Fiscalizações sobre a RIL continuam mesmo com empresa tendo atividades suspensas, diz Artesp

Companhia é acusada de cometer irregularidades como operar em trajetos sem autorização e não ter pontos de vendas permitidos pela agência reguladora; Expresso de Prata já está operando no lugar

ADAMO BAZANI

Mesmo tendo as atividades suspensas, a empresa de ônibus RIL, de Bauru, no interior paulista, continuará sendo alvo de uma força-tarefa de fiscalizações por parte da Artesp, agência que regula os transportes no Estado de São Paulo.

A informação é da agência por meio de nota nesta sexta-feira, 03 de setembro de 2021, ao Diário do Transporte.

“A ARTESP continuará promovendo uma força-tarefa de fiscalização nos locais irregulares de venda de passagens e de embarque e desembarque de passageiros adotados pela RIL. Vale lembrar que a Agência tolera o embarque e desembarque de passageiros do transporte intermunicipal fora do Terminal Rodoviário, porém, desde que não haja porte de bagagens” – diz parte da nota (veja abaixo na íntegra).

A suspensão das atividades foi determinada em 01º de setembro e, no dia 02, a empresa Expresso de Prata assumiu provisoriamente os serviços.

Segundo a Artesp, foram encontradas irregularidades constantes como desde veículos com pneu careca, superlotados ou sem itens de segurança obrigatórios até a redução do horário da linha, funcionário sem identificação, atraso no horário do início da viagem, não exposição da tabela de preço e horário no interior de veículo, entre outras. Não havia um ponto de venda de passagens da empresa autorizado pela ARTESP, por não possuir as condições básicas necessárias exigidas pela Agência para este fim.

Ainda de acordo com a Artesp, a RIL realizava irregularmente o transporte intermunicipal de passageiros na linha com destino a Ribeirão Preto, passando pelos municípios de Iacanga, Ibitinga, Itápolis, Taquaritinga, Jaboticabal e Barrinhas.

A empresa de ônibus, por sua vez, diz que “está empenhada em resolver a situação e está orientando a todos os passageiros que compraram passagens que o embarque será realizado pelo Expresso de Prata na plataforma de número 10 dentro do terminal rodoviário.”

Veja a nota completa da Artesp:

A ARTESP – Agência Reguladora de Transportes de São Paulo informa que sua equipe de fiscalização da DPL – Diretoria de Procedimentos e Logística suspendeu nesta quarta-feira, 01 de setembro, as atividades da empresa RIL, de Bauru, que realizava irregularmente o transporte intermunicipal de passageiros na linha com destino a Ribeirão Preto, passando pelos municípios de Iacanga, Ibitinga, Itápolis, Taquaritinga, Jaboticabal e Barrinhas. Foi solicitado que outra empresa, em situação regular, atendesse à demanda de passageiros a partir desde esta quinta-feira, 02 de setembro. Fiscais da ARTESP estiveram no local de venda de passagens pela empresa, uma padaria, e de embarque e desembarque irregulares de passageiros, conferindo a suspensão das atividades da RIL. Colaboradores da empresa substituta,  que operará a linha, vão orientar os passageiros a embarcarem no terminal rodoviário, em viagens regulares e seguras.

A equipe da ARTESP realiza periodicamente a fiscalização dos veículos da empresa citada na matéria, assim como inspeciona os locais de embarque e desembarque de passageiros e de venda de passagem. Nos últimos meses, a RIL tem sido notificada e autuada para que providencie correções das irregularidades relativas à sua atuação – que vão desde veículos com pneu careca, superlotados ou sem itens de segurança obrigatórios,  até a redução do horário da linha, funcionário sem identificação, atraso no horário do início da viagem, não exposição da tabela de preço e horário no interior de veículo, entre outras. Não havia um ponto de venda de passagens da empresa autorizado pela ARTESP, por não possuir as condições básicas necessárias exigidas pela Agência para este fim, como capacidade, segurança, higiene e conforto para o atendimento dos usuários. Outro ponto que comprova a irregularidade na comercialização de passagens pela RIL é a ausência da tabela de horário da linha intermunicipal rodoviária, que é de exibição obrigatória no ponto de venda e no interior do veículo.

O ônibus – placa BUS-5977 -, que fazia viagens intermunicipais rodoviárias da empresa, já havia sido fiscalizado anteriormente pela ARTESP.   No dia 17 de agosto, teve início processo de vistoria e análise mecânica, de documentação e de itens de segurança do veículo, que resultaram no seu descadastramento junto à Agência e na sua remoção para pátio. O ônibus placa BUS 5977 está, portanto, impedido de circular até a sua total regularização.

Nesta quinta-feira, 02 de setembro, a ARTESP também suspendeu a operação de linhas suburbanas pela RIL, que tinham como destinos as cidades de Ubirajara, Arealva e Reginópolis. O veículo que operava essas linhas foi retido, excluído do sistema ARTESP e recolhido a pátio, também estando impedido de rodar até a sua total regularização. Entre outros problemas, o ônibus estava com vidro quebrado, poltronas rasgadas e vistoria vencida desde 2014.

A ARTESP continuará promovendo uma força-tarefa de fiscalização nos locais irregulares de venda de passagens e de embarque e desembarque de passageiros adotados pela RIL. Vale lembrar que a Agência tolera o embarque e desembarque de passageiros do transporte intermunicipal fora do Terminal Rodoviário, porém, desde que não haja porte de bagagens.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Rafael disse:

    Essa empresa já opera de forma precária a anos, infelizmente só exite essa empresa em algumas linhas no centro oeste paulista. Não há outra opção.

  2. carlos souza disse:

    Extingue essa Orcrim e estatiza tudo,oras.Mas não.Nesse país criminoso e ilegal,entregam o que deveria ser de exclusividade 100% estatal,ou seja,tudo,a qualquer empreseca de mehrdhy@.

  3. Luiz Carlos Direnzi disse:

    Não imaginei que a RIL estivesse nessa situação. Mas por outro lado a ARTESP deveria ter dado a Empresas Reunidas Paulista o direito de operar a linha Bauru – Ribeirao Preto para que a Reunidas posteriormente colocasse um horario opicional de Bauru a Ribeirão Preto via Jaú. Que seria mais ideal para Bauru e Jaú.

Deixe uma resposta