Após Assembleia de Minas Gerais aprovar PL que proíbe ônibus de aplicativo, Buser faz promoção com viagem grátis dentro do estado

Empresa não cobrará viagens dentro de MG de 08 a 22 de setembro. Foto: Douglas Célio Brandão / Ônibus Brasil

Projeto proibindo ação de plataformas de mobilidade em viagens intermunicipais precisa ainda ser aprovado em segundo turno; enquanto isso. empresa de aplicativo aposta em ação de marketing para angariar apoios

ALEXANDRE PELEGI

Após um revés no legislativo de Minas Gerais, a plataforma de mobilidade Buser decidiu contra-atacar oferecendo viagens de graça dentro do estado entre os dias 08 e 22 de setembro de 2021.

Lançada nesta segunda-feira, 30 de agosto de 2021, a promoção alcança ao todo mais de 75 destinos, somando 256 trechos, e já aparece disponível para reservas no site e aplicativo da empresa de ônibus de aplicativo.

A Buser promete viagens do que chama “fretamento colaborativo”, com preços, a empresa afirma, 60% mais baratos do que as empresas de ônibus convencionais.

Não há limite de viagens por CPF, mas tudo depende da disponibilidade dos parceiros da plataforma.

A campanha de marketing da empresa é uma maneira de enfrentar a decisão dos deputados estaduais mineiros, que estão prestes a proibir a atuação de empresas de aplicativo de ônibus, como a Buser e 4Bus, no estado.

O projeto de lei PL 1.155/15, do deputado Alencar da Silveira Jr. (PDT), regulamenta o fretamento por ônibus e vans, e foi aprovado em primeiro turno na quarta-feira, 25 de agosto de 2021. Relembre:

Deputados de Minas Gerais aprovam PL que proíbe ônibus de aplicativo e Buser será investigada por MP por suposta prática de suborno

Proibindo, na prática, a atuação de empresas de aplicativo de ônibus, a matéria retornou para a Comissão de Transporte, Comunicação e Obras Públicas, para análise em 2º turno.

Com a decisão dos deputados mineiros, fica vedado o fretamento para viagem intermunicipal intermediada por terceiros que comercializem lugares de forma fracionada/ individualizada por passageiro e com característica de transporte público, como fazem os apps.

O circuito aberto ocorre quando pessoas de forma individual e que têm destinos diferentes usam o ônibus comprando passagens isoladamente sem terem de voltar no mesmo veículo, o que configura linha regular pública.

A Buser tem sofrido reveses na justiça em vários estados, e no caso de Minas Gerais chegou a anunciar um plano de expansão abrangendo 20 novas cidades com reforço da presença em municípios como Itabira, Governador Valadares e Montes Claros.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Cruz disse:

    Essa generosidade é fruto da entrada de BIlhoes de reais que a empresa recebeu do SOFTBANK. Capital especulativo.

  2. Moacir disse:

    Há tempo viajo pela Buser, em carros super confortáveis, preços acessíveis e horário respeitado. Entendo a situação das empresas tradicionais, mas se reinventar e enfrentar a concorrência faz parte em todo mercado. E dinheiro pra isso não deve faltar. E esses políticos devem fazer algo mais importante do que se vender aos lobbys como sempre têm feito.

  3. Wilson disse:

    Nenhum investidor coloca dinheiro sem esperar retorno e lucro.
    Depois que conseguir quebrar as empresas regulares intermunicipais e interestaduais, vai ser a hora de devolver o capital investido.
    Aí eu quero ver os defensores dessa pirataria chorando e implorando a volta das linhas oficiais.

  4. RAIMUNDO JOSE MAIA SOARES disse:

    Chama do pirataria mas nem uma dessas empresas que chamam regular que na verdade se esconde na iprocrisiá da regularidade do transporte nacional, dão o suporte instantâneo que a buser da aos passageiros tudo é imediato, inclusive emergência médicas como tenho testemunhado, quando prendem o ônibus da buser por perseguição de imediato a buser providencia transporte e devolução das despesas com locomoção dos passageiros,sem dúvidas a Buser presta serviço muito melhor ao povo de que essas empresas de rodoviária,e muito mais segura!

  5. DU disse:

    A Buser faz muito bem.

    Linha rodoviária NÃO É capitania hereditária.

    As Gontijos, Sarituris, Utils, Gardenias, Sertanejas, Sandras, Presidentes, Riodoces et catervas de Minas Gerais acham que as ligações rodoviárias são suas propriedades únicas e intransferíveis. Resultado de anos de inércia dos desgovernos que passaram, lobbys parlamentares, pagamentos por fora (pelos envelopes pardos) e por aí vai. POIS NÃO SÃO PROPRIETÁRIAS!

    O passageiro tem o direito de escolher com qual serviço quer ser atendido, qual horário, qual tipo de veículo e na condição que ele (O PASSAGEIRO) ESCOLHER!

    A concorrência É BEM VINDA. E isso tudo NÃO PÁRA POR AQUI. E A POPULAÇÃO QUER CONCORRÊNCIA, QUER: MELHOR PREÇO, MELHOR HORÁRIO E MELHOR SERVIÇO.

    E o Alencar hein? E o Celinho Sinttrocel? Por quanto será que ficou a fatura?

  6. Jovi disse:

    Abaixo a máfia dos transportes! A concorrência é muito bem-vinda. Suborno devem estar recebendo os parlamentares que aprovaram uma lei estapafúrdia dessas.

  7. Agleyamaral44@gmail.com disse:

    Isso e os figuroes, donos de empresa de onibus visando lucro em cima de pobre, com valores enormes, quando um pobre pode enfim viajar de uma maneira confortável e digna vem esee tipo de deputado, que é pago com nosso dinheiro para fazer cagada.

  8. Deveriam era liberar de burocracia e incetivar a concorrência. Mas políticos nunca estão pensando no bem comum e sim em interesses particulares e do próprio bolso.

  9. Maria Abadia Alves disse:

    A empresa Buser,é uma das melhores do Brasil,eles pensa e tem a sensibilidade de nos ajundar com passagem mais baratas,pq eles estão se doendo tanto pq não dá dinheiro para o governo,e ajuda a população com preços execivel para nós. Buscar eu apoio vcs…Parabéns pelo trabalho maravilhoso que vcs propociona a nos.

Deixe uma resposta