São Roque renova contratação emergencial da Jundiá para o transporte municipal

Foto: Gabriel Brunhara / Ônibus Brasil

Empresa atuará por mais seis meses no município a um custo de R$ 9,6 milhões, valor 36% superior ao primeiro contrato firmado há um ano; no período, no entanto, o valor da tarifa foi reduzido duas vezes

ALEXANDRE PELEGI

A Prefeitura de São Roque, no interior de São Paulo, publicou oficialmente nesta quarta-feira, 26 de janeiro de 2022, mais uma contratação em caráter emergencial da Jundiá Transportadora Turística Ltda.

O contrato será de R$ 9,6 milhões (R$ 9.647.810,46) por 180 dias como determina a Lei 8.666/93.

A Jundiá começou a operar emergencialmente em São Roque em fevereiro de 2021 em ato de dispensa de licitação, o que agora se repete pela terceira vez.

A prefeitura justifica a contratação emergencial pela importância que o serviço possui para a cidade “e principalmente para a população menos favorecida que mora nas localidades mais distantes da área central”.

A primeira contratação da Jundiá ocorreu após a prefeitura anunciar em 11 de fevereiro de 2021, a nulidade e rescisão do contrato de prestação do transporte coletivo municipal operado pela empresa Mirage Transportes. O valor na época foi de R$ 7 milhões (R$ 7.059.068,16).

No dia 15 de setembro de 2021 a prefeitura publicou nova contratação emergencial da Jundiá, por dispensa de licitação, para que a empresa continuasse o atendimento do serviço de transporte público municipal. O contrato foi assinado no dia 31 de julho no valor de R$ 8.262.509,34.

Ou seja, em um ano o valor da contratação subiu 36%, mas em contrapartida a tarifa foi reduzida no período, além da prefeitura propor transporte gratuito para os servidores municipais, o que depende de aprovação da Câmara Municipal.

No dia 1º de janeiro de 2022, o valor da tarifa de ônibus municipais em São Roque passou de R$ 3,00 para R$ 2,75 no cartão (redução de 8,33%) e de R$ 3,50 para R$ 3,25 no pagamento em dinheiro (redução de 7,14%).

Foi a segunda queda no valor da tarifa de ônibus no sistema operado pela empresa Jundiá, como explicou, em nota, o prefeito de São Roque, Guto Issa.

“Em menos de um ano reduzimos duas vezes o valor da passagem do ônibus. Um momento inédito na história da nossa cidade, que hoje passa por uma revolução no seu transporte público, oferecendo um serviço que traz conforto, segurança, eficiência e economia a população”, afirmou.

LICITAÇÃO EM ANDAMENTO

Enquanto isso, a prefeitura se prepara para lançar o edital de licitação do sistema de transporte coletivo. No dia 5 de janeiro de 2022, a prefeitura realizou audiência pública para apresentar como será o novo sistema de transporte municipal.

Como mostrou o Diário do Transporte, em setembro de 2021 a administração municipal contratou uma empresa especializada para elaboração do projeto para concessão dos serviços do Sistema de Transporte Coletivo do município. Relembre:

São Roque assina contrato de R$ 40 mil para modelagem do projeto para concessão do sistema de ônibus

Na audiência pública, a prefeitura apresentou os parâmetros que orientarão o edital do certame, e que deverão ser obedecidos pela empresa que assumir a concessão dos serviços.

De acordo com a prefeitura, a vencedora da licitação deve possuir 23 veículos na cidade (21 em operação e dois reservas), todos com três portas, suspensão a ar, e idade máxima de dois anos de uso no início da operação.

Dentre os planos apresentados, estão previstos para o futuro a ampliação da frota, além da reforma da atual rodoviária, a construção de terminais de transbordo no Largo dos Mendes e na Praça da República.

Há previsão ainda de se construir uma nova rodoviária fora da área central, transformando o espaço atual num terminal urbano e metropolitano.


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. vagligeiro disse:

    A ideia de uma rodoviária fora da área urbana é legal na teoria.

    Na prática, o ponto é que São Roque só tem serviços rodoviários da Cometa em operação. Os serviços atuais intermunicipais são regionais / metropolitanos, atendendo:

    Metropolitano:
    – Ibiúna
    – Piedade
    – Araçariguama
    – Alumínio
    – Mairinque
    – Sorocaba
    (todas acima via Rápido Campinas sob concessão EMTU).

    Regional:
    – Cotia
    – Pirapora do Bom Jesus (eventual – dois horários)
    – Itapevi
    (estas via Danúbio Azul, Grupo Bragança, sob fiscalização ARTESP)

    A não ser que São Roque e Araçariguama façam uma parceria para fazer uma rodoviária ou em Araça mesmo ou na divisa entre Araça e São Roque. Raposo Tavares não tem tido tanta operação de serviços rodoviários regulares entre São Paulo e Sorocaba, diga-se de passagem. A única operação do trecho é do serviço entre São Paulo e Piedade / Tapiraí da Danúbio Azul. Os serviços da Cometa que seguiam pela Raposo fazendo paradas em Cotia, Vargem Grande, São Roque, Mairinque e Sorocaba, aparentemente não operam desde o fim da pandemia.

    Em tempos: creio que São Roque falhou quando se recusou a autorizar a CPTM a fazer uma extensão operacional na cidade. Seria uma forma relevante de integrar a cidade e com isso a modelação das linhas serem mais eficientes, usando o trem como extensão.

Deixe uma resposta