CET diz que Faixa Azul para motos na 23 de maio entra no terceiro mês sem acidentes graves

Ainda de acordo com companhia, índice de utilização se mantém em 88%, prefeitura que mais faixas deste tipo na capital

ADAMO BAZANI

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) da capital paulista divulgou nesta terça-feira, 26 de abril de 2022, o balanço de terceiro mês de faixa azul para motos, implantada experimentalmente na Avenida 23 de maio, sentido Santana/Aeroporto, entre a Praça da Bandeira e o Complexo Viário Jorge João Saad.

Segundo o órgão, o espaço entra no terceiro mês sem registro de acidentes com óbitos ou pessoas feridas com gravidade envolvendo motos no local da faixa.

Ainda de acordo com a CET, a “fluidez continua apresentando melhoras com diminuição de 5,5% da lentidão (1,06 para 1,0) quando comparado ao mesmo período de 2019 (antes da pandemia).”

De acordo com o relatório do segundo mês, na mesma comparação, havia sido registrada diminuição de 35% da lentidão (1,17 para 0,76) .

A faixa azul permanece com o índice de utilização de cerca de 88% pelos motociclistas nos horários de pico.

A CET diz que já solicitou para a SENATRAN autorização para a expansão da Faixa Azul e aguarda a deliberação do órgão.

Por meio de nota, a CET relaciona os sinistros com motos em janeiro, fevereiro e março:

Março:

– Fora do espaço da faixa azul: quatro sem vítima e quatro vítima leve. Os motoristas dos veículos não sinalizaram a mudança de faixa com a seta e colidiram de leve com as motocicletas.

– No espaço da faixa azul: um sem vítima e um com vítima leve, também causados pelo não uso da sinalização de seta ou pelo movimento brusco de troca de faixa.

Fevereiro:

 

– Fora do espaço da faixa azul: um sem vítima e um com vítima leve. Os motoristas dos veículos não sinalizaram a mudança de faixa com a seta e colidiram de leve com as motocicletas.

– No espaço da faixa azul: três sem vítima e um com vítima leve, também causados pelo não uso da sinalização de seta ou pelo movimento brusco de troca de faixa.

Janeiro

– Fora do espaço da faixa azul: sete sinistros sem vítima e quatro com vítima. Os motoristas dos veículos não sinalizaram a mudança de faixa com a seta e colidiram de leve com as motocicletas.

– No espaço da faixa azul: quatro sem vítima e um com vítima leve, também causados pelo não uso da sinalização de seta ou pelo movimento brusco de troca de faixa.

– Um funcionário que fazia a zeladoria no canteiro central da Avenida 23 de Maio, ao lado da faixa azul, foi atingido por um veículo que trafegava de forma perigosa no local

– O motociclista que trafegava pela faixa azul teve um mal súbito (desmaio) e caiu dentro do espaço, mas não houve interferências ou acidentes envolvendo outros veículos.

Segundo a companhia, na mesma nota, “ao organizar o fluxo de veículos, retirar as tachas da sinalização horizontal e orientar os espaços compartilhados, evitou-se os conflitos existentes entre autos e motos. Graças a isso, o trânsito fluiu sem as rotineiras disputas com buzinas, estresse e o hábito de mudança entre faixas sem necessidade (o famoso “costurar”).”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta