Santo André (SP) realiza Pesquisa Origem Destino para mapear deslocamentos dos munícipes

Entrevistas serão feitas presencialmente, para saber meios de transporte utilizados, tempo de trajeto, entre outras informações. Foto: Adamo Bazani.

Mapeamento será feito durante três meses e integra o Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

JESSICA MARQUES

A Prefeitura de Santo André, no ABC Paulista, informou que já deu início a mais uma etapa da Pesquisa Origem e Destino. O objetivo é mapear o deslocamento diário dos andreenses.

O estudo é feito por meio de entrevistas domiciliares. Ao todo, serão 3 mil residências consultadas.

“A Pesquisa Origem Destino faz parte do PlanMob (Plano de Mobilidade Urbana Sustentável) Santo André. A coleta destes dados vai levantar os locais de origem e destino das viagens, os motivos dos deslocamentos, os modos de transporte utilizados, os tempos consumidos nos trajetos, além de outras informações que serão utilizadas para o entendimento dos padrões de movimentação da sociedade”, detalhou a Prefeitura, em nota.

METODOLOGIA

Segundo a Prefeitura, para a realização da pesquisa, uma equipe de mais de 80 profissionais estará em campo. As entrevistas serão feitas utilizando um aplicativo instalado em um celular próprio. Os entrevistadores abordarão os domicílios de segunda a domingo, das 9h às 18h, trajando camiseta, crachá, máscara e boné com a identificação da pesquisa, além de portarem álcool gel.

A administração municipal garante que os pesquisadores foram especialmente treinados para cumprir todos os protocolos de segurança sanitária, mantendo sempre uma distância segura dos entrevistados. Além disso, só foram admitidos para contratação profissionais que comprovaram ter tomado, no mínimo, a primeira dose da vacina contra covid-19.

Ainda segundo a Prefeitura, a metodologia da pesquisa, que é domiciliar e presencial, “exige que todos os moradores dos domicílios sorteados tenham os dados sobre os seus deslocamentos coletados, respondendo pessoalmente as questões”. As entrevistas duram no máximo 30 minutos.

Para mais informações sobre a pesquisa e sobre o PlanMob Santo André, basta acessar o site www.planmobsantoandre.com.br.

DIAGNÓSTICO

A partir da pesquisa, o Plano de Mobilidade Urbana vai construir um mapeamento e diagnóstico da situação atual da mobilidade urbana de Santo André, dentro do contexto urbano da Região Metropolitana de São Paulo.

De acordo com a Prefeitura, o prognóstico balizará as ações no curto (5 anos), médio (15 anos) e longo prazo (25 anos), promovendo propostas para melhoria das condições de circulação de pessoas e de cargas, bem como a integração entre os diferentes modos de transporte (sistemas urbanos de transporte público, pedestres, cicloviário, metroferroviário e distribuição de carga).

“Com as ações realizadas seremos certamente, em um curto espaço de tempo, protagonistas regionais no desenvolvimento de políticas públicas que melhorem a mobilidade e a vida das pessoas. Em Santo André temos importantes obras viárias que saíram do papel, como a duplicação do viaduto Adib Chammas, o complexo Santa Teresinha, além da construção de corredores de ônibus”, disse o prefeito Paulo Serra.

PLANO DE MOBILIDADE

A Secretaria de Mobilidade Urbana de Santo André firmou contrato em janeiro deste ano com a empresa Oficina – Engenheiros Consultores Associados LTDA. A contratação tem vigência de 24 meses e se refere à elaboração do Plano de Mobilidade Urbana (PMU) do Programa de Mobilidade Sustentável de Santo André. A proposta integra o pacote de exigências do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), que financia obras e projetos de mobilidade em Santo André.

O projeto integral financiado pelo BID abrange ainda a duplicação do viaduto Antonio Adib Chammas, que já foi entregue, a obra do Complexo Viário Santa Teresinha, e a qualificação e construção de quatro quilômetros de corredores municipais de transporte.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Peterson disse:

    Já poderiam colocar uma faixa reversiva no viaduto de Utinga (rua Sumaré), pois no horário de pico o trânsito é caótico para quem está descendo sentido avenida dos Estados.

Deixe uma resposta