar a tarifa do passageiro pagante, que já está excessivamente sacrificado com a alta da inflação”, explica Christovam.

A NTU propõe ainda a adoção de outras duas medidas para resolver o problema:  em primeiro lugar, a desoneração de todos os tributos que incidem sobre os insumos utilizados pelo transporte público, que representam, somados, uma carga tributária de 35,6%, extremamente elevada por incidir sobre um serviço essencial utilizado principalmente pela população de menor renda.

Em segundo lugar, o uso da parte que cabe ao Governo Federal dos resultados gerados pela Petrobras para compensar o impacto da alta do diesel utilizado pelos serviços de transporte público. Só no ano passado, a Petrobras teve um lucro líquido recorde de R$ 106,6 bilhões, sendo que o Governo Federal tem uma participação de 36,7% nesse resultado – que tende a aumentar com esses novos reajustes de preços.


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. vagligeiro disse:

    Há uns 5 anos atrás, me lembro que parte dos mesmos que reclamam dos problemas que sofrem no transporte público eram os mesmos que apoiaram a entrada dos responsáveis pelo governo atual.

    Desde então, não houve um momento que não vi a NTU reclamando da situação, sendo que já tinham projetos de sugestões de melhorias para o setor de transporte público que bastariam serem aplicados, e não foram pois motivos óbvios – o governo não aplicou.

    O pessoal do Idec sugeriu e cobrou posições. Parte das vozes públicas de discussão sobre transporte público sugeriram mudanças. Mas não, os empresários de Transporte Público vão empurrando com a barriga a antiga legislação, ou aceitando algo as cegas, como a ideia dos 7 milhões oriundos dos passes para idosos.

    A NTU é um órgão político. Aja politicamente. Crave uma posição. Combata o que faz mal para o transporte público – e não tou falando de “transporte clandestino”, até porque se parar para pensar bem, os mesmos empresários de transporte público são aqueles que investem em transporte de fretamento.

    E olha que interessante: parte das verbas que vinham do vale transporte para custear o transporte público hoje são injetadas no fretamento! Já pensaram nisso?

    Quaisquer crítica dos empresários DEVERIA vir com a mea culpa. Admitir as falhas. Na hora que ocorrer isso, não duvide que as pessoas terão empatia.

  2. Alex disse:

    É muita irresponsabilidade do governo deixar chegar na situação em q ñ compensa as empresas de ônibus operar devido o alto preço do combustível. E se aumentar muito a passagem vai sacrificar muito o povo pois os constantes aumentos abusivos dos combustíveis são muitos além dos reajustes salariais. Com todo esse impacto vai haver mais desemprego pois os patrões ñ vão querer arcar c possíveis alta das passagens

  3. Emanuel M. disse:

    Interessante é que o preço dos combustíveis podem subir a qualquer momento, menos nossos salários que vivem congelados e com reajustes mixurucas quando acontece. Esse desgoverno maldito vai paralisar a economia com essa tal visão de mercado fajuta. A Petrobrás tem que ser estatal 1000% e sem lucro$$$ pra acionistas, banqueiros, abutres de mercado, etc.,LUCRO$$$ SÓ PARA O POVO, OUVIRAM BOLSONARO E PAULO GUEDES, E VCS DA JOVEM TAMBÉM QUE ADORAM E BAJULAM ESSE TAL MERCADO DE VICIADOS MM DINHEIRO?

  4. Sufsk8 disse:

    O que querem é mais repasse dos governos…..sempre a mesma choradeira, deveria estatizar tudo, aí acabava com essa lenga lenga, prestam um serviço ruim e só reclamam e pedem subsídio o tempo todo, na hora de tirar os cobradores e aume tar o cintingente de desempregados, não pensaram duas vezes….tb não conheço nenhuma empresa de onibus que o dono seja classe média e wsteja passando dificuldade na vida pessoal, tudo milionário reclamando pra tentar morde mais dinheiro do governo, coisa que eles sempre dão um jeito de fazer….e garanto que a enorme maioria votou e apoiou esse desgoverno, assim como apoiaram a saída de dilma e a entrada de temer, o responsável por essa política criminosa de paridade internacional dos combustíveis…..e se ta ruim pra dono de empresa, imagina pro trabalhador, que além de não ter subsidio nenhum, ganha mal e tem parte da esmola mensal chamada salário roubada pelo estado pra custear empresário rico…..esse país ta de um jeito que nem o poste consegue mijar mais no cachorro, mais de 40 anos de idade, vivi na época de hiperinflação e nem naquele tempo tava tão ruim…..e parabéns a todos que colaboraram pra isso, agora não adianta chorar, nera isso que queriam, então toma seu neoliberalismo!!!!

  5. Luiz Carlos da Silva Junior disse:

    Defasagem dos preços da mídia ainda divulga isso Petrobrás não e pra dar lucro e sim pra servir o Brasil !!¡!!

Deixe uma resposta