ENTREVISTA: Trans-Bus e intermunicipais da Parque das Nações operam somente até sexta (24), diz presidente do Sintetra

Trans-Bus ofereceu parcelamento de verbas rescisórias e Parque deve usar férias até se reestruturar para proposta

ADAMO BAZANI

Ouça na íntegra:

A Trans-Bus Transportes Coletivos Ltda, que opera linhas metropolitanas da EMTU no ABC Paulista, só vai funcionar até à próxima sexta-feira, 24 de setembro de 2021.

A informação é do presidente do Sintetra, sindicato que representa os trabalhadores em transportes coletivos na região, Leandro Mendes da Silva, em entrevista ao Diário do Transporte na noite desta quarta-feira, 22 de setembro de 2021.

Também há possibilidade de prestar serviços somente até sexta-feira (24) a TCPN (Transportes Coletivos Parque das Nações Ltda).

As empresas alegam ter sido atingidas pelos efeitos econômicos da pandemia de covid-19

Nesta quarta-feira (22), como noticiou o Diário do Transporte, foram realizadas duas assembleias no Sintetra para discutir a proposta de parcelamento das verbas rescisórias por parte da Trans-Bus.

Leandro Mendes da Silva disse que na segunda-feira (27) deve ser realizada uma nova assembleia para os trabalhadores decidirem se aceitam ou não.

O líder sindical disse que a proposta não é a ideal, mas é a possível para o momento de crise dos transportes.

“A proposta da Trans-Bus não é a das melhores, mas no momento que a gente está passando, acho que não é uma das piores também. É uma proposta que dá para discutir” – disse.

A proposta, em resumo é a seguinte:

– 20% da multa do FGTS;

– saldo rescisão c/ 2 avisos;

– indenização de 10% sobre saldo da rescisão;

– 2 meses de convenio médico;

– valor das parcelas de 80% do salário contratual (o que equivale ao liquido recebido).

Sobre a Parque das Nações, conhecida entre a categoria dos trabalhadores em transportes como “Parquinho”, Leandro disse que a linha municipal I 08 (Hospital Mário covas – Bairro Paraíso/Jardim das Maravilhas), de Santo André, continua com a empresa, mas que as metropolitanas EMTU só deve operar até sexta-feira. De acordo com o sindicalista, a empresa deve inicialmente colocar os funcionários em férias para tenta apresentar uma proposta.

“A gente conversou com um dos sócios e, segundo ele, a partir de sábado, estará parando com a intermunicipal. Perguntamos se ele teria como fazer a proposta como a Trans-Bus fez e ele falou que no momento não teria condições de pagar e fazer a mesma proposta. Ele garantiu que não vai deixar os funcionários a ‘ver navios’ . A linha municipal que tem cinco ônibus vai continuar rodando. O sócio falou que tem muitas férias para dar. Metade dos funcionários deve entrar em férias e quando voltarem, a outra metade entra.” – disse Leandro que afirmou que é uma forma de a empresa Parque das Nações se organizar.

A sucessão das linhas metropolitanas tanto da Trans-Bus quanto da Parque das Nações ainda será definida de forma oficial, mas Leandro lembrou que está em implantação gradativa um novo sistema da EMTU no ABC Paulista, pelo qual os serviços intermunicipais devem passar integralmente até março de 2022 para a Next Mobilidade.

A Next Mobilidade é uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) criada no âmbito da reformulação dos transportes no ABC gerenciados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), prevista no aditivo de R$ 22,6 bilhões do contrato de 1997 da Metra pelo Corredor ABD de ônibus e trólebus. O contrato foi prolongado por 25 anos e, como contrapartida, a SPE terá de construir um BRT de ônibus elétricos, modernizar o corredor de trólebus e operar as 97 linhas remanescentes da antiga Área 5 da EMTU.

O contrato não prevê que a Next Mobilidade assuma passivos trabalhistas ou mesmo contratações referentes às outras empresas.

Leandro Mendes da Silva também disse que será possível absorver ao menos 80% dos funcionários da Trans-Bus e da Parque das Nações nas empresas de ônibus que atuam no ABC.

A Trans-Bus foi criada por Luiz Fogli, em 16 de abril de 1964. Já a Parque das Nações foi fundada em 08 de agosto de 1956 pelos irmãos Antônio Sófio e Eunízio Sófio.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Carlos Eduardo de Souza disse:

    Triste ver empresas familiares sucumbindo. Mas é a realidade. Cabeça pra cima e vamos pra batalha do dia a dia.

  2. carlos souza disse:

    Falência ética e moral generalizada.Em outras palavras:o Mundo acabou mesmo de vez porque sempre se agarrou em um sistema criminoso e ilegal.A prova mais recente é a Assembléia Geral da ONU de 2021.Um verdadeiríssimo show de mentiras e hipocrisia.O discurso do Bozogado é de dar nojo.Em que planeta,ou melhor,em que Universo eles vivem?Nesse é que não é,até porque,esse universo sem moral nem legitimidade nenhumíssima já acabou faz tempo.

  3. Gonzalez disse:

    É uma desgraça existir monopólio nos dias atuais! Tá com cheirinho de propina…

  4. Laís disse:

    Meu pai é um dos Funcionários da empresa, e está vivendo esse choque de “do nada” perder seu emprego..
    Aonde vamos parar?
    agora serão famílias sem ter seu ganha pão diário, em plena pandemia que não nos dá um pingo de esperança de melhora…
    e ainda terão seus direitos pagos pela metade e em parcelas…

    Lamentável!

    1. alexandrovl disse:

      uma pena mesmo, tomara q a next consiga recontratá-lo.

  5. Cristiane Souza Borges da Silva disse:

    Alguém sabe informar se alguma outra empresa irá fazer esse trajeto? Comecei usar essa linha a pouco tempo p trabalho, alguém sabe???

    1. alexandrovl disse:

      interessante sair bem mais cedo nos primeiros dias, nao se sabe se a empresa vai manter a mesma qualidade!

Deixe uma resposta