Eletromobilidade

BYD entrega primeiros 50 Táxis 100% elétricos em Santiago do Chile

A frota de táxis BYD e5 na Plaza de la Constitución, em frente à Casa de Governo do Chile

País está empenhado em alcançar transporte público 100% elétrico até 2040

ALEXANDRE PELEGI

No Chile o setor de transporte consome mais de 36% da energia, sendo que a maior parte da energia neste setor é importada e poluente.

Este é um dos motivos que levou a eletromobilidade a começar a desempenhar um papel relevante no país.

O Programa “Meu Táxi Elétrico”, uma iniciativa do Ministério da Energia, tem essa proposta: promover os táxis elétricos no transporte público dessa importante cidade da América do Sul.

Nessa semana os 50 primeiros táxis pretos de Santiago deram lugar a 50 veículos elétricos BYD e5.

Na cerimônia de entrega dos novos veículos aos taxistas da capital Santiago, o Ministro de Energia e Mineração, Juan Carlos Jobet, celebrou a conquista. “Hoje é um dia histórico para o Chile. Os tradicionais táxis com teto preto e amarelo serão substituídos por carros 100% elétricos com teto verde. Essa contribuição ambiental será fundamental para descontaminar nossas cidades, tornando-as mais silenciosas e limpas. Isso sem dúvida vai melhorar a qualidade de vida das pessoas”, afirmou Jobet.

Os beneficiários do Programa “Meu Táxi Elétrico” recebem seus veículos BYD e5. (Da esquerda para a direita: Gerente executiva da BYD Chile, Tamara Berríos; Vice-Ministro de Energia, Francisco López; Ministro de Energia e Mineração, Juan Carlos Jobet; Ministro de Transporte e Telecomunicações, Gloria Hutt, e dois beneficiários do programa: Sr. Sergio Rivero e Sr. Miguel Angel Silva).

Afirmando que o Chile está empenhado em alcançar transporte público 100% elétrico até 2040, Joubet ressaltou que com o programa “Meu Táxi Elétrico” não só reduziu-se as barreiras econômicas e tecnológicas para que os taxistas tenham acesso aos veículos elétricos. Joubet afirmou que “contribuiremos para os nossos objetivos de mobilidade elétrica”.

Na cerimônia, as autoridades chilenas anunciaram a expansão do programa para outras cidades, começando com a substituição dos táxis em Valparaíso, Aysén e Los Ríos. Além disso, a iniciativa continuará a se desenvolver na Região Metropolitana.

Nesta primeira versão do Programa “Meu Táxi Elétrico” foram 50 taxistas.

Cada um recebeu um cofinanciamento de até US$ 10 mil (cerca de R$ 52,5 mil) para trocar um táxi básico por um BYD e5 elétrico. O programa proveu ainda a instalação de um carregador elétrico doméstico e o monitoramento por um ano do veículo adquirido.

Para a Gerente executiva da BYD Chile, Tamra Berríos, “o desafio para a disseminação da mobilidade elétrica requer alianças e estratégias vinculadas a políticas públicas. Em linha com o compromisso que a BYD assumiu há 4 anos como apoiador da mobilidade elétrica no Chile, hoje podemos dizer que colaboramos com sucesso com o transporte de emissão zero, não só em frotas de ônibus, mas também com a grande frota inaugural de táxis em Santiago. Isso não teria sido possível sem o apoio da Agência de Sustentabilidade Energética e do governo do Chile, que promoveu os benefícios da mudança tecnológica para os operadores de táxi “.

FROTA DE 50 BYD E5

Santiago do Chile tem atualmente 455 ônibus e 50 táxis todos elétricos em operação na capital chilena.

O diretor de Marketing e Sustentabilidade da BYD, Adalberto Maluf, lembra que recentemente a fabricante comemorou a marca de 1.000.000 de automóveis produzidos. “Isto representa que a eletromobilidade se consolida como a principal tendência do setor automotivo globalmente. A BYD se orgulha de ser pioneira e uma das maiores fabricantes de veículos elétricos da história. Ficamos muito felizes em ver o setor de transporte reduzindo sua pegada de carbono no mundo”, disse Maluf.

Na América Latina os veículos 100% elétricos da BYD atendem atualmente os mercados em muitos países da América Latina, incluindo Chile, Colômbia, Argentina, Brasil, Equador e Uruguai.

Globalmente, os ônibus, táxis e outros veículos 100% elétricos da BYD se espalham por mais de 300 cidades, em mais de 50 países e regiões.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Rodrigo Zika disse:

    Enquanto isso em SP zzzz.

Deixe uma resposta