Contratações no setor de transporte rodoviário têm alta de 30%

Gontijo contratou mais de 600 profissionais, sendo aproximadamente 500 motoristas. Foto: Divulgação.

Levantamento da Abrati considera período de agosto a dezembro de 2021

JESSICA MARQUES

As contratações no setor de transporte rodoviário do Brasil apresentaram uma alta de 30%.

O levantamento foi divulgado pela Abrati (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros), considerando o período de agosto a dezembro de 2021.

Em nota, a associação informa que os números reforçam o cenário de retomada das empresas do setor, que, para atender ao aumento na demanda, voltaram a contratar. A pesquisa foi feita considerando as associadas.

Em dezembro, há vagas abertas em todas as áreas do setor de transporte rodoviário regular de passageiros, desde cientistas de dados até analistas de conteúdo de redes sociais. No entanto, os motoristas ainda são os profissionais mais procurados e lideram a lista de contratações no período.

A Gontijo, tradicional empresa do setor, é um dos exemplos desse cenário. A empresa anunciou cerca de 600 contratações de rodoviários para o período, em Minas Gerais e São Paulo, sendo cerca de 500 motoristas.

“Se a procura por viagens seguir nesse ritmo crescente como se espera, este percentual pode subir para 35% até janeiro de 2022 quando começa a temporada de férias”, afirma a conselheira e porta-voz da Abrati, Letícia Pineschi.

78 MIL MOTORISTAS

Ainda de acordo com a Abrati, atualmente o transporte rodoviário regular emprega cerca de 78 mil motoristas.

No entanto, segundo a associação, contratar profissionais com a especialização necessária não tem sido tão fácil quanto em outros tempos.

“Principalmente no caso dos motoristas, que precisam estar preparados para conduzir os diversos tipos de equipamentos disponíveis nas frotas nacionais, e têm que atender ao nível de exigência quanto a perícia para garantir o padrão de segurança para passageiros e todos que estão nas rodovias.”

SALÁRIOS

Atualmente, os ganhos mensais de um condutor rodoviário interestadual são variados por regiões do País, capitais e ligações entre cidades do interior.

Segundo a associação, a média de remuneração de um motorista rodoviário entre eixos de capitais pode chegar a R﹩3.700 quando contabilizadas gratificações, adicional de serviço noturno, horas extras e benefícios oferecidas à categoria, como plano de saúde, odontológico, seguro de vida, entre outros.

Além disso, as empresas regulares do setor rodoviário oferecem descanso assegurado em pontos de apoio e paradas adequadas, jornadas sadias, e os alojamentos limpos e com todos os protocolos de segurança assegurados.

A contratação também obrigatoriamente se dá com registro em carteira, diferente de outros setores de transporte de passageiros que admitem freelancers ou profissionais que ganham por viagem e dormem até mesmo dentro de bagageiros, como pode ser observado em inúmeras denúncias sobre transporte clandestino.

EXIGÊNCIAS

A seleção para o cargo conta com diversas etapas e exigências. As principais são:

– o motorista deve estar habilitado na categoria D (licença que permite ao motorista dirigir veículos motorizados utilizados no transporte de passageiros, cuja lotação exceda a oito lugares, excluindo o motorista) e ter o curso especializado para condutores de veículos de coletivo de passageiros, conforme a resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), que é oferecido pelo Serviço Social do Transporte (SEST) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) em todo o Brasil.

– o curso exige que o interessado tenha 21 anos ou mais, além de não ter cometido nenhuma infração grave ou gravíssima ou ser reincidente em infrações médias nos últimos 12 meses. Ele também não pode ter sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) cassada por conta de crime de trânsito, e nem estar cumprindo pena de suspensão do direito de dirigir.

Vale ressaltar que o curso tem a duração mínima de 50 horas e os conteúdos aliam teoria e prática, envolvendo temas como visão sistêmica do setor, condução segura e econômica, transporte de pessoas com deficiência e atendimento eficaz ao cliente.

Além disso, a cada cinco anos, os motoristas são obrigados a manter seus cursos atualizados. Internamente, as empresas regulares do setor rodoviário também realizam constantes capacitações das áreas técnicas e interpessoais, testes toxicológicos periódicos e randômicos. Muitas delas ainda investem em medicina do sono, um programa que visa melhorar a qualidade do sono e a vigília dos motoristas.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Edivaldo cirqueira de santana disse:

    Alguém tem o e-mail dessa maravilha empresa para envio de currículo

Deixe uma resposta