História

HISTÓRIA: Momentos da linha 151 entre Santo André e São Paulo, via Rudge Ramos

Uma das ligações mais tradicionais do ABC Paulista também entrou numa nova fase dos transportes

ADAMO BAZANI

Uma das linhas intermunicipais de ônibus mais tradicionais do ABC Paulista também entrou numa nova fase dos transportes da região e passou a ser operada pela NEXT Mobilidade. Os serviços metropolitanos gerenciados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) no local passam por reformulação.

A linha 151 (hoje Santo André-Jardim Cambuí/São Paulo-Fábrica Trol) desde o início da década de 2000 era de responsabilidade da empresa Urbana, do Grupo Baltazar José de Sousa, que deixa de operar no ABC.

A 151, antes mesmo de ser denominada por numeração, certamente contribuiu muito para o desenvolvimento de importantes bairros do ABC, como, em Santo André; o Bairro Paraíso, a Vila Assunção, o centro, o Valparaíso, e em São Bernardo do Campo; a Vila Vivaldi, o Rudge Ramos, por exemplo.

A empresa que mais tempo passou operando a linha foi a Viação Padroeira do Brasil, fundada em 1959. Mas a origem da linha é bem mais antiga e, em seus primórdios, a operação era da Viação Vila Assunção, fundada entre o fim dos anos 1940 e início de 1950.

A linha ia ficando maior de acordo com o desenvolvimento do ABC, que se tornava industrializado, atraía investimentos, oferecia oportunidades e, com isso, via sua população ampliada, aumentando a necessidade por transportes.

Da Vila Assunção para a Estação de Trem de Santo André, do Bairro Paraíso para a Estação de Trem e o bairro Rudge Ramos em São Bernardo do Campo até chegar na cidade de São Paulo perto da Fábrica Trol, tradicional indústria de brinquedos.

No meio deste caminho, surgiram casas, fábricas, lojas, shoppings, hospitais, universidades, o que pode ser traduzido em conquistas, esperanças, oportunidades e sonhos.

O charme da pintura da Viação Padroeira, com a parte inferior da lataria (saia) na cor verde escuro, a imagem de Nossa Senhora Aparecida no meio e a faixinha vermelha sob as janelas, para indicar que a linha era intermunicipal, foi uma das que mais marcaram na história dos transportes da região.  A Viação Padroeira do Brasil também tinha linhas municipais, que eram identificadas com a faixinha azul.

Na imagem, o Diário do Transporte traz alguns momentos da tão importante linha de ônibus para o ABC.

Em sentido horário, da esquerda para a direita:

– Marcopolo San Remo/Mercedes-Benz – Viação Padroeira do Brasil – anos 1980 (uma das frotas mais longevas em operação)

– Ciferal Padron Alvorada – Viação Padroeira do Brasil – anos 1980/1990, com a cor amarelo-mostarda da empresa Evanil do Rio de Janeiro, de onde o ônibus veio usado

– Caio Vitória/Mercedes-Benz – Viação Padroeira do Brasil – anos 1990, com a retomada da pintura tradicional

– Micro-ônibus Caio Piccolo – Empresa Urbana – anos 2000, já com nova companhia e a primeira pintura padronizada da EMTU

– Mascarello Gran Via/Volkswagen – em 2021, uma das últimas frotas da Empresa Urbana na linha.

– Caio Apache Vip IV/Mercedes-Benz, em 15 de janeiro de 2022, primeiro dia de operação da linha pela NEXT Mobilidade, que faz parte da reformulação dos transportes no ABC: ônibus veio 0 km para a empresa e tem ar-condicionado, entradas USB para carregamento de celulares, vidros colados e acessibilidade.

Claro que a linha teve outros modelos e pinturas, como a chamada “santa estilizada”, pela qual do contorno da imagem da Padroeira do Brasil saíam raios azuis, muito bonita por sinal.

Mas vale um registro para mostrar como os transportes são dinâmicos e podem refletir momentos diferentes da urbanização, política, economia e, principalmente, de histórias pessoais, afinal, transporte é feito por pessoas para servir a pessoas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Larissa Kislius Rodrigues disse:

    Que lembrança boa! Usava o ônibus da Viação Padroeira, com a faixa vermelha, todos os dias! Lembro do perrengue que era entrar no ônibus (sentindo centro S.A.) a partir das 17h, por causa do horário de saída dos funcionários da Trol. Vida longa para está linha!!

  2. PEDRO TORQUATO DA SILVA disse:

    Vendo esses ônibus da viação padroeira que saudade quando eu trabalhei na trol eu pega alí na Bernardino de Campos um especial que saia da li muito boa lembrança obrigada.

  3. Leonardo Noriyasu Jahana disse:

    Minha infância, andamos muito na aviação Padroeira, hoje linha B51, Jd.Bom Pastor/Jd.Oriental.

  4. Paulo Bellan disse:

    Talvez vcs não saibam mas na década de 1960 teve uma briga entre a Padroeira e a Viação ABC e uma invadia o itinerário da outra.

Deixe uma resposta