Terminais de ônibus de São Paulo recebem exposição para debater violência contra a mulher

‘Corpos das Penhas’ destaca importância da Lei Maria da Penha

ADAMO BAZANI

Quatro terminais de ônibus de São Paulo recebem a exposição “Corpos das Penhas”, em referência à Lei Maria da Penha, para debater a violência contra a mulher.

Os espaços, cedidos pela SPTrans, são nos seguintes terminais:

– Terminal Santo Amaro

Data: de 22/11 a 26/11

 – Terminal  João Dias

Data: 29/11 a 3/12

 – Terminal Capelinha

Data: 6/12 a 10/12

 – Terminal Campo Limpo

Data: 13/12 a 17/12

Das 9h às 16h

Gratuito

A exposição consiste em totens de madeira com silhuetas de mulheres que carregam uma placa no peito com o resumo de suas histórias trágicas de violência doméstica.

Segundo a SPTrans, a atividade é feita em parceria com o “Centro de Defesa e Convivência da Mulher (CDCM) – Mulheres no Campo Limpo”, conveniado com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social.

De acordo com o CDCM, o objetivo maior é promover a reflexão entre as pessoas que usam esses terminais e informar à população sobre onde procurar ajuda quando necessário. Durante o período da mostra, estarão no local pessoas da equipe de setores estratégicos para orientar as mulheres, com orientação jurídica, de saúde e psicológica.

Por meio de nota, a SPTrans cita outras ações para ajudar na conscientização quanto à necessidade de maior engajamento da sociedade no combate à violência de gênero.

Entre outras ações de combate à violência contra a mulher, a SPTrans mantém a campanha “Ponto Final ao abuso Sexual nos ônibus de SP” no Jornal do Ônibus, em adesivos e em suas redes sociais com orientações e informações sobre o tema. Ônibus adesivados também circulam pela cidade com o título da campanha.

 Em março deste ano, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Executiva de Mobilidade Urbana (SETRAM), da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) e da SPTrans, inaugurou o Posto de Apoio à Mulher, localizado no mezanino do Terminal Sacomã, na Zona Sudeste. No local, mulheres vítimas de abuso sexual e violência doméstica têm acolhimento e atendimento qualificado.

Ainda na nota, a empresa destaca quais os canais oficiais que podem ser procurados para apoio às vítimas de violência doméstica.

O Centro de Defesa e Convivência da Mulher – Mulheres Vivas é um espaço de política pública de garantia de direitos da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social da cidade de São Paulo. O CDCM – Mulheres Vivas no Campo Limpo é gerido pela Organização Social União Popular de Mulheres de Campo Limpo e Adjacências que é conveniada à Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social.

A União Popular de Mulheres do Campo Limpo e Adjacências, ou UPM, foi fundada em 1987 a partir da mobilização de um grupo de mulheres de diversos bairros da região que, desde os  anos 70, se organizou para reivindicar do poder público a atenção para os graves problemas que haviam na região como verminoses, desnutrição, mortalidade infantil, falta de creches, postos de saúde, escolas , entre outras carências de serviço público.

https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/assistencia_social/rede_socioassistencial/mulheres_vitimas_de_violencia/index.php?p=3212

 

https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/direitos_humanos/mulheres/rede_de_atendimento/index.php?p=209599

 

http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/Violencia_Domestica/Rede_de_Atendimento/CDCMS

 

  Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta