História

HISTÓRIA EM RETRATOS: Cenas dos Transportes do Rio Grande do Sul, o lugar da paixão por ônibus

Mario Custódio traz registros que fez entre 1995 e 2011 que marcaram empresas e sistemas no Estado

ADAMO BAZANI

A paixão por ônibus é exatamente como o próprio ônibus: não tem fronteiras, está em toda a parte e é literalmente para todos (inclusive numa alusão do significado da origem da palavra, em latim, omnibus que significa justamente para todos), independentemente de idade, classe social, gênero ou qualquer outro fator.

Entretanto, parece que em alguns lugares do Brasil esta paixão se revela de maneira mais evidente e, um deles, é o Rio Grande do Sul.

O Estado hoje é sede de fabricantes importantes de carrocerias de ônibus, como Marcopolo, Comil, Bepobus, Maxibus (EMA/Metalbus), e indústrias de componentes.

O Rio Grande do Sul também abrigou fabricantes que não atuam mais, porém, marcaram a história e contribuíram para a evolução do ônibus no Brasil, como Asirma, Eliziário, Nicola (que na verdade é a origem da Marcopolo), Furcare (dona da marca Nimbus), Incasel (a origem da Comil), entre tantas outras.

Não é à toa que clubes de fãs de ônibus e um grande número de veículos históricos restaurados são do Rio Grande do Sul.

E na última edição de 2021 do “História em Retratos”, o pesquisador e consultor em transportes, Mario dos Santos Custódio, faz uma homenagem ao Rio Grande do Sul e traz registros que fez entre 1995 e 2011, de empresas como ACV, Citral, Leal, Nova Palmira e Vitória, com os modelos Marcopolo Viaggio, Marcopolo Allegro de duas portas, Monobloco Mercedes-Benz O-362, Marcopolo Torino de uma porta e Comil Condottiere

Acompanhe o relato e, logo abaixo, as fotos:

Olá Amigos deste conceituado Diário do Transporte. Chegamos à Coluna 20 e também ao fim de nosso passeio pelo Brasil através da História em Retratos, iniciada lá nos Estados de Roraima e Amazonas, em fevereiro de 2021.

Nos arquivos do Diário do Transporte poderão rever os ônibus que singram a Selva Amazônica, das empresas Amatur, Aruanã, Emtram, Eucatur e Transul, empresas que fotografei outrora.

A Amatur, por exemplo, estava na linha Boa Vista – Bonfim, na divisa com Lethem, cidade da Guiana Inglesa (vejam lá, é muito fácil, bastando entrar no Diário do Transporte e escrever no campo Pesquisar o termo “História em Retratos”).

Enfim, durante 2021 passeamos de norte a sul do Brasil em ônibus históricos e chegamos hoje ao Rio Grande do Sul. E neste Estado da Federação ocorre o mesmo que com o Rio de Janeiro (Coluna 17, de setembro de 2021), ou seja, há milhares de fotos de ônibus tiradas por admiradores, colecionadores, historiadores e pesquisadores do tema ônibus.

Portanto, o desafio é realmente muito grande, até porque minhas idas ao Rio Grande do Sul foram poucas, mas não menos interessantes quando se trata de conhecer as belezas do Estado e sua gente acolhedora. Fui a turismo e a trabalho. Trabalho e turismo é o que não faltam por lá. Ônibus também não. O Estado é muito bem servido por inúmeras empresas e linhas de ônibus.

Decidi então apresentar ônibus com carrocerias clássicas, em modelos diversificados, em fotos tiradas por mim entre 1995 e 2011.

Nesta edição escolhi cinco fotos que tirei das seguintes empresas e seus veículos:

1 – ACV, número 19, Viaggio, na linha Porto Alegre – Sertão do Herval;

2 – CITRAL, número 1704, Allegro (duas portas), na linha Porto Alegre – Taquara;

3 – LEAL, número 30, O-362, na linha Porto Alegre – Guaporé (atentem para as instalações da antiga RFF – Rede Ferroviária Federal, ao fundo);

4 – NOVA PALMIRA, número 500, Torino (uma porta), na linha Temerária – Nova Petrópolis; e

5 – VITÓRIA, número 360, Condottiere, na linha Porto Alegre – Charqueadas.

Finalizando, agradeço aos leitores que tiveram oportunidade de acompanhar a História em Retratos desde maio de 2020, quando saiu a primeira edição desta Coluna, com a matéria sobre “A rua que descem os ônibus”, referência à Rua Siqueira Campos, em Santo André – SP, onde de fato descem quase todas as linhas de ônibus da cidade.

Texto inicial: Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Mario dos Santos Custódio, pesquisador e consultor em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta