Informe publicitário

Quer saber o que a Inteligência Artificial pode e não pode fazer pelo Transporte Público? Separando o Mito da Realidade!

A Optibus, uma startup Israelense que atua no Brasil desde 2020, já conta com operação em mais de 500 cidades em todo mundo, e possui a plataforma mais avançada do mercado para a Programação e Planejamento das operações de transporte público te explica:

 

Transporte de Massa é um desafio digno de Inteligência Artificial

Pensemos em grandes cidades como São Paulo: a cada dia milhões de pessoas transitam pela cidade, indo e voltando do trabalho, indo à escola, se locomovendo para atrações turísticas e outras atividades.

Como se pega uma grande cidade e otimiza todo o seu transporte? Quantos veículos você precisa, onde eles devem parar, quais rotas eles devem percorrer?

Esse problema é o “coração” da programação e do planejamento do transporte público:

Como você otimiza o transporte, orquestrando os movimentos dos veículos e das pessoas da forma mais eficiente possível?

Você poderia supor que exista um supercomputador que pode coletar todos os dados da cidade e otimizar todo o transporte, mas não é esse o caso. Até mesmo nos dias de hoje, muitas decisões operacionais centrais em sistemas de trânsito, são realizadas utilizando-se caneta e papel, ou soluções realizadas com um software. Em qualquer caso, qualquer solução precisa de pessoas que sejam especialistas em trânsito público.

 

Então, o que exatamente é Inteligência Artificial? 

Antes que falemos sobre como o transporte público irá utilizar a Inteligência Artificial (IA) no futuro, olhemos mais atentamente a sua definição. Então, o que exatamente é Inteligência Artificial? Eis uma definição:

A teoria e o desenvolvimento de sistemas de computadores capazes de realizar tarefas que usualmente requisitam a inteligência humana, tais como percepção visual, reconhecimento da voz, tomada de decisões e a tradução entre as línguas”.

Uma outra forma de se colocar isto é que a IA é realmente o conjunto de coisas que, há cinco anos, não poderíamos imaginar que os computadores fossem capazes de realizar. Os avanços tecnológicos por trás da IA fazem com que os computadores realizem tarefas que requisitem a inteligência humana, algo que não poderia ter sido feito por essas máquinas anteriormente.

 

Estamos falando sobre Veículos Autônomos

No mundo da mobilidade, todos os olhares estão voltados aos veículos autônomos como a principal utilização da Inteligência Artificial no transporte. Carros autônomos a utilizam para “ver” a estrada e tomar decisões sobre a direção a tomar, acumulando inteligência suficiente para substituir o condutor humano. Esse tipo de inteligência relacionada à inteligência artificial é denominado de aprendizado profundo e requer muito “treinamento”.

Um mito relacionado aos Veículos Autônomos é que eles tornarão o transporte de massa obsoleto, uma vez que, de certa forma, teremos menos pessoas nas ruas, pois elas estarão utilizando esses tipos de modos de transporte. Isso significa que os “robôtáxis” irão nos transportar para todos os lugares, e não teremos mais mobilidade da forma como a conhecemos, pois não programamos os motoristas para essa equação? A resposta é: NÃO. O problema será o congestionamento. Uma pesquisa interessante mostra que quando as pessoas possuem motoristas à disposição, isso faz com que elas aumentem as distâncias percorridas pelos veículos. Se isso é o que o futuro traz através da Inteligência Artificial e dos Veículos Autônomos, poderemos estar em perigo.

Eis porque nós ainda precisamos de transporte de massa, uma vez que de forma isolada se pode fazer com que as pessoas circulem de forma mais eficaz. A real restrição não é inteligência humana ou Inteligência Artificial, mas sim a quantidade limitada de espaço disponível para o transporte em nossas cidades. Logo, ainda precisamos ter o transporte de massa por trens, metrôs e ônibus, mas com melhor planejamento para o futuro de nossas cidades.

Tudo por um melhor transporte público

No mundo do transporte, a Inteligência Artificial não está voltada apenas a Veículos Autônomos. Deveria estar direcionada também para o planejamento de uma melhor rede de transporte com avançada tecnologia. Para alimentar o “monstro” da IA precisamos de dados que possam ser utilizados para que os sistemas de transporte possam operar de forma mais eficaz. Dados sobre a movimentação das pessoas, demandas subjacentes e os diferentes padrões dessa demanda. Também temos dados de tráfego, dados de como os ônibus circulam, e históricos em tempo real.

Esses dados podem ser utilizados pela IA para prever a demanda, o tráfego, e juntamente com algoritmos avançados, tudo isso pode resultar em um melhor planejamento, criando rotas que melhor combinem tanto as demandas quanto as ofertas.

Por exemplo, hoje na Optibus utilizamos dados de desempenho histórico para sugerir melhores horários que atendam de forma mais positiva os critérios de custos e otimizem o desempenho num determinado momento. Realizamos isso automaticamente, utilizando Inteligência Artificial. Coletamos dados da movimentação de veículos na cidade, e utilizamos a IA para aprender com esses dados e prever a probabilidade real de desempenho de cada viagem, baseado nos muitos diferentes parâmetros, como hora do dia, tipo de veículo e até mesmo o motorista. Tomamos essas previsões de Inteligência Artificial e as adicionamos para a otimização do veículo de transporte público, de forma que tenhamos sugestões automáticas de novos horários com melhor desempenho naquele momento.

 

Em seguida, Controle em tempo real

Agora que possuímos um sistema de Inteligência Artificial que pode planejar o transporte orientado através de dados, por que não utilizamos a mesma tecnologia para operacionalizar esses planos em tempo real?

Nos dias de hoje, o planejamento e o envio em tempo real e as operações, são dois mundos totalmente diferentes. São até mesmo desenvolvidos por duas equipes distintas, os planejadores de um lado, e os operadores de outro lado.  Os planejadores focam em criar um plano que acatará a demanda, que será mais eficaz em termos de custos e viabilidade. Os operadores focam em solucionar os problemas em tempo real.  Eles não têm tempo de encontrar a solução mais otimizada, pois precisam solucionar os problemas rapidamente, para que o impacto sobre os passageiros seja mínimo.

Mas eles sabem que já podemos checar bilhões de opções baseadas em dados em tempo real, e então tomar decisões inteligentes com os computadores que utilizam a Inteligência Artificial. E podemos utilizar a mesma tecnologia para:

  • Obter dados em tempo real sobre a movimentação e a demanda do veículo;
  • Prever problemas em tempo real, tais como atrasos, OTP (OpenTripPlanner – planejamento de viagem multimodal), alta demanda, etc;
  • Avaliar todas as diferentes opções, sob as restrições regulares, e sugerir melhores soluções em tempo real.

 

O futuro – Orquestração

Esse é o futuro da IA no transporte de massa: mudar do gerenciamento desse tipo de transporte para a orquestração de todos os meios de transporte em uma cidade, talvez baseando-se em incentivos ou regras que otimizem as necessidades individuais e as da cidade também. Isso é necessário para evitar as ineficácias criadas por permitir que alguns meios de transporte sobreponham outros, e também para fazer melhor uso dos muitos recursos de dados sobre como as pessoas se movimentam na cidade e para onde elas desejam ir. Utilizando esses dados e oferecendo escolhas que sejam melhores para todos os moradores, este é o caminho do futuro.

 

Contatos diretos:

Ronen Avraham: ronen.avraham@optibus.com

André Vieira: andre.vieira@optibus.com

Saiba mais sobre nós: https://www.optibus.com/

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta